Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Pagar mais, por menos compras (em tempo de pandemia)

images (16).jpg

 

Notei isso no mês passado, quando fiz as compras do mês.

Por comparação, houve muitas coisas que não comprei da última vez e, ainda assim, gastei mais do que o habitual. É um facto.

Mas esta constatação não basta para afirmar, automaticamente, que isto aconteceu porque o hipermercado onde vou fazer compras aumentou os preços dos seus produtos, aproveitando-se da época de pandemia que vivemos.

Não quer dizer que não o tenha feito, mas é preciso verificar, com alguma certeza, a que se deve esse valor a mais no final da conta.

 

Na minha opinião, e experiência pessoal (cada um terá a sua), existem pelo menos cinco factores a ter em conta:

1 - A inexistência dos produtos habituais - imaginando que comprava um determinado produto por um preço mas, não havendo esse, sou obrigada a levar outro, que é mais caro e isso irá refletir-se no valor total

2 - A inexistência de promoções - o facto de, actualmente, não haver promoções faz com que tenhamos que pagar o valor normal, o que vai sempre aumentar a conta, ainda que não tenha havido, propriamente, um aumento do preço do produto porque, fora das promoções, o preço seria o mesmo

3 - O aumento efectivo dos preços - que também os há, e não se pode negar, ainda que tenhamos que perceber se esse aumento ocorreu apenas agora, ou já vinha de outros meses 

4 - Comprar mais quantidades - o facto de comprarmos uma maior quantidade de um mesmo produto, com receio de que viesse a escassear, algo que não faríamos numa situação normal

5 - Menor orçamento familiar - o menor rendimento disponível que, eventualmente, possa dar a impressão de que ficamos com menos dinheiro depois das compras feitas, ou que não podemos trazer tudo porque o dinheiro que temos não é suficiente, e precisamos dele para o resto do mês

 

Ainda assim, numa breve comparação, entre os meses de Novembro, Fevereiro e Abril, e entre uma lista de cerca de 20 produtos exactamente iguais, houve 3 que aumentaram em Abril, 1 que baixou, e os restantes mantiveram os valores habituais.

Convém salientar que esta comparação, a ser feita, tem que ser em produtos iguais, e no mesmo hipermercado porque, como é óbvio, cada hipermercado pratica valores diferentes, tal como produtos de marcas diferentes, têm preços diferentes, e volumes ou quantidades diferentes, obrigam a custos diferentes.

 

Certamente que os hipermercados que já eram mais baratos, continuam a sê-lo e, numa época em que os rendimentos tendem a ser menores, acabam por compensar e obrigar as pessoas a ir ao mais barato.

Tal como produtos de marca branca continuarão a ter preços mais em conta, que os produtos de outras marcas tornando-se, cada vez mais, a melhor opção.

E, da mesma forma, mesmo entre hipermercados da mesma cadeia, em diferentes localidades, os preços variam, tal como em diferentes postos de comércio local, em diferentes regiões. Como tal, não se pode aceitar a experiência de uma determinada pessoa, como sendo a regra geral. 

 

No próximo sábado vou novamente fazer compras do mês e, aí, conseguirei ter uma melhor noção das divergências que possam haver nos preços, em relação ao mês passado.

 

E por aí, têm notado esse "aumento"?

Costumam comparar os preços dos produtos?

 

A feira já não é o que era!

 

Longe vão os tempos em que, quem não tinha dinheiro para comprar roupa e calçado nas lojas, ia à feira tentar encontrar produtos mais baratos.

Hoje em dia, arriscamo-nos a ir à feira, e pagar o mesmo ou até mais que numa loja.

Por exemplo, na sexta-feira vi umas botas numa sapataria aqui da vila, que custavam 45 euros.

Ontem, estavam umas semelhantes (mas mais feias para o meu gosto) na feira, ao mesmo preço!

Comprei na sapataria umas botas a 20 euros, numa promoção de fim de colecção do ano passado. 

Na feira, as botas do género rondavam todas os 32/ 35 euros.

 

Penso que até as pantufas de pelo saíram-me mais baratas na Serra da Estrela, do que aqui.

Mas como não vou à Serra...

Chego à conclusão que, na maior parte das vezes, não compensa comprar na feira.

 

É quase como aquela ideia de que ir às lojas dos chineses sai mais barato. Nem sempre.

Uns collants de lycra no chinês, custam € 1,50. Numa loja aqui do centro, € 1,30.

 

Mas depois, temos aqueles achados que valem a pena!

Um conjunto de lençóis de flanela por 10 euros, quando noutra banca me tinham pedido quase 30. Se são de boa qualidade, não sei, mas entre as duas hipóteses, não variava muito.

 

E, depois, há a facilidade com que hoje se compra, até mesmo aquilo que não faz falta.

Quando eu era pequena, tinha que esperar que os meus pais recebessem o abono de família, trimestral ou quadrimestral, penso eu, para poder comprar alguma coisa para mim. E, como não era muito, tinha que escolher aquilo que precisava mesmo, e barato, para dar para mais alguma coisita.

