Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Devemos incluir os(as) "ex" na nova relação?

Resultado de imagem para triângulo amoroso desenhos

 

 

Mais uma vez, e para que vejam o que se pode debater ao ver um programa televisivo apelidado de lixo, o "Casados à Primeira Vista" deu o mote para a discussão deste tema, através de vários concorrentes, nomeadamente, a Sónia, que convidou o ex marido para almoçar com o actual marido, do Dave, que ligou à ex para falar dos problemas que estava a atravessar com a actual mulher ou, mais recentemente, a Graça, que fez questão que o marido conhecesse pessoalmente o ex marido e pai dos seus filhos, e que pretende que haja uma convivência saudável entre eles, frequentando as casas um do outro e, inclusive, celebrando épocas festivas em conjunto. 

 

 

Pessoalmente, o único ex com quem ainda mantenho contacto é o pai da minha filha, e é apenas por ela, que esse contacto existe.

O meu actual marido cumprimenta-o, fala com ele se for preciso, tal como eu falo, sobre questões relacionadas com a nossa filha, mas não há mais convivência que essa. Não são (somos) amigos, não fazemos almoçaradas/ jantares ou festas em conjunto, nem tão pouco partilhamos natais ou aniversários.

 

 

No entanto, nem todas as pessoas são iguais e se, na maioria dos casos, com o fim da relação, vai cada um para seu lado e segue o seu caminho, noutros as pessoas até ficam amigas dos(as) "ex", e a convivência permanece.

 

 

Mas, e quando iniciamos uma nova relação?

Será aceitável continuar a incluir e partilhar a nossa vida, da mesma forma, com os(as) "ex"?

Devem os(as) actuais companheiros(as) aceitar e sujeitar-se a essa convivência, mesmo que não se sintam confortáveis com a situação?

É aconselhável essas pessoas mudarem a sua atitude, relativamente aos(às) seus(suas) "ex", porque a nova relação assim o exige?

 

 

Até que ponto o liberalismo se pode transformar em falta de respeito para com o(a) actual companheiro(a)?

Até que ponto uma pessoa que se afirma liberal, contraria esse conceito, exigindo ao outro que pense e aja como ela própria? Em que é que liberalismo se coaduna com inflexibilidade?

 

 

Eu penso que, se todos estiverem de acordo e se sentirem confortáveis, seguros e à vontade com essa convivência, sem dramas, ciúmes ou dúvidas, não haverá qualquer problema.

Não vejo nada de errado em que todos consigam ser amigos e dar-se bem.

Mas não devemos impôr algo que não agrada, ou com o qual o(a) actual companheiro(a) não se sente bem, tal como não nos devemos sujeitar a fazê-lo, porque alguém nos impõe isso.

 

 

Deve haver bom senso, alguma flexibilidade e cedência de parte a parte, e respeito pelos sentimentos da pessoa com quem actualmente partilhamos a nossa vida, e vice-versa.

 

E por aí, qual é a vossa opinião?

 

 

Porque um blog também é isto

Imagem relacionada

 

Poder ajudar outras pessoas, poder partilhar experiências, trocar opiniões sobre algo.

Tenho escrito, desde que criei o blog, mais de 2000 textos.

Desses, há um em particular, publicado em 2012 que, ainda hoje, se mantém actual, e tem dado origem a diversos contactos, de diferentes leitores.

O post em causa é referente à Púrpura de Henoch Schönlein, uma doença ainda desconhecida da maioria das pessoas, tal como o era para mim, em 2012, ano em que a minha filha foi internada com essa doença e que, durante cerca de dois meses, virou as nossas vidas de pernas para o ar, e da qual só teve alta definitiva dois anos depois.

É um post com quase 6 anos, que já está lá muito para trás, no arquivo das publicações, mas ainda há dias recebi um email de uma mãe a querer saber mais, porque a sua filha tinha sido diagnosticada com esta doença.

Não é que eu possa ajudar muito, porque não haverá ninguém melhor que os médicos para informar e esclarecer dúvidas. 

A única coisa que posso fazer, é falar do caso da minha filha, que está longe de ser dos mais graves, porque não afectou o que mais poderia causar danos.

Mas, ainda assim, se com isso puder ajudar esses pais, já valeu a pena.

Porque um blog, mais do que para nós, é também para quem nos lê. E, para além das parvoíces, desabafos, reflexões, brincadeiras e tudo o mais, também é isto: partilha!

 

Aqui ficam os posts que escrevi sobre esta doença banal que atinge muitas crianças:

http://marta-omeucanto.blogs.sapo.pt/53896.html

http://marta-omeucanto.blogs.sapo.pt/53515.html?thread=1455115

http://marta-omeucanto.blogs.sapo.pt/60257.html

 

A confusão de um facebook partilhado por dois

Resultado de imagem para facebook

 

1 - Sempre que comentamos uma publicação, as pessoas tendem a achar que sou sempre eu, porque é o nome que aparece primeiro!

 

2 - Muitas vezes, comentamos os dois a mesma publicação, porque temos ideias diferentes sobre a mesma questão, e temos que assinar no fim, quem escreveu o comentário!

