Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

E volta e meia, lá vêm os burlões tentar enganar mais alguém!

Resultado de imagem para burlas iberdrola

 

Há umas semanas, tinha acabado de almoçar, em casa da minha mãe, quando fui à minha casa levar umas coisas. Na volta, vi dois homens, de pastinha na mão, a bater à porta das vizinhas. 

Avisei a minha mãe, para que esta não abrisse a porta, se lá fosse alguém bater. Voltei à minha casa para levar uma encomenda.

Ainda por ali andavam e, um deles, ao ver-me dirigir a uma casa, aproveitou e veio logo falar comigo.

 

 

Com muita (demasiada) simpatia, lá disse o nome, perguntou-me como estava, e explicou que andavam ali a falar com os moradores, para saber se estavam a pagar uma taxa qualquer (não fixei) que se aplica ao gás natural e à electricidade.

Perguntou-me se eu pagava essa taxa, e disse-lhe que não fazia a mínima ideia.

Perguntou-me se eu tinha gás natural. Respondi-lhe que não.

"Ah pois, então assim só deve pagar na conta da electricidade."

Voltei a responder que não fazia ideia.

E foi aí que ele se saiu com a frase mágica "ah e tal, se tiver aí uma factura, podemos ver já isso"

"Pois, neste momento não posso ver isso, estou com pressa, só vim deixar aqui isto e tenho que voltar ao trabalho."

"Ah e tal, mas não demora mais do que 5 minutos!"

"É como lhe disse, agora não posso. Depois vejo isso e, se for o caso, logo se vê."

E lá se foi embora, agradecendo, e dirigindo-se à próxima porta.

 

 

Em primeiro lugar,  apenas disse o nome, e nem sequer referiu de que empresa era, ou sequer explicou o que era a tal taxa de que estava a falar.

Suponho que fosse da Iberdrola, ou da Endesa, que são as que costumam actuar por aqui embora, na maioria das vezes, omitam essa informação e apenas façam menção à EDP.

Em segundo lugar,  já se sabe o que eles pretendem fazer com a nossa factura na mão. E não é boa coisa! Normalmente, retiram os nossos dados e, quando menos esperamos, passamos a ter um qualquer contrato com outra empresa, sem sabermos.

 

 

À porta de uma vizinha, foram os dois. Enquanto ela mostrava a factura e ia respondendo às perguntas, o outro tomava notas. Quando se apercebeu disso, e como já tinha sido enganada uma vez, mandou-os embora. Não se sabe se a tempo de evital males maiores.

À minha mãe, também foram, mas ela nem sequer abriu, escaldada que está, e de sobreaviso.

 

 

A forma de actuar é quase sempre a mesma.

Pedem a factura, com a desculpa de que querem ajudar as pessoas a poupar, a pagar menos, com a oferta de descontos ou outra do género, e preenchem formulários de adesão com os dados da pessoa.

Por norma, costumam dizer que fica tudo igual, mas passam a pagar menos no final do mês. Não explicam que a pessoa deixa de ter contrato com determinada empresa, e passa a ter com outra.

No fim, pedem à pessoa para assinar o formulário para ter direito à ofertas/ promoções ou, por vezes, com a desculpa de que é só para os superiores saberem que a pessoa tomou conhecimento e que eles fizeram o seu trabalho.

 

 

Dias depois, a pessoa, através de carta ou outro contacto, fica a saber que o seu contrato mudou para outra empresa, quando nunca fora isso o pretendido. 

E são problemas e chatices a dobrar, a partir daí, para reparar os erros e voltar a repôr tudo como estava antes.

 

 

Por isso, nunca é demais relembrar (até mesmo para os mais novos e melhor informados):

- se vos baterem à porta e virem pessoas a pares, ou uma sozinha com uma pasta na mão, e desconfiarem, optem por não abrir a porta, sobretudo se estiverem sozinhos

- se por acaso abrirem, e estiverem acompanhados, peçam ajuda a alguém que esteja convosco, em caso de dúvidas; se estiverem sozinhos, apenas oiçam, fiquem com o contacto e digam que ligarão mais tarde

- nunca, mas mesmo nunca (a não ser que estejam bem informados e cientes do que querem), dêem qualquer factura para a mão dessas pessoas, ou forneçam informações vossas, que possam vir a ser usadas indevidamente

- nunca, mas mesmo nunca (a não ser que estejam bem informados e cientes do que querem), assinem qualquer documento que vos peçam para assinar

 

Resultado de imagem para burla

Qual a idade certa para a primeira consulta de planeamento familiar?

Resultado de imagem para consulta de planeamento familiar

 

Muitas mães, e pais, pensam que os filhos são sempre pequenos e só pensam nos amigos, brincar e pouco mais. Sobretudo, as filhas.

"Ah e tal, ainda é muito nova para pensar em namoros. Ah e tal, ela é certinha. Ah e tal, se houvesse alguma coisa, eu sabia."

 

Pois as miúdas começam cada vez mais cedo a pensar em rapazes, em curtir, namorar ou seja lá o que for. Ainda mais se têm amigas mais velhas que já o fazem.

Hoje em dia, com a internet, com os colegas ou com a própria escola, elas já sabem mais do que nós, na idade delas. E os pais vêem aí a possibilidade de escapar a certas conversas, porque já há quem o faça por eles. 

Levar as filhas a uma consulta de planeamento familiar? Nem pensar, alguma vez! Isso é para quem está a pensar ter filhos! Para muitos, levar uma miúda de 12/13 anos a uma consulta dessas, é a mesma coisa que estar a dar permissão para que ela inicie a sua vida sexual, é estar a incentivar ao sexo na adolescência.

 

Mas é um pensamento errado. 

A consulta de planeamento familiar não é exclusiva para futuras mamãs, nem tão pouco serve exclusivamente para entregar preservativos e pílula grátis.

É uma consulta aconselhada logo que os adolescentes atingem a puberdade, e que pode ajudar a lidar com as mudanças no corpo, que esta fase implica.

E sim, pode ser uma forma de, sobretudo as adolescentes, esclarecerem dúvidas, de se informarem e prevenirem de forma consciente, ainda que, por vezes, nada disso evite que haja gravidezes não desejadas, abortos e transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

 

Mas isso não é desculpa para descartar a consulta, como algo que não serivá para nada. E se bem não faz, mal também não há-de fazer.

Distribuição de preservativos nas escolas

Resultado de imagem para preservativos nas escolas

 

A pergunta de ontem do Sapo era:

"Concorda com a distribuição de preservativos grátis nas escolas?"

 

E eu, com toda a sinceridade, respondi "não sei". Porque, de facto, não sei se isto será boa ou má ideia.

Até porque a questão principal não passa por aí, mas sim muito antes disso.

 

Concordo que deveria haver uma disciplina de educação para a sexualidade nas escolas. Inventam tantas disciplinas para preencher horário, que não fazem qualquer sentido, nem têm qualquer utilidade. Esta seria, sem dúvida, muito mais importante.

A verdade é que os jovens têm curiosidade em saber mais, e em experimentar mais, cada vez mais cedo.

No tempo dos meus pais, sexo só depois do casamento, e já na idade adulta. 

No meu tempo, isso era coisa em que começávamos a pensar aos 16/ 17 anos. Uma ou outra, inclusive, ficava grávida.

Hoje, vemos adolescentes de 14/15 anos a namorar. Namorar é uma maneira de dizer - andam aos beijos com um, ficam interessadas e falam com outros. Outras há que avançam mais, seja por vontade própria, seja por estarem iludidas com falsos amores e promessas vãs, seja para ser aceite, ou por se ver forçada.

Pior, vemos crianças de 11/12 anos, a quererem fazer e experimentar, o que estes adolescentes de que falei antes, precocemente, fazem.

Vemos crianças/ adolescentes a engravidarem cada vez mais cedo, a abortarem cada vez mais, a utilizarem de forma errada os métodos de contracepção disponíveis (ou a não utilizarem sequer), e a utilizarem a pílula abortiva como método recorrente de contracepção.

E, claro, no meio de tudo isto, a falta de protecção e possível transmissão de doenças sexuais.

 

Por isso, se me perguntarem se é urgente uma disciplina que os elucide, que os informe, que lhes explique os prós e os contras, que os aconselhe, que os previna, e que funcione como acréscimo ao trabalho dos pais nesse sentido, concordo. 

