Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

RX - Patinho Feio

FOTO PROMO PF CORES.jpg

 

Os Patinho Feio estão de volta, dois anos após o lançamento de “Para Não Se Estar Calado”, dando continuidade à estória deste "ser buliçoso e de sangue quente", com “A Verdade Que Convém”, o novo álbum da banda, composto por 12 temas, cantados em português, e carregados de intervenção.

 

"De verdades que são mentiras e de mentiras que são verdades convenientes...

De um fado que não é fado …

De um ladrão que pede perdão ou talvez não …

O que resta?

Chiu! Calem-se, planeia-se o palco!

É que o sentinela disparou e fez que se enganou!"

 

 

Aqui fica o RX aos Patinho Feio: 

 

Resultado de imagem para rx

 

De que forma se descreveriam através destas palavras?

 

Silêncio – Ponto de partida.

Verdade – Ilusão.

Busca – Inquietação.

Português – Identidade.

Recomeço – Circulo vicioso.

Indagação – Gestação.

Música – Inevitabilidade.

Rock – Forma de estar.

 

 

Há cerca de dois anos, lançaram o álbum de estreia. Que diferenças poderá o público encontrar entre esse trabalho, e o novo que agora apresentam?

“A Verdade Que Convém” vem no seguimento do “Para Não Se Estar Calado”, o novo disco tem mais faixas, está mais maduro e deve ser ouvido como um livro.

 

 

A VERDADE QUE CONVEM COVER.jpg

 

"A Verdade Que Convém" é o vosso mais recente álbum. Na vossa opinião, a "verdade que convém" é sempre uma mentira?

Não necessariamente, mas quase sempre.

 

 

"Indagando" é o single de apresentação do álbum. Que indagações movem os Patinho Feio?

A busca da verdade e da mentira como faces da mesma moeda.

 

 

Este novo trabalho conta com produção de Hugo Correia, e a participação de JP Freire no introdutório de "Avenida dos Capitães". Como surgiram estas colaborações?

Ao contrário do primeiro disco, em que foi tudo feito de forma caseira (as captações) tirando a mistura e masterização, neste trabalho decidimos convidar alguém para produzir o disco.

O Hugo Correia surgiu pela amizade, e pelas capacidades técnicas e musicais. É um músico de excepção.

A voz do J.P. Freire, escritor e músico nosso conterrâneo, surgiu por amizade, estética, e como uma homenagem à cena “underground” Ilhavense.

 

 

Se pudessem escolher algum artista/ banda para partilhar o palco, quem escolheriam?

Existem muitos artistas e bandas com quem gostaríamos de partilhar o palco, assim de repente, talvez os Mão Morta.

 

 

Por onde vão andar os Patinho Feio nos próximos meses?

Nos próximos tempos vamos andar pelo país a promover “A Verdade Que Convém”.

 

 

Para além do lançamento do novo álbum, que objectivos gostariam de ver concretizados a nível musical em 2018?

O nosso principal objectivo é que a música do Patinho Feio chegue ao maior número de ouvidos possível.

 

 

Muito obrigada!

Marta Segão

 

 

 

 

Nota: Este RX teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens e o vídeo. 

À Conversa com os Patinho Feio

patinho feio foto promo.jpg

 

António Justiça, que já tinha feito parte de vários projetos musicais, surgiu em 2013 com a ideia de um novo projeto.

A ele, juntaram-se André Imaginário (guitarra), Rui Valentim (teclas), Filipe Pires (baixo) e João Malaquias (bateria), formando a banda Patinho Feio.

 

 

 

capa patinho feio.jpg

 

Com um ano de 2015 pleno de concertos, surge agora o primeiro disco “Para Não Se Estar Calado”, lançado hoje em formato digital.

Patinho Feio são uma banda que vem provar que o rock em português está vivo, de boa saúde, e recomenda-se!

Hoje estão aqui no cantinho para falar sobre o seu projeto, e o álbum de estreia.

 

 

 

 

Patinho Feio, porquê este nome?

Digamos que talvez haja um patinho feio em cada um de nós, em cada pessoa :)

Um pouco à semelhança do imaginário proporcionado pelo conto de Anderson isso foi determinante na escolha do nome.

 

Quais são as vossas referências musicais a nível de rock, tanto em Portugal como a nível internacional?

Todos temos gostos diferentes e variados no que toca a rock e isso acaba por se refletir na nossa música, em Portugal temos como referência uma grande banda os Mão Morta, no geral e a nível internacional Smashing, Queens of the Stone Age…mas aqui alarga-se um pouco o horizonte e cada um de nós terá um leque mais vasto de gostos e referências.

 

2015 foi um ano pleno de concertos. Conseguem destacar algum que vos tenha marcado mais?

Em 2015 um concerto que nos marcou muito foi no Popular de Alvalade, é um espaço onde gostamos muito de tocar, respira-se rock e sempre rodeados de boa gente. Já lá passámos também este ano com a apresentação do disco.

 

Os Patinho Feio cantam apenas “Para Não Se Estar Calado”, ou a vossa motivação vai muito além disso?

Obviamente que muito mais além, o nome do álbum tem uma ligação directa com um tema em particular, o “Porém Onde Se Pode Ouvir “...porém vá-se lá saber, às vezes fala-se para não se estar calado...” é uma vontade de nos fazermos ouvir / exprimir, se não estamos calados não estamos parados é um pouco por aí…tocar o mais possível para levar o Patinho Feio a um maior número de pessoas.

 

Muitas bandas apostam em álbuns totalmente cantados em inglês, sobretudo quando falamos de rock. Porque é que os Patinho Feio optaram pela nossa língua? Consideram que foi uma boa aposta?

É um facto que há muitas bandas a cantar em inglês, mas também parece começar a haver outra tendência e a música em português parece querer reaparecer e até reinventar-se. No nosso caso desde cedo que definimos que seria na nossa língua, nunca quisemos que o Patinho Feio se chamasse “Ugly Duck” se bem que a título de brincadeira costumamos dizer que podíamos ter uma música chamada “bad poetry” ou um “porém” que podia ser “however” :)

 

O vosso álbum de estreia é lançado hoje em formato digital. O que pode o público esperar deste primeiro trabalho, para além de “Poesia Má”, o single de apresentação?

O disco conta com sete temas: mentira, ilusório, porém, espera, poesia má, vicio, resignação.

Digamos que os sete falam de medos, angustias, incoerências, incertezas, amor, etc... Há uma carga emocional que gostamos de transmitir e que cada pessoa sinta um pouquinho daquelas palavras dentro de si mesma.

Quanto à musica, digamos que é um rock honesto e de entrega total, por vezes cru, outras vezes mais rebuscado, faz parte da nossa forma de estar dar tudo o que temos quando tocamos ao vivo.

 

Quais são as expectativas para este álbum de estreia?

Estamos otimistas com a saída do disco, também por isso optámos em conjunto com o digital fazer edição física do disco.

Encaramos o futuro com alguma expectativa, mas sem ilusões e com os pés no chão.

 

Por onde vão andar os Patinho Feio nos próximos meses?

Temos gerido a nossa agenda por nós mesmos o que faz com que os concertos vão aparecendo e não havendo por isso uma agenda muito alargada.

Mas andaremos por aí porque o principal objetivo é continuar a tocar e a fazer música, até “para não se estar calado”.

 

Muito obrigada pela disponibilidade!

 

 

Nota: Esta conversa teve o apoio da editora Farol Música, a qual cedeu também as imagens.

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP