Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Há uma grande diferença entre não querer ter filhos e não poder ter filhos

Resultado de imagem para gravidez"

 

Não querer ter filhos, implica uma escolha. Uma escolha feita livremente, que naquele momento é válida mas que, a qualquer momento, pode ser revertida.

Quantas mulheres não dizem, durante anos, que não querem ter filhos. Que ser mãe não faz parte dos planos. Que não estão reunidas condições para tal. Ou não sentem esse apelo da maternidade. Ou acham que não serão boas mães.

Ainda assim, de um momento para o outro, tudo pode mudar, e dar lugar ao desejo de ter um filho.

 

 

Não poder ter filhos, significa que essa liberdade e poder de escolha nos foi vetado. Que algo decidiu por nós, e só nos resta aceitar uma decisão que não temos qualquer forma de reverter.

 

 

Quando era mais nova, meti na cabeça que nunca iria ter filhos. Não era nada muito pensado. Era apenas aquela ideia de que não teria paciência para aturar bebés e crianças birrentas.

Depois, tive a minha filha, e jurei que nunca mais voltaria a ter filhos.

Primeiro, porque não queria passar novamente pela experiência do parto. Depois, porque à medida que a minha filha ia crescendo, achei que não queria passar por todos os receios, angústias e preocupações outra vez. Nem mudar fraldas, nem passar noites sem dormir e todas essas coisas que um bebé implica. Sobretudo agora, que a minha filha já vai para os 16 anos.

E, porque até hoje, não têm existido condições para voltar a ser mãe, tanto a nível financeiro, como psicológico.

Um filho implica disponibilidade, tempo, atenção, que estejamos lá para eles, e isso é, cada vez mais, algo difícil hoje em dia.

 

 

Por isso, não ter mais filhos tem sido, até à data, uma decisão minha.

Mas a idade vai avançando, os anos vão passando e sinto que, a qualquer momento, essa deixará de ser uma decisão minha, que posso mudar, se assim o desejar, e passará a ser uma realidade irreversível, de quem está a entrar na menopausa e, como tal, não poderá mais ter filhos, nem opção de escolha quanto a esse assunto.

Por muito que queiramos, ou não, ter filhos, é sempre difícil aceitar que estamos condenadas a um prazo de validade, que nunca sabemos quando chegará - para umas chega mais cedo que para outras - e que nos vai limitar em algo que deveria sempre ser uma hipótese a não descartar, até assim o entendermos.

 

 

Quem é o grande culpado pelos males do mundo?

Resultado de imagem para mundo´

 

Testemunhas de Jeová - última parte da conversa

(que já ia longa e eu ainda tinha um alguidar de roupa à espera para estender!)

 

 

Sempre que se fala em Deus, há uma questão que vem sempre a lume: 

"Se Deus existe, e é tão bondoso e generoso, porque é que deixa morrer tantos inocentes, sem nada fazer para os salvar?".

E, acto contínuo, respondem-me sempre "mas não é Deus que faz as guerras, que mata as pessoas..."

Pois não! Mas também não faz nada para o impedir!

 

 

Disse-me, um dia, alguém, que havia uma luta constante entre Deus e o Diabo, e que a intenção era manter o equilíbrio. Se ninguém morresse, ou se todos morressem, tudo se desequilibraria.

Claro que, por vezes, a balança pende mais para um lado do que para o outro.

Imaginem alguém a tentar salvar várias pessoas ao mesmo tempo. Para acudir a uma, não consegue fazê-lo com outra.

Este raciocínio tem a sua lógica, e só perde consistência quando se apregoa aos quatro ventos que Deus é todo poderoso e omnipresente...

Adiante...

 

 

Nessa tarde, as senhoras perguntaram-me quem é que eu achava que era o grande responsável pelos males do mundo, e eu não hesitei em responder: o Homem!