Agora, até que ponto distribuir preservativos de forma gratuita pelos estudantes - e aqui penso que a ser cumprido, deveriam também distribuir a pílula - não será uma forma de incentivo, de mascarar o verdadeiro problema, não sei.

Mas, entre o não fazer nada, e algo de pior acontecer por falta de medidas destas, e o poder evitar males maiores com elas, ainda que sejam insuficientes, acho que é preferível a primeira opção.

 

Imagem www.sabado.pt

À Conversa com Mário Silva - APCOI

 

Já aqui falei algumas vezes sobre a obesidade infantil e os perigos para a saúde que daí advêm, mas nunca é demais relembrar que, no mundo, cerca de 155 milhões de crianças têm excesso de peso ou são obesas, dos quais 43 milhões em idade pré-escolar. São números alarmantes, para os quais contribui também o nosso país, que está entre os países europeus com maior número de crianças com excesso de peso ou obesas.

Para combater a obesidade infantil, nem sempre a intervenção dos pais, em casa, é suficiente. Os pais têm um papel fundamental, no sentido de educar para uma alimentação mais saudável e incutir aos filhos, desde cedo, a prática de bons hábitos alimentares dando, eles próprios, o exemplo.

 

Mas esta intervenção deve ser complementada pelas diversas entidades que lidam com as crianças, e que fazem parte do meio em que a mesma se desenvolve como, por exemplo, a escola que frequentam.

Para ajudar nesta missão nasceu, em Dezembro de 2010, a APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, uma organização sem fins lucrativos cujo objectivo passa por promover a saúde das crianças e combater o sedentarismo, a má nutrição, a obesidade infantil, e as doenças associadas, através da organização de diversas campanhas e eventos, alertando para a problemática da obesidade infantil em Portugal.

 

Tomei conhecimento desta associação através da nossa participação na última Corrida da Criança, no Estoril, que todos os anos reúne a família (miúdos e graúdos), para uma corrida solidária que, para além de ajudar as crianças abrangidas pela associação, visa também o combate ao sedentarismo e promoção da prática de exercício físico, num ambiente de festa e convívio.

Para nos falar um pouco mais sobre a APCOI, tenho hoje como convidado o seu Presidente e Fundador, Mário Silva, que gentilmente aceitou o convite para esta entrevista, e a quem desde já agradeço a disponibilidade.

 

 

 

Começo por perguntar, como nasceu a APCOI?

Um dia, depois do trabalho, algures durante o ano de 2009, estava na fila do supermercado. À minha frente estava um menino, que devia ter menos de 10 anos. Era claramente obeso e tentava convencer a mãe a comprar-lhe uma embalagem de um snack que prometia oferecer um cromo no seu interior, recorrendo a todos os argumentos possíveis. A mãe dizia-lhe que não ia fazer-lhe bem, que não podia comer aquelas guloseimas. Mas não resistiu à pressão do filho e comprou-lhe o snack. O produto tinha elevado teor de açúcar, gordura e sal, pelo que iria sem dúvida contribuir para agravar o estado de saúde já debilitado daquela criança. E quem seria um dos principais culpados? Eu. Na altura, trabalhava na agência de marketing infantil que tinha desenvolvido aquela promoção, tal como tantas outras que tinham como única finalidade aumentar as vendas destes produtos nocivos. Foi uma chamada de atenção que despertou para a dura realidade da obesidade infantil que é considerada atualmente a maior epidemia não contagiosa do mundo e em Portugal não é diferente, uma em cada três crianças tem excesso de peso! Depois de me deparar com esta realidade, foi impossível continuar a trabalhar para vender produtos que danificam a saúde das crianças... daí até fundar a APCOI foi apenas um pequeno passo.

 

Que projectos tem a APCOI, neste momento, a decorrer?

