Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Arte com ovos

Nestas peças que aqui vêem, segundo o artista, foram dispendidas muitas horas de trabalho.

E quem dá valor, paga uma pequena fortuna por elas.

 

Esculpir ovos não deve ser,por certo, uma tarefa fácil. 

 

Domingos Amaro, nascido em Moçambique em 1961, é apaixonado pela natureza e pela arte. Estudou Belas Artes mas, ainda assim, considera-se um autodidacta. É para as peças que transpõe, de alma e coração, toda a sua criatividade.

Ao longo dos anos participou em várias exposições, individuais e colectivas, tanto com trabalhos de escultura, como também de pintura.
 
 

 

Foto de Ovarte.

Foto de Ovarte.

Foto de Ovarte.

Foto de Ovarte.

 

Alguém imagina que ovos são estes?!

 

Imagens Ovarte

Para verem todas as obras, espreitem a página do artista: https://www.facebook.com/ninoovarte/

 

À Conversa com Manuel Soares Traquina

traquina.jpg

 

Tive, há pouco tempo, oportunidade de ler um dos livros deste autor - Desamores.

Hoje, deixo-vos com a entrevista a Manuel Soares Traquina, o autor desta obra e do seu antecessor, "Sortilégios", a quem desde já agradeço pela atenção e disponibilidade demonstrada desde o início!

Manuel Soares Traquina nasceu em São Simão, uma aldeia do concelho de Sardoal.

Para além de uma carreira profissional na Banca Comercial, colaborou durante vários anos com a imprensa regional, publicou dois livros, e dedica-se à pintura naturalista, tendo participado em inúmeras exposições colectivas, e promovido outras, a título individual.

Para conhecerem melhor o autor, leiam a entrevista que o mesmo concedeu a este cantinho!

 

 

 

 

 

Quem é o Manuel Soares Traquina?

A pessoa menos indicada para se auto classificar, sem o risco de apreciações subjectivas. Ainda assim, consciente da sua qualidade de cidadão comum inserido no seu tempo, cultor de valores tradicionais, devoto das coisas boas da vida…

 

 

O Manuel colaborou, durante vários anos, com a imprensa regional, escrevendo artigos de opinião. Como é que a escrita surgiu na sua vida?

Fui desde muito cedo um leitor compulsivo. Ninguém que leia muito foge à tentação da escrita. Não é possível ler Eça, Camilo, Vergílio Ferreira e ficar-se pela leitura. A primeira tentação é reactiva; o meio envolvente, natural, social ou político suscita opinião. Basta ser observador atento…

 

 

 

Resultado de imagem para sortilégios,manuel soares traquina 

 

Como leitor, é devoto dos clássicos. Como autor, para além dos artigos de opinião, também escreveu a obra “Sortilégios, uma ficção autobiografada e, mais recentemente, “Desamores”. Dentro da escrita, e dos diferentes estilos, o que é que lhe dá mais prazer escrever?

Sortilégios foi uma experiência única, pela tentativa de recuperar um certo tempo remoto, numa trama com laivos autobiográficos e tempero romântico. “Desamores” é mais do nosso tempo, mais adequado à volatilidade de sentimentos… No fundo, escrever é descrever; sentimentos, estados de alma, tipos humanos, cenários… Repito: basta observar e recordar…

 

 

Enquanto leitor, recorda-se de algum livro que o tenha marcado de uma forma especial?

O rol é interminável. Enquanto adolescente acedi a uma obra, hoje ostracizada, mas que continuo a reler, e que ela retribui, comovendo-me. Os Miseráveis, de Victor Hugo são um monumento literário. A sua leitura marcou-me profundamente. Todos os outros, de que destaco os grandes clássicos, - Zola (Rougon-Macquart), Flaubert, Tolstoi e tantos outros - vieram na sequência de uma exigência intelectual e muitos, designadamente alguns contemporâneos, Vasco Pratolini, Moravia, Llosa, são relidos sempre com imenso prazer.

 

 

cartaz_Traquina.jpg

 

O Manuel dedica-se também à pintura naturalista, tendo já participado em diversas exposições, tanto colectivas como a nível individual. O que é que procura exprimir ou transmitir através das suas obras?

Desprovido de propósitos artísticos especulativos, avesso a catálogos ideológicos, autodidacta despretensioso, pinto essencialmente como forma lúdica de estar na vida. Não me preocupa o meu lugar na História da pintura. Se por qualquer afinidade me quisesse qualificar, dir-me-ia, contudo, naturalista, no sentido de ter a Natureza como modelo inspirador. E, perdoe-se-me o egocentrismo, adoro pintar e gosto do que pinto.

 

 

 

 Resultado de imagem para desamores, manuel soares traquina

 

Tendo em conta o seu trabalho a nível de pintura, pergunto-lhe se a imagem que vemos na capa do livro “Desamores” é da sua autoria?