Porque somos nós que cá estamos, somos nós, gananciosos, na ânsia de dinheiro e poder, que passamos por cima de tudo e de todos, que começamos as guerras, que matamos, que destruímos os nossos recursos, a natureza que nos rodeia, que provocamos, directa ou indirectamente, catástrofes como incêndios e outras resultantes de alterações climáticas, por obra da poluição para a qual todos os dias contribuímos, somos nós que, muitas vezes, provocamos acidentes, e por aí fora.

No fundo, somos nós, humanos, que cá vivemos, que não sabemos gerir aquilo que temos ao nosso dispôr, que não sabemos partilhar aquilo que conseguimos obter, que só nos preocupamos connosco e agimos naquela de "salve-se quem puder, de preferência, eu!".

Depois, existem, claro, aqueles fenómenos que ninguém sabe explicar, as ditas "causas naturais" pelas quais, eventualmente, ninguém será responsável.

 

 

Ora, assim sendo, tudo isto iliba Deus de qualquer responsabilidade nos males de que somos vítimas. E, não sendo responsável, também não tem por que resolver as coisas por nós.

Mas, lá volta a eterna questão:

"Se Deus existe, se é todo poderoso e omnipresente, se é justo, se é conhecido por castigar os maus, e proteger os bons, porque é que, na prática, não vemos isso?".

Porque é que continuam a partir os melhores, e a ficar por cá os piores? Porque é que o bem é premiado com a morte, e o mal, com a vida?

 

 

 

Nem de propósito, lembrei-me deste poema de Luís de Camões, que a minha filha tem no manual de português:

 

Ao desconcerto do mundo

Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado:
Assim que só para mim
Anda o mundo concertado.

 

Reflete ou não, a realidade dos nossos dias?!

 

 

 

O poder e influência podem transformar a mentira em verdade?

Resultado de imagem para mentira ou verdade

 

 

 

Testemunhas de Jeová - parte 3

 

 

No seguimento da discussão entre mentira e verdade no que respeita ao que foi escrito pelos nossos antepassados, não só no que respeita à Bíblia mas também à própria História, não tendo vivido nesse tempo mas, sendo os factos relatados nos livros não temos, à partida, do que duvidar no que respeita à sua veracidade.

Aceitamos que o que está escrito é o que realmente aconteceu, a verdade.

 

 

Mas também sabemos que, muitas vezes, e quando estão em causa determinados interesses, com o poder e a influência certos, sobre as massas, é possível transformar uma mentira, numa verdade absoluta e inquestionável. Até deixar de o ser...

Da mesma forma, uma pura verdade sem qualquer apoio, depressa se esquece, se torna um mito, se torna difícil de acreditar...

Fugitiva - a série

Resultado de imagem para fugitiva

 

Fugitiva é uma série (mais uma) espanhola, protagonizada pela conhecida actriz Paz Vega, que aborda a violência doméstica, entre as classes mais abastadas da sociedade.

É uma série que prende, que nos faz sempre querer ver o próximo episódio, que nos aguça a curiosidade, tanto pelo que aconteceu no passado, como pelo que irá acontecer no presente e futuro.

 

 

 

 

Se tivesse que definir esta série em duas palavras, seriam - confiança e medo.

 

Quando estamos sozinhos, e precisamos de ajuda, somos obrigados a confiar em alguém.

Por vezes, alguém que pouco ou nada conhecemos. E que tanto pode estar, de facto, do nosso lado, como nos tramar a qualquer momento. Mas, afinal, não o fazem, da mesma forma, aqueles que conhecemos bem, e em quem sempre confiámos?

Confiar em alguém torna-se ainda mais difícil, quando existe muito dinheiro envolvido, interesses, necessidades ocultas, chantagem ou qualquer outra razão para alguém mudar de lado, consoante lhe der na gana, e lhe for mais útil ou vantajoso.

 

 

Por outro lado, está o medo.

Mais forte ainda, quando associado ao poder, à manipulação, a ameaças, a violência contínua.

Como evitar o medo? Como ultrapassá-lo? Como ganhar força e coragem para nadar num mar de "tubarões", sem ser aniquilado por eles? 

