Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Não vale tudo por jogo... ou será que vale?

JogosMaisPopulares.jpg

 

Em qualquer jogo, como na vida, existem regras.

E, ainda que essas não sejam infringidas, há que saber estar.

 

Um jogo é um jogo e, como tal, sendo o objectivo ganhá-lo, cada um usa a estratégia que melhor lhe servir, para chegar à vitória.

Essa estratégia poderá ser individual, a pares, ou em grupo, ainda que só um acabe por sair vencedor.

Também na vida, usamos as ferramentas que estão ao nosso alcance, e ajudamos, ou somos ajudados, a conquistar os nossos objectivos.

Em ambos se elaboram planos, se tentam alcançar metas.

Em ambos  - jogo e vida real - temos, por vezes, meio mundo contra nós. Temos obstáculos. Temos barreiras.

Em ambos nos sentimos mais fortes, em determinados momentos, e vamos abaixo, noutros.

Mas em nenhum deles deveria haver agressões, seja elas físicas ou verbais, desrespeito, atitudes infantis e vingativas. 

Em nenhum deles deveria haver uma vitória, "espezinhado" os outros.

 

Quando se trata de reality shows, nomeadamente, o Big Brother, há sempre várias hipóteses: ou a pessoa está em personagem, ou encara o jogo como aquilo que é, um jogo, e vai delineando a sua estratégia que poderá passar por alternar entre si próprio e personagem, ou não, ou a pessoa assume, como muitos concorrentes fazem, que são eles próprios, e que mostram aquilo que são.

A julgar por esta actual edição, e se aquelas pessoas estão a mostrar aquilo que são, estão a mostrar que vale tudo por jogo.

Que o jogo está acima das "amizades", das relações, dos sentimentos.

Que o jogo está acima da imagem que possam passar cá para fora, e que as prejudica mais do que ajuda.

Que vale insultar, massacrar, humilhar, armar-se, viver em clima de constante guerra, desrespeitar, por dinheiro

E que vale, ao mesmo tempo, por vingança, acabar com o prémio pelo qual estão a lutar, deixando de fazer sentido continuar lá a fazer o que quer que seja.

 

Quando as pessoas começam a ficar perdidas, sem rumo, sem argumentos, sem nada que justifique as suas acções, então, se calhar, é melhor para para pensar no que está a fazer.

Ainda é ela própria? Ainda está em personagem?

Onde acaba uma, e começa a outra?

 

O que não se percebe, também, é aqueles concorrentes que se afirmam genuínos e, depois, a cada gesto irreflectido que fazem, que depois traz consequências, mostrarem-se arrependidos, e afirmar que não são aquela pessoa, que não são assim. Então, em que ficamos? São, ou não são? Ou é conforme convém?

Gosto de jogo limpo. Jogo sujo, nem tanto. 

 

E depois, há aqueles que apelam para que as pessoas que os criticam tenham alguma consciência do que dizem, e do que acusam, porque por vezes fazem críticas de mau gosto e acusações graves.

Pois eu diria para os mesmos, e para quem os defende, que essa consciência deve começar por quem tem as acções.

E que parece não medir, pesar, perceber o impacto e as repercussões que as mesmas podem ter, para si, e para quem os rodeia.

Será que compensa queimarmo-nos, por jogo e dinheiro?

 

Existe algum fio condutor na nossa vida?

Preparado-de-Algodão-Doce-Rosa-.jpg

 

"Há algum fio condutor na nossa vida ou ela é um emaranhado de acontecimentos sem sentido e sem relação entre si?"

 

A minha filha anda a dar religião, na disciplina de filosofia e, às tantas, leu algures no manual esta questão, perguntando a minha opinião. 

A primeira imagem que me veio à mente, ao ler a questão, foi a do algodão doce: também ele tem um "fio condutor" - a vareta - mas, ao mesmo tempo, o que o caracteriza é o "emaranhado de fios de açúcar", que se vão juntando uns aos outros e formando o conteúdo.

 

Acredito que existe um fio condutor, que nos guia, a partir do momento em que nascemos, e até morrermos.

Esse fio condutor pode traduzir-se na sociedade em que estamos inseridos, através das regras, conduta, deveres e direitos, responsabilidades. Sem elas, cada um faria o que lhe desse na real gana, e viveríamos numa espécie de anarquia.