Este ano de 2016 vai ser muito marcante, porque é um ano de muitas surpresas. Continuamos a crescer com o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» que já conseguiu melhorar os hábitos alimentares de mais de 200 mil alunos em todas as regiões do país e é atualmente considerada a maior iniciativa escolar gratuita de educação para a saúde a nível nacional. Para celebrar este sucesso, queremos levar a marca «Heróis da Fruta» para outros públicos, através de eventos especiais e até de edições limitadas de produtos em parceria com diversas entidades selecionadas. Vamos ter muitas novidades em breve, uma delas acabou de ser lançada e chama-se «Missão 1 Quilo de Ajuda». É a vertente mais solidária do nosso projeto escolar e consiste na oferta semanal de cabazes de fruta nas escolas para apoiar o reforço alimentar e a inclusão social dos alunos mais carenciados do país.

 

Em 2012 a associação inaugurou o 1º Centro de Prevenção da Obesidade Infantil em Portugal. A quem é que se destina este centro, e que actividades costuma desenvolver?

É o nosso centro de operações, onde trabalham os nossos especialistas em saúde infantil, cientistas e investigadores e a restante equipa que apoia cada um dos projetos da APCOI. Quando foi inaugurado em 2012, nasceu também com ele um projeto-piloto de acompanhamento de famílias com crianças com excesso de peso que ultrapassou todas as expectativas, tendo uma lista de espera de muitos meses, e por isso mesmo, já este ano, o modelo vai ser estendido a todo o país, através de uma parceria que nos permitirá dar esta resposta às famílias em 18 locais em todo o território nacional.

 

Considera que ainda há um longo caminho a percorrer na prevenção e combate à obesidade infantil?

Sim, é um trabalho contínuo. Utilizando a linguagem dos «Heróis da Fruta», a nossa missão nunca acaba, temos de continuar a espalhar a magia da saúde, todos os dias para que esta chegue ao maior número de crianças! Na verdade, a única forma de garantir que este problema de saúde pública está controlado é manter um elevado nível de prevenção, através da realização sistemática e consistente de programas de educação para a saúde, como no caso do projeto «Heróis da Fruta».

 

Esse caminho passa, essencialmente, por uma mudança de mentalidades?

Sem dúvida! Para lhe responder a esta pergunta, vou contar-lhe uma pequena história: Os primeiros «Heróis da Fruta» do mundo, a Sushi e o Yago, são dois irmãos que decidiram iniciar uma empolgante missão: devolver ao mundo o conhecimento sobre a alimentação saudável que a Madame Ganância fez desaparecer. Nos últimos anos, têm percorrido o país à procura de outras crianças que queiram aprender como se podem transformar em verdadeiros super heróis a defender a sua saúde e a saúde de todos à sua volta. Ao longo da sua aventura, os "Heróis da Fruta" vão saborear todos os dias alimentos saudáveis nas suas refeições, vencer desafios e jogos incríveis, receber prémios fantásticos e aprender a usar a magia da música para fazer chegar mais longe a sua missão: ensinar tudo isto aos adultos, mesmo àqueles que dizem já não ter idade para mudar os seus velhos hábitos.

 

Devido ao estilo de vida que a sociedade actual leva, existe hoje um maior número de crianças com excesso de peso ou obesas, em relação há uns anos ou até décadas atrás? Ou esse número já existia, mas só agora, devido a uma maior preocupação e um estudo mais aprofundado, é possível chegarmos a ele?

É um facto houve um aumento de excesso de peso na população, não só infantil, devido ao estilo de vida atual que se instalou na nossa sociedade nos últimos 30 anos. Aliás, sabemos hoje que nos últimos 33 anos, a taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo. Esta é a conclusão muito recente de uma das maiores revisões de todos os estudos sobre este problema em todo o mundo. No entanto, acho que também se tem vindo a falar mais de excesso de peso nos últimos anos, porque há uma maior preocupação da população em geral em relação a este assunto. Na minha opinião, o facto de a ainda primeira-dama dos EUA ter abraçado e defendido esta causa com todas as suas forças, colocou o mundo a olhar para este problema com maior frequência. Em Portugal, desde a criação da APCOI em 2010, todas as semanas se fala de obesidade e excesso de peso nos meios de comunicação social. Só para lhe dar um exemplo, desde o ínicio de janeiro já foram publicadas mais de 200 notícias em Portugal sobre a APCOI ou sobre os nossos projetos. Penso que é muito positivo falar-se do problema para acabar com mitos e preconceitos que contribuiem para o sofrimento de tantas crianças. É importante informar. Só com informação e conhecimento proveniente de fontes fidedignas é que conseguimos melhorar a vida e a saúde das crianças.