Hoje, chegamos ali, vemos alguma coisa, gostamos, e acabamos por comprar. Mesmo sendo algo que dá jeito, mas que não era mesmo necessário. Há sempre dinheiro.

 

Antes, tínhamos que ir munidos com dinheiro para a feira. Hoje, já há muitas bancas que têm multibanco.

Antes, a feira era maioritariamente dos ciganos. Hoje, vemos proprietários de lojas que vendem nas feiras.

Antes, havia sempre GNR a controlar o que por lá se vendia, e ainda me lembro de alguns feirantes, a vender contrafação, andaram a arrumar tudo à pressa e a fugir. Hoje, nem sinal da polícia.

 

Antigamente, os feirantes não gostavam que andássemos por ali a mexer em tudo, e ficavam irritados se não levávamos nada. Hoje, dizem-nos para ver, experimentar e pegar à vontade!

 

Há uma banca em especial, em que acabamos por parar sempre, para azar da minha carteira. Já em várias ocasiões comprei lá casacos e camisolas para a minha filha. E ontem não foi excepção!

 

Das promoções do Continente

Resultado de imagem para continente

 

Num dia da semana passada fomos ao Continente comprar material escolar.

Aproveitei que lá estava, e comprei uma embalagem de croissants integrais, que já há meses não comia, e que estavam em promoção. A minha filha levou também uma embalagem de pão, e paguei estas duas coisas à parte, para não juntar com o material escolar, nem com a roupa.

Na altura achei caro, mas com três contas e vários sacos, nem liguei. Só em casa, ao ver o talão, e comparando com a embalagem dos croissants, percebi que tinha pago o preço normal, de € 3,20, e não o da promoção, de € 2,04. 

 

As operadoras de caixa dizem sempre, quando perguntamos pelo desconto, que os mesmos são no fim. Mas, mesmo assim, é preciso muita atenção. Ainda assim, aquilo intrigou-me, apesar de as máquinas também falharem.

No sábado, ainda antes de me dirigir ao Continente para reclamar, voltei a olhar para a embalagem, e então percebi o que se passou.

Na etiqueta da embalagem, com os ingredientes, validade e preços, vinha também a menção de que a promoção era válida até 22 de agosto. Eu tinha comprado os mesmos a 23, daí não ter assumido a promoção.

 

De qualquer forma, sendo uma promoção válida apenas até ao dia 22, o Continente não deveria ter aquelas embalagens à venda, no dia seguinte, com aquela indicação de promoção, fazendo publicidade enganosa. Deveria ter colocado nova etiqueta, com actualização do preço.

 

Felizmente, nem questionaram, e devolveram prontamente a diferença do valor pago a mais.

 

 

Circolandia em Mafra

 

Vai estar aqui por Mafra, de 27 de Fevereiro a 8 de Março, o circo Circolândia, que conta com as habituais exibições do palhaço Josef, da Sonia com a espada e o punhal, da Viviana no arco aéreo, e muitos outros números, inspirados nos desenhos animados do Ratatui e do filme Piratas das Caraíbas.

Para quem estiver interessado, o circo situa-se junto ao Continente, e os horários são os seguintes: 

Sextas - 21.30h

Sábados - 16.00h e 21.30h

Domingos - 16.00h

 

Preços a partir de 10€ (crianças) e 15€ (adulto). Mas atenção! Foram distribuídos vários convites destes e, quem tiver um deles, tem direito a uma promoção:

doc20150224194424_001 I.jpgdoc20150224194316_001 I.jpg

 

O bilhete das criança é gratuito desde que acompanhadas por um adulto com bilhete pago (válido apenas para 1 criança por adulto). 

 

 

Comprar roupa na Modalfa

transferir (2).jpg

Fui no fim de semana comprar roupa à Modalfa. Já tinha visto umas camisolas no Continente mas, antes de comprar, quis ver o que haveria na Modalfa. 

E não me arrependi! Tinha exactamente aquilo que procurava: camisolas de gola alta básicas, e camisolas grossas, também de gola alta, em cores giras, e a preços acessíveis. E tinha, ainda, o tamanho certo para a minha filha!

Pensei logo - vou levar uma destas camisolas para oferecer à minha sobrinha! Telefono para a minha cunhada, troco impressões sobre a cor preferida da filha e está resolvido.

Ou, pelo menos, achava eu que estava! Quando pergunto à funcionária se têm mais camisolas daquelas do mesmo tamanho, responde-me que não. Porquê? Não é porque já as venderam, mas sim porque só vem uma camisola de cada tamanho! E só quando se vende, é que mandam vir mais!

A sério?! Por esta é que eu não esperava! Logo por azar a minha sobrinha e a minha filha vestem o mesmo tamanho o que significa que, tudo o que comprava para a minha filha, já não podia comprar para a minha sobrinha.

É que até podia compreender que tivessem vendido, já que os preços convidavam a isso, mas só terem 1 tamanho de cada, em plena época pré natalícia e com estes preços, não se admite!