Traduz-se na família, nos valores que nos transmitem, no seu apoio e orientação, no seu suporte e alicerce.

Traduz-se nos planos que traçamos, nos objectivos que nos propomos concretizar, nas metas que ambicionamos alcançar.

De alguma forma, consciente ou inconscientemente, há algo a que estamos "presos", ligados, e que nos mantém no trilho que aparentemente escolhemos, ou nos foi destinado.

 

No entanto, isso não significa que, a esse fio condutor, não se possam ir juntando acontecimentos, experiências, vivências, que nos acrescentam enquanto seres humanos.

Ainda que alguns façam sentido, e outros nem tanto.

Ainda que alguns tenham relação entre si, e outros, nenhuma.

Mal de nós se nos limitássemos a seguir o fio condutor da nossa vida, sem absorver mais nada. Sem complementar, sem viver o inesperado, sem ser surpreendido.

Somos eternos seres em construção, e haverá sempre espaço para mais, ainda que não estejamos a contar com isso, ou não o tenhamos previsto.

 

E, da mesma forma que, quanto mais fios se forem juntando à vareta, maior o algodão doce, também quanto mais acrescentarmos à nossa vida, mais rica ela se tornará. E melhor nos saberá vivê-la!

Até mesmo nas dificuldades e momentos menos bons, que dispensaríamos de bom grado.

 

 

 

O melhor momento para viver é o "agora"

O desafio de viver no presente – Matrika

 

Quando somos novos, depositamos todos os nossos pensamentos e planos no futuro.

O que há-de vir. 

Quando terminarmos os estudos. Quando entrarmos no mundo laboral. Quando formarmos família. Quando tivermos a nossa casa. E tantas outras coisas que idealizamos para o nosso futuro.

Por vezes, estamos tão focados nesse futuro, e tão ansiosos para que chegue depressa e saia tudo como planeámos, que nem aproveitamos o tempo que estamos a viver naquele momento.

Estamos lá fisicamente mas, mentalmente, já estamos mais à frente. Demasiado à frente.

 

Por outro lado, quanto mais os anos vão passando por nós, mais nos focamos nas memórias do que já vivemos. Nas recordações de tempos passados, de quando tínhamos isto, ou fazíamos aquilo.

De forma totalmente inversa, viramo-nos para o passado, esquecendo que, por muito que já tenhamos vivido, enquanto cá estivermos, não chegámos à meta, há sempre algo mais à nossa frente. 

 

O único momento em que não pensamos muito no que já passou, e nem queremos saber do que está por vir, encontra-se a meio do nosso percurso de vida.

Porque ainda não estamos na fase saudosista, de quem pensa que já não tem muito mais para aproveitar, nem na fase de ainda planearmos o futuro, que já percebemos que nem sempre corre como o imaginámos, e mais vale deixar as coisas acontecerem, sem grandes expectativas.

Por isso mesmo, para quem está nesse patamar de vida, o melhor momento para viver, é o "agora"!

Constatações

Resultado de imagem para fazer planos

 

Tenho que deixar de fazer planos para estas férias.

Percebi que, ultimamente, todos os planos feitos estão a sair gorados, um a um!

 

Era suposto termos, pelo menos, uma semana de férias juntos. Não conseguimos. Tive que tirar a semana antes. Quando eu estou de férias, está ele a trabalhar. Quando eu reentrar ao serviço, vai ele de férias.

Era suposto termos, pelo menos, dois dias juntos, que coincidiam com as minhas férias, e as folgas dele. Não conseguimos. Vai ter que fazer formação para renovar a carteira profissional, que vai ocupar também esses dois dias.

Era suposto ele ter esta sexta e sábado de folga. Não conseguimos. Um colega adoeceu repentinamente, e vai ter que ir trabalhar.

 

E jé nem faço planos para a praia, porque com este tempo, o mais certo é ficar por casa mesmo!

Sobre a passagem do ano

Passagem de ano na Ericeira

 

Era para ser uma passagem de ano a três - eu, a minha filha e a Tica, sentadas no sofá a ver um programa qualquer, provavelmente a comer pizza e bolo rei, e a brindar com sumo, com um bocadinho de sorte acordadas até à meia-noite, ou quem sabe na cama antes disso. O marido, iria estar a trabalhar. Tal como eu deveria ter estado nesse dia.