 

3 - Não dá para colocar duas datas de nascimento, logo, ou fazemos os dois anos no mesmo dia, ou arriscamo-nos a receber os parabéns pelo aniversário do outro! Mesmo quando se faz uma publicação específica e esclarecedora, há enganos! E recebemos os parabéns de pessoas que nem sequer conhecemos, mas que são amigas do outro!

 

4 - Já no que respeita a frases, reflexões e afins, as pessoas tendem a achar que é o meu marido que as escreve, e são para ele os "louros", por tão sábios pensamentos!

 

5 - Quando temos amigos em comum que enviam mensagens, quem está do lado de lá nunca sabe com quem está a falar e, ou é discreto e disfarça, ou tem que perguntar quem é que está a falar.

 

6 - Já aconteceu estar numa conversa facebookiana com a minha filha e, de repente, aparecerem lá frases escritas pelo meu marido, no meio da conversa, porque também estava a ler, noutro lado, e quis participar!

 

7 - Acontece, por vezes, um de nós ver as notificações de mensagens e esquecer de avisar o outro, e achamos que não recebemos nada, até um dia irmos ver, e encontrar as mensagens perdidas.

 

8 - Também já aconteceu perguntarem a um de nós porque tinhamos feito algo, e não fazermos a mínima ideia do que a pessoa está a falar, porque não foi um, mas sim o outro a fazer.

 

9 - Acabamos por ter várias publicações na nossa cronologia, que cada um de nós dispensaria, se o perfil fosse só seu.

 

10 - Tem a desvantagem de ter pessoas que não fazemos a mínima ideia de quem são mas, como partilhamos várias coisas dos nossos blogues, acaba por chegar a mais pessoas, tornando-se uma vantagem.

 

 

Se poderíamos ter cada um o seu próprio perfil? 

Sim. Mas já estamos tão habituados, que até acabamos por achar piada a algumas destas confusões!

 

 

 

 

 

 

Solidariedade que vem de dentro, e se sente por fora!

"Solidariedade é um acto de bondade com o próximo, ou um sentimento, uma união de simpatias, interesses ou propósitos"

 

Se há solidariedade e pessoas solidárias neste mundo, este é um exemplo disso.

Sim, existem muitas formas diferentes de mostrar que somos solidários. E cada um escolhe aquela que mais se adequa à sua maneira de ser e de estar na vida.

Ainda há pouco tempo, assistimos a diversas manifestações de solidariedade para com as vítimas, e sobreviventes, do ataque ao Charlie Hebdo, um pouco por todo o mundo.

Quer através de junção de multidões, marchas, da arte nas suas variadas formas, de um simples texto num blog ou numa rede social, foi enorme o apoio a esta luta pela liberdade de expressão. Não que se pudesse com isso fazer alguma coisa pelas vítimas, ou proteger que cá ficou, mas pelo facto de que não aceitamos que em pleno século XXI e em países onde prezamos e usufruimos da liberdade de expressão conquistada com muita luta, haja ataques como este.

Mas, não condenando essas mesmas formas de demonstrar apoio e solidariedade, não posso deixar de enaltecer e destacar esta que, a meu ver, e a ser concretizada, é um verdadeiro acto de bondade para com alguém que não devia ter sido condenado, nem sujeito a tão dura pena.

Sim, refiro-me a Raif Badawi, condenado a ser chicoteado 1.000 vezes por insultar o islão no seu blogue. E aos sete membros da Comissão Americana para a Liberdade Religiosa Internacional, que se oferecem para receber 100 chicotadas cada um, no lugar dele.

Homens e mulheres, conservadores e liberais, cristãos e muçulmanos, todos defendem o mesmo princípio: 

"A compaixão, uma virtude sublinhada no islão bem como no cristianismo e no judaísmo e outras fés, é definida como sofrer com o próximo. Somos pessoas de credos diferentes, mas estamos unidos pelo sentido de obrigação de condenar e resistir à injustiça e, se for necessário, sofrer com as suas vítimas. Preferimos partilhar da sua vitimização do que ficar parados a vê-lo sofrer esta cruel tortura".

 

Posto isto, que mais se pode dizer? É a solidariedade que vem de dentro, e se sente por fora, na própria pele, atenuando e partilhando a dor do próximo!

Lado a lado

 

A vida nem sempre é justa.

Todos os dias somos postos à prova e, por vezes, não temos vontade de seguir adiante com a corrida. 

Por vezes, limitamo-nos a caminhar ou, simplesmente, paramos quando nos confrontamos com as dificuldades.

Mas, se tivermos alguém que nos dê a mão, que nos dê força, que nos apoie, que corra ao nosso lado, tudo se torna mais fácil!

Diz-se que a solidão que sentimos quando nos abandonamos a nós próprios é bem maior do que aquela que se sente quando os outros nos abandonam. É verdade.

E se nós próprios nos abandonarmos, quem nos irá querer acompanhar? 

Mas não somos ilhas isoladas neste mundo. Precisamos uns dos outros, precisamos de partilhar, dar e receber, ajudar e ser ajudados, amar e ser amados. Que prazer haveria se não tivessemos com quem dividir as coisas boas? E como seria terrível se não tivessemos alguém com quem superar as coisas más? 

É bom ter alguém para nos puxar, quando pensamos que não temos mais forças para continuar a corrida. E é bom poder abrandar para ajudar alguém que está a ficar para trás.

  • Blogs Portugal

  • BP