 

É um facto que, hoje em dia, existe uma maior preocupação por parte da sociedade em geral, das diversas entidades às quais estamos directa ou indirectamente ligados, e dos pais em particular, no que respeita à promoção de uma alimentação mais saudável e prática de exercício físico. No entanto, continuamos a ter números alarmantes de crianças com obesidade infantil. Como é que se explica essa contradição?

A taxa de obesidade infantil aumentou 47% em todo o mundo nos últimos 33 anos, mas apenas nos últimos 5 ou 6 anos se tem vindo a assistir a essa maior preocupação da população em geral em relação aos seus hábitos diários. No entanto, a realidade mostra-nos que será necessário algum tempo e uma boa dose de persistência para passarmos da consciência à prática para conseguirmos controlar este problema. Em 2009, por exemplo, antes de fundar a APCOI, procurei por uma instituição na qual pudesse fazer voluntariado com crianças na área da promoção de alimentação saudável e exercício físico e não existia nada assim em Portugal. As organizações ligadas à obesidade estavam sobretudo vocacionadas para o estudo científico do problema ou para o tratamento cirurgico e direccionados principalmente para a obesidade na fase adulta. A APCOI foi de facto a primeira associação sem fins lucrativos a dedicar-se totalmente à prevenção da obesidade infantil em portugal. Hoje chegam-nos muitos pais que nos dizem que já fazem uma alimentação saudável lá em casa e que os filhos praticam desporto e que realmente não percebem porque é que as crianças continuam a aumentar de peso. Quando em conjunto com os nossos especialistas analisam a alimentação diária da família, na maioria das vezes percebem quais os erros que estão a cometer e que estão a contribuir para o aumento de peso.

 

Considera que a correria em que as famílias vivem e a falta de tempo são argumentos válidos, ou são apenas uma desculpa para justificar os erros alimentares que se cometem regularmente, bem como o sedentarismo?

Num dia de semana habitual, trabalho cerca de 10 horas, tenho que cozinhar pelo menos duas refeições em casa e ainda ter tempo para as deslocações. Há três meses obrigo-me a praticar uma atividade física duas horas por semana. Agora chego a casa todos os dias exausto e não tenho crianças pequenas. Por isso, compreendo perfeitamente que não são apenas desculpas, é de facto o ritmo atual das famílias que lhes deixa muito pouco tempo livre e que as leva a procurar com frequência soluções rápidas e práticas para as tarefas diárias, nomeadamente para a alimentação. Realmente, não é possível ter tempo para tudo, mas por isso mesmo temos de dar prioridade ao mais importante. Em vez de ficarmos no sofá durante uma ou duas horas antes de ir para a cama, podemos perfeitamente ir dar uma caminhada a pé em família ou preparar as refeições do dia seguinte para que possamos ganhar tempo que nos permita praticar uma atividade física depois do trabalho ou para levar as crianças ao parque infantil depois da escola. A nossa força de vontade é capaz de superar todas as dificuldades, sobretudo se for a saúde das crianças que está em risco. Mas é claro que até os melhores pais do mundo por vezes precisam de ajuda para tornar a sua família mais saudável e a APCOI está cá para apoiá-los no que for preciso.

 

Em Outubro de 2015 arrancou a 5ª edição do projecto “Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável” desenhado especialmente para jardins-de-infância e escolas básicas do 1º ciclo. Como é que as escolas encaram este programa? Têm tido uma boa aderência por parte das mesmas?

