Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Ainda existem pessoas capazes de me surpreender positivamente!

IMG_5464.jpg

 

A minha filha foi convidada para o aniversário de duas amigas e colegas de turma (irmãs gémeas).

Hoje em dia, os almoços/ jantares, na adolescência, são entre amigas, sendo que os pais, quanto muito, vão levar e buscar.

E cada um paga o seu.

 

Neste caso, pelo que percebi, a minha filha era a única da turma a ir ao almoço, que seria mais para a família (pais, tios, avós), sendo que os pais ficaram de vir buscá-la mas, como o almoço era cá em Mafra e estavam atrasados, acabei por ir com ela até ao restaurante, onde lhe fiz companhia, até eles chegarem.

Quando as aniversariantes chegaram com a tia, deixei a minha filha com eles, e voltei para casa.

Até porque depois do almoço iam todos para casa das miúdas, para cortar o bolo.

 

Entretanto, ao final da tarde, enviei mensagem à minha filha, a perguntar se era para ir buscá-la. Disse que não era preciso, que a traziam a casa. Pedi-lhe só para enviar mensagem, quando estivesse a vir. 

 

Passado um pouco, recebo uma chamada de um número que não conheço.

Era a mãe das amigas.

Ligou-me para pedir desculpa pelo atraso no almoço.

Para agradecer por ter deixado a minha filha celebrar o aniversário das filhas com elas.

A dizer que ficava muito contente com esta amizade.

E a fazer já um novo convite.

Aliás, dois.

Um para a minha filha, para uma celebração que irão fazer lá mais para a frente.

Outro para nós, mães (e padrastos) nos conhecermos pessoalmente.

E a informar que, como tinham ficado sem carro, seriam os tios a trazer a minha filha.

 

Como combinado, os tios deixaram a minha filha à porta de casa.

Fui agradecer-lhes.

Parecem pessoas impecáveis.

 

Pela minha filha, mandaram comida da festa, uma fatia de bolo de aniversário, e ainda legumes e outras coisas.

Além de tudo isto, pagaram-lhe o almoço.

 

Posso estar a ser muito ingénua, ou até precipitada, mas gostei das pessoas.

Gostei dos gestos delas para connosco, e para com a minha filha.

Hoje em dia, isso é cada vez mais raro.

Senti que, pela primeira vez, em vez de sermos nós a fazermos de tudo para a minha filha poder estar com as amigas, e assumirmos a responsabilidade, foi alguém que o fez por nós. Que teve esse cuidado, e atenção.

São pessoas que, de certa forma, pensam e agem de forma semelhante à nossa. 

 

Agora é esperar que esta amizade permaneça, apesar dos caminhos diferentes que irão, certamente, seguir na vida.

Eu fico feliz.

E, pelo que percebi, a mãe delas também!

Das pessoas a quem nos juntamos...

6be2a1956f9a3582c0a7ea4d6212ceae.jpg

 

Nem sempre as pessoas a quem nos juntamos, são as melhores para o fazermos.

Mas são, em determinadas circunstâncias, aquelas que de precisamos.

Aquelas que, naquele momento, nos fazem sentir bem.

 

Por vezes, é difícil compreender porque é que determinada pessoa se junta, ou se dá bem com outra.

Porque é que não percebe que aqueles, de quem está próxima, não são a melhor escolha para amizade.

Que são diferentes de si, com valores que nada têm a ver com os seus. 

Que pode haver ali interesse, segundas intenções.

Que seria melhor afastar-se.

 

A verdade é que essa pessoa até pode vir, mais cedo ou mais tarde, a percebê-lo.

Mas, em determinado momento, aqueles que os outros julgam ser nocivos para si, o "grupo dos maus", são aqueles que estão lá. 

São um apoio.

Ainda que falso.

Ainda que temporário.  

Mas que mais ninguém ofereceu. 

A primeira mão que foi estendida e que a pessoa, com receio de cair, agarrou.

 

Momento embaraçoso do dia

6 coisas (boas e ruins) que só quem é envergonhada entende - VIX 

 

Aquele em fiquei a olhar para uma pessoa que, aparentemente, me conheceu e me cumprimentou, tratando-me até pelo nome, sem eu saber quem era!

A cara não me era estranha, mas não fazia a mínima ideia de como se chamava, nem de onde conhecia tal pessoa.

E a dita cuja, ao perceber que eu não a estava a conhecer, lá me elucidou.

 

Se isto pode acontecer a qualquer um?

Pode.

Mas, comigo, acontece quase sempre.

E com esta pessoa, já é a segunda vez!

 

Está cientificamente comprovado que a minha memória está mais para peixe, que para elefante!

Posso até, em raras ocasiões, ver uma pessoa e recordá-la daí em diante. 

Mas, regra geral, esqueço-me de quase todas, se não lidar com elas no dia a dia.

Rodeia-te de pessoas que tragam leveza à tua vida!

12 Things That Lift My Spirit in Dark Times

 

Não escolhemos a pessoas que entram na nossa vida.

Mas podemos escolher aquelas que queremos que permaneçam.

E se a vida já nos faz, por vezes, carregar algum peso, resultante das nossas vivências, não será bom ter, ao nosso lado, pessoas que ainda nos atiram mais peso para cima.

 

Por isso, neste novo ano, rodeia-te de pessoas que gostem de estar contigo, que te façam rir, que te animem, que te façam mostrar o melhor de ti, que te aceitem como és, e que tragam, de alguma forma, leveza à tua vida!

 

Preservar a essência

transferir.jpg

 

A essência é aquilo que nos caracteriza, que nos diferencia, que nos define.

É aquilo que nos torna únicos.

É aquilo que sobressai em nós. A nossa marca.

Muitas vezes, é aquilo que se destaca aos olhos dos outros. Que os faz gostar de nós. Que os faz sentir admiração. Que os conquista.

 

A nossa essência é algo que devemos preservar sempre.

Infelizmente, nem sempre isso acontece.

Seja pelas circunstâncias da vida, ou pelas pessoas que fazem parte da nossa vida, não são raras as vezes em que, sem darmos conta, ou porque a isso somos obrigados, vamos perdendo a nossa essência.

Por vezes, ela desvanece-se de tal forma que, às tantas, deixamos de nos conhecer. Percebemos que não sabemos mais quem somos. Tornamo-nos estranhos.

 

Também acontece as pessoas, que sempre elogiaram a nossa essência, tentarem apagá-la, pouco a pouco, até ela não fazer mais parte de nós e obterem, em troca, uma pessoa vazia que, depois, também ela, não as satisfaz, porque já não é a mesma no início.

 

O pior erro que podemos cometer, é deixar a nossa essência ser anulada, apagada, camuflada, escondida.

É deixá-la desaparecer, fugir.

É perdê-la e, ao perdê-la, perdermo-nos.