Será que o medo nos limita, nos trava, nos impede de lutar ou, pelo contrário, pode ser o combustível, o impulso, a chave para mudar a nossa vida?

 

 

 

 

Resultado de imagem para fugitiva

 

Fugitiva é uma série sobre um mundo dominado pelos homens, em que eles mandam e desmandam, em que só eles são levados a sério, em que só a eles é destinado o poder. E sobre violência contra as mulheres. Ainda assim, essa tentativa de afirmação do feminismo, não é o que mais se destaca.

Como sempre, tento analisar as várias envolventes da história e, em Fugitiva, há muito mais a explorar.

 

 

Começando pela personagem Alejandro, homem de negócios, influente, poderoso, machista, sem escrúpulos. Alejandro tem uma personalidade muito complexa que junta, numa mesma pessoa, um pai que ama os seus filhos, mas desligado, e que pouco está com eles, um homem apaixonado e carinhoso que, ao mesmo tempo, é um agressor violento, um homem capaz de matar, que se serve das mulheres a seu bel prazer mas, ao mesmo tempo, alguém que é capaz de defender uma prostituta do seu chulo. Um homem frio que, ao mesmo tempo, parece ter coração. Um macho que, no fundo, vive agarrado às saias da mãe.

Confesso que, a forma como os episódios e a informação é apresentada, aliada a esta personalidade tão confusa, me levou algumas vezes, apesar de todas as evidências, a suspeitar se, na verdade, a sua mulher não teria imaginado ou inventado tudo aquilo.

 

Depois, temos Magda, mulher de Alejandro. A vítima. Ao longo de 20 anos, sofreu maus tratos, violência física e psicológica, mas manteve-se junto ao marido pelos filhos de ambos.

Até ao dia em que, por culpa dos actos do marido, no que respeita a negócios, vê os seus filhos ameaçados de morte. 

Aí, ela vai dar o primeiro passo, e livrar-se do marido, ao mesmo tempo que tenta proteger os filhos. Mas, como poderá uma mulher que sempre foi submissa, e que pouco conhece do mundo, levar até ao fim o seu plano, sem ser enganada, ou apanhada?

 

 

 

 

Resultado de imagem para fugitiva

 

Por fim, os filhos.

Tanto que há para dizer sobre eles.

 

Em primeiro lugar, como esperar que adolescentes obedeçam às ordens de uma mãe, sem as questionar, desafiar, contrariar?

Como esperar que filhos, que sempre foram protegidos da verdade em relação ao pai, se coloquem, de um momento para o outro, do lado da mãe, e contra o pai? A determinado momento, a avó diz para uma das netas "Nesta história, só há um monstro, e uma vítima. E vais ter que escolher um dos lados. Não podes ficar do lado dos dois ao mesmo tempo".

Como pensar que os filhos iriam aceitar uma fuga, sem ouvir o outro lado, sem explicar ao pai que estão bem, sem se revoltarem com os erros de ambos os pais, dos quais não têm culpa mas que, por eles, estão agora a pagar, ficando sem as suas vidas?

 

Como imaginar que três jovens, depois de um suposto sequestro, e ao se verem num paraíso, sem a segurança a que estão habituados, nem alguém a controlar os seus passos, fiquem presos num quarto de hotel, quando tudo está a acontecer lá fora?

Como esperar que adolescentes mimados, que sempre tiveram tudo na vida, saibam o quanto custa viver sem mordomias?

Como pensar que jovens que sempre viveram numa redoma, saberão agora enfrentar os perigos, livrar-se deles, defender-se sozinhos?

 

Entre a filha mais nova, campeã de ténis de mesa, o filho surdo na sequência de um acidente causado pela mãe, e a filha mais velha, mimada e que só faz o que lhe apetece, desafiando a mãe de todas as formas e colocando-se, várias vezes, na boca do lobo, vamos assistir a um despertar para a realidade, de cada um deles, da pior forma.