É verdade, embora a editora o tenha omitido. Titulei esse quadro "Leitura ao entardecer" e é óleo sobre tela. Também “Sortilégios” reproduz na capa uma obra minha: “Ficamos mais um pouco” igualmente óleo sobre tela.

 

 

Em termos de pintura, O Manuel inspira-se, sobretudo, na natureza. E relativamente à escrita, em que é que se costuma inspirar?

Acho que fundamentalmente me inspiro em mim próprio. Mas a Natureza está sempre presente na minha escrita. Cito Lobo Antunes: "não temos imaginação, temos memória". E se pensarmos que no dizer de Barthes "tudo o que escrevemos já foi, de algum modo, escrito", a nossa vivência pessoal é um bom fornecedor do essencial da nossa escrita. Estou obviamente a referir-me à escrita convencional, intimista, revivalista...

 

 

 

img_2681.jpg

 

Entre a escrita e a pintura, onde encaixam o Direito e a Banca?

No pragmatismo. E na minha condição de português a quem a sorte não bafejou nem com o ouro do Brasil, nem com os números certos do Euromilhões…

  

 

“Desamores” é o título do seu mais recente livro, editado em dezembro de 2016. O Manuel é um homem de mais amores, ou desamores, na sua vida?

De amores, absoluta e definitivamente, de amores. Sou tradicional, conservador, constante... Mas não podemos ignorar as singularidades do ser humano…

  

 

Na sua opinião, relativamente à forma como era vivido o amor e encarados os desamores, há algumas décadas, e na atualidade, o que mais mudou com o passar dos anos, para melhor e para pior?

Lamento que o Amor esteja demasiado desvalorizado…que o Eros esteja a todo o momento a ser ridicularizado… Talvez na essência não tenha havido muita mudança; a forma sim, essa alterou-se. E também as formas de comunicação. A expressão oral, sensível, romântica deu lugar ao “click”, frio e impessoal.

 

 

Que críticas tem recebido, ao livro “Desamores”, por parte dos leitores?

Os meus amigos/amigas leitores fazem o favor de ser gentis e dizer que gostam… Que posso eu fazer, se eu próprio, narcisisticamente, gosto do que escrevo?

 

 

Haverá uma nova obra para breve?

Estão dois na calha. Hei-de dar-lhe notícia, com a devida oportunidade.

 

 

Muito obrigada, Manuel!

 

 

 

*Esta conversa teve o apoio da Chiado Editora, que estabeleceu a ponte entre a autora e este cantinho.

A relva não é mais verde do outro lado!

 

Não é raro queixarmo-nos da nossa vida, e de tudo o que dela faz parte. Também é frequente, em determinados momentos, invejarmos as vidas, os acontecimentos, a sorte e a felicidade das outras pessoas. Fazendo lembrar aquele ditado que diz que "a relva é sempre mais verde do outro lado" - aquele onde nós nunca estamos!

Mas não é, de todo, verdade. E, com um outro ditado, é fácil derrubar essa teoria "quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro"!

Porque nem tudo aquilo que parece, é. E, muitas vezes, o quadro bonito que os nossos olhos vêem, representa somente isso - uma pintura que mascara a realidade. Ou somos nós que nos deleitamos tanto com a superfície, que não queremos observar mais a fundo para perceber o que a pintura representa.

 

Isso acontece, frequentemente, em vários aspectos e a vários níveis como, por exemplo, em relação aos nossos filhos.

Por vezes, damos por nós a desejar que eles fossem mais como esta ou aquela criança que conhecemos. Porque é mais calma, porque é mais desembaraçada, porque não faz birras, porque se entretem sozinha, porque não tem mau feitio... Mas desengane-se quem pensa que os filhos dos outros não têm defeitos. Porque têm! E é perfeitamente normal!

Faz parte de todos nós. Cada um é como é e, se há certos aspectos que se podem melhorar, outros pertencem ao nosso carácter e não os podemos alterar.

E digo isto porque, nestas semanas, em que tenho convivido mais com crianças além da minha filha, constatei isso mesmo. Há crianças que tendem a portar-se bem e a ser bem educadas quando lidam com pessoas que não conhecem bem e com quem não têm confiança. Mas isso não significa que, no seu ambiente familiar, na sua zona de conforto, sejam assim. Por outro lado, há crianças que lidam com essas mesmas pessoas estranhas como se de colegas da mesma idade se tratassem, embora aparentem ter uma boa educação. Há crianças cuja espontaneadade revela inocência, e outras autoridade.

A verdade é que, nem os nossos filhos são tão maus, nem os dos outros tão bons como queremos acreditar. E quem diz os filhos, diz tudo o resto. Apenas temos que valorizar mais os aspectos positivos, aceitar os defeitos e sentirmo-nos gratos por tudo o que temos!

 

  • Blogs Portugal

  • BP