Afinal, o meu patrão deu-me a tarde para me ir preparar para essa noite tão especial. E a tarde estava mesmo a chamar-me para uma caminhada. Não me apetecia ir-me enfiar dentro de casa. Apetecia-me passear, inspirar ar puro, estar umas horas ao ar livre, apreciar o céu cinzento e a calmaria. Mas a minha filha não estava para aí virada, preferindo ficar em casa a ver televisão. Por isso, sentei-me a ler, com a nossa gata ao colo. Até à hora do jantar, que é como quem diz, até nos dar a fome.

Afinal, conseguiram que o meu marido não tivesse que ir trabalhar, e pudesse, finalmente, fazer uma passagem de ano connosco! E os planos foram totalmente alterados. Jantar no McDonald's, e depois ida à Ericeira para dançar e ver o fogo de artifício.

Lá saímos então, mas tive que voltar a casa porque a minha filha esqueceu-se do casaco. O McDonald's estava fechado, tal como a outra hamburgaria onde tínhamos pensado ir. Por isso, fomos logo para a Ericeira, tentar a sorte no Burguer Ranch. Chegámos, estacionámos e, 2 minutos depois, tivemos que voltar para casa porque aqui a esperta da menina Marta tinha-se esquecido da chave de casa na porta!

Não conseguimos sair do estacionamento, porque a máquina não estava a dar para pagar, e por isso demorámos ali mais um tempo. Felizmente, a chave continuava na porta, sem nenhum azar. Depois de uma viagem de ida a Mafra, e volta à Ericeira, pela segunda vez, já com o estômago a dar horas, tivemos sorte com o Burguer Ranch aberto, mas a abarrotar (o espaço também é muito pouco, por isso não é difícil encher).

Lá perguntámos a uma senhora que estava a ocupar uma mesa com a neta (penso eu), se nos poderíamos sentar nessa mesma mesa, no banco em frente. Apertadinhos, mas pelo menos sentados, lá comemos o nosso menu.

Seguiu-se uma ida até ao bar Neptuno, para um cafezinho e desejar um bom ano à nossa querida Cher e à filha Rute, que já conheço há vários anos. Pensei que estivesse mais cheio, e que houvesse por lá uma grande festa, mas até estava calminho, e a música era boa. E estávamos abrigados do frio! Além disso, depois do jantar, a minha filha ficou cheia de dores de barriga e aproveitou para se deitar um bocadinho no sofá.

Não é propriamente um bar que cative a malta nova de hoje em dia, estando mais virado para pessoal mais velho, famílias e amigos que querem algum sossego, ou divertir-se sem grandes confusões.

Ao fim de algum tempo, o meu marido quis ir espreitar como estava a festa no centro, e assim saímos para a rua, para nos sentarmos no banco da praça, de casacos bem apertados e carapuços na cabeça, à espera da música e do fogo de artifício. Por mero acaso, vimos por lá o antigo director de turma e professor da minha filha.

E porque estava a aproximar-se a hora, e toda a gente estava a ir para os lados da praia, também nós nos pusemos a caminho, para o tão esperado momento do fogo de artifício à meia noite. Pelas ruas, víamos pessoas com garrafas de espumante a postos para abrir.

Eu tenho um certo receio e nunca gosto de estar demasiado próxima do local do lançamento do fogo, por isso, escolhemos uma posição cá mais atrás. Mesmo assim, alguém se lembrou de levar uns foguetes e lançá-los no meio das pessoas, o que me fez fugir dali para fora!

Chegou então a meia noite. As rolhas saltaram, íamos sendo regados com o espumante de um homem que estava atrás de nós e começou o espectáculo, igual aos outros que costumam fazer. 

Sei que mudámos de ano, apenas porque o relógio me indicou que já era meia noite. E foi bom termos estado os três juntos, pela primeira vez, numa passagem de ano (nos outros anos, ou estou sozinha, ou estou sou eu com o meu marido, ou só com a minha filha).

Mas já não vivo da mesma forma que há anos atrás esta passagem de um ano para o outro, com uma grande festa, e como se de um grande marco se tratasse. 

Assim se passou, e cá estamos nós já em 2016, um ano que começou de forma bem cinzenta e chuvosa. Espero que não seja um mau presságio!