 

 

Lançadas as cartas, cabe a Magda a próxima jogada e, se no início, tudo se conjugava para uma vida de fugitiva, uma reviravolta pode levá-la a deixar de ser "a caça" e passar a ser "o caçador". Mas não é só o marido que Magda deve temer. Há alguém que a quer afastar, e aos filhos, de tudo, e alguém que quer que eles parem de se esconder, e possam viver livremente, sem temer mais ninguém.

Será esse o plano perfeito? Haverá algum plano perfeito? Ou pagarão todos bem caro pela impulsividade e coragem de Magda, com a própria vida?

 

A Rapariga no Gelo, de Robert Bryndza

Resultado de imagem para a rapariga no gelo

 

Foi a minha última leitura de 2017, e conseguiu surpreender-me!

Quando li um excerto, oferecido pela Wook, há uns meses atrás, fiquei com a sensação que não iria gostar muito, por ser mais do mesmo. Ainda assim, mesmo sem o interesse inicial, deixei-o ficar na lista de livros a adquirir.

Lista essa que facultei ao meu marido, para o caso de ele me querer oferecer algum livro. Havia uns que eu preferia mais, mas ele acabou por comprar este. E acertou!

 

O que mais destaco neste livro, é a forma como ele retrata o poder dos mais ricos, das pessoas mais influentes, de um nome, do dinheiro. E como esse poder pode controlar tudo e todos à sua volta, de acordo com os seus interesses, pisando, destruindo e eliminando quem se colocar no seu caminho.

Por vezes, a fome de poder é tão grande, e o receio de um escândalo tão temido, que se cometem os actos mais impensáveis, considerando-os meros "danos colaterais".

 

Andrea é filha de um dos homens mais poderosos e respeitados na região, oriunda de uma família rica que lhe permite ter tudo o que quer. Um dia, Andrea aparece morta, num local que não seria de esperar que frequentasse, dando início a uma investigação para a qual foi chamada a liderar a inspectora Erika Foster.

Quem não fica satisfeito com essa escolha é Sparks, que fará de tudo para voltar ao comando, descredibilizando qualquer teoria ou linha de investigação que Erika apresente. Erika também não dificulta essa tarefa, agindo muitas vezes por impulso, colocando em risco a sua carreira, que já se encontrava por um fio.

Ainda assim, ela acredita que está no caminho certo, e terá o apoio de Moss, Peterson e Isaac, ainda que o seu superior, Marsh, a tenha suspendido e afastado do caso, e pareça temer represálias vindas do pai de Andrea.

De facto, até na polícia e na justiça o poder exerce a sua influência, levando muitas vezes a corrupção, a injustiças, ao encobrimento da verdade, por "uma boa causa", para ninguém sair prejudicado, e continuar na sua vidinha, sem se chatear.

 

Andrea estava noiva de Giles, e parecia a mulher perfeita, mas vamos percebendo que não era bem assim. E se David, o seu irmão, parece defendê-la das críticas, já Linda, a irmã, parece não querer poupar Andrea, pouco se importando se ela está morta e não se pode defender.

E, por aqui, percebemos que esta é uma família que vive de aparências, não se conhecendo minimamente uns aos outros, nem se preocupando verdadeiramente uns com os outros, mas apenas consigo mesmos.

É acusado um homem pelo seu assassinato, mas depressa se percebe que era apenas um bode expiatório que a polícia precisava, para mostrar serviço. Com essa teoria caída por terra, e com a possibilidade de outros casos antigos estarem interligados com a morte de Andrea, Erika vai em frente, e leva para a esquadra vários suspeitos para interrogatório, tentando a sua sorte.

Mas o verdadeiro assassino, que a tem seguido de perto, e até já a tentou matar na sua própria casa, está uns passos à sua frente e, quando ela percebe quem é, poderá ser tarde demais, e não conseguir escapar, também ela, com vida, desta vez, tornando-se mais uma das "Raparigas no Gelo".

 

  • Blogs Portugal

  • BP