Depois do sucesso das edições anteriores que envolveram no total 183.395 alunos, no ano letivo 2015/2016 participam no projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável», 52.832 alunos de 2.607 turmas, de 875 jardins de infância e escolas básicas do 1º ciclo de todos os distritos do país, incluindo as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» é atualmente o maior programa gratuito de educação para a saúde de âmbito nacional, com uma das maiores taxas de sucesso de sempre em reeducação alimentar infantil em Portugal: está estatísticamente comprovado que a aplicação do modelo pedagógico dos «Heróis da Fruta» aumenta em pelo menos 42% o consumo de fruta diário das crianças que nele participam. Além do incentivo ao consumo de fruta nas quantidades recomendadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde), o projeto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» leva também às crianças lições importantes sobre alimentação saudável, higiene oral, atividade física, economia e poupança, respeito pelo ambiente e bem-estar emocional, que as ajudam a crescer saudáveis, ativas e felizes. As escolas adoram este projeto e pedem-nos todos os anos para visitarmos cada vez mais escolas, algo que só podemos concretizar graças aos nossos parceiros. Aliás, o apoio de empresas preocupadas com a saúde das crianças em Portugal como o Clube Pelicas da Associação Mutualista Montepio, Fábrica de Óculos do Cacém, Aquafresh, Fruut, Vitacress, Holmes Place, Jumbo, Maçãs de Alcobaça, Águas do Vimeiro, Konica Minolta e a Portugal Telecom, é fundamental para conseguirmos oferecer gratuitamente esta experiência mágica e tão necessária a cada vez mais crianças.

 

Podemos contar com uma nova edição da Corrida da Criança em 2016?

A Corrida da Criança é um projeto muito querido por todos os públicos: as crianças, as famílias, a nossa equipa, todos os voluntários e as empresas que com ele colaboram. Mas é uma ação de sensibilização que acontece apenas uma vez por ano. Sentimos que precisamos de dar prioridade às ações que cheguem ao maior número de pessoas e que tenham âmbito nacional. Por essas razões não teremos uma nova edição da Corrida da Criança em 2016, mas este projeto vai ter continuidade noutros formatos, já este ano vamos ter novidadades em várias cidades do país. Fiquem atentos!

 

Que tipo de ajuda mais precisa a APCOI neste momento, e de que forma pode, quem nos está a ler, contribuir?

O nosso maior desafio diariamente é a escassez de recursos financeiros. Por sermos uma organização não governamental, independente e totalmente financiada por empresas e particulares necessitamos de toda a ajuda possível. Quem nos está a ler poderá ajudar-nos de várias maneiras: tornando-se voluntário, contribuindo assim com o seu tempo livre para esta causa; tornando-se associado, apoiando o trabalho da APCOI com uma quota anual; ou ainda oferecendo um donativo pontual de qualquer valor que será canalizado diretamente para um dos nossos projetos. Neste momento, queremos expandir a entrega semanal dos cabazes de fruta da «Missão 1 Quilo de Ajuda» a mais crianças carenciadas, temos mais de 100 candidaturas e só conseguimos dar resposta a 10 escolas neste momento, pelo que precisamos de muitos apoios. Uma forma simples de contribuir para este projeto é fazer uma chamada para o número de telefone 760 450 060 (custo 0,60€ + IVA) que reverte na totalidade para a entrega de cabazes nas escolas, o nosso lema é: 1 telefonema solidário = 1 lanche saudável.

 

Mário, mais uma vez, muito obrigada por nos ter proporcionado esta “conversa”. Que a APCOI continue a lutar pela saúde das nossas crianças e a desenvolver o extraordinário trabalho como têm vindo a fazer até aqui!

 

Podem saber mais sobre a APCOI e os seus projectos em:

www.apcoi.pt

www.heroisdafruta.com

www.corridadacrianca.com

 

Crianças em risco

Imagem lusonoticias

 

 

“Ruth era a professora. Daniel, o aluno. Um dia, ele adormeceu na aula. Os colegas começaram a gozar com ele. A professora impôs-se, e avisou que não o iria admitir. Ela viu para além do que estava visível. Corajosa e determinada, Ruth foi falar com o irmão de Daniel, que vivia em péssimas condições, e ofereceu-se para ajudar o menino. Não foram apenas aulas depois do horário de aulas. Foram vários os dias passados a dar a Daniel a educação que mais ninguém lhe deu, roupa, comida, uma casa e, acima de tudo, o amor de uma verdadeira família. Ruth nunca tivera filhos. Daniel era como um filho. E para os filhos, quer-se sempre o melhor. Foi por isso que sempre lhe disse que, quando crescesse, Daniel poderia ser o que quisesse, e que deveria lutar pelo seu futuro e pelos seus sonhos. Infelizmente, o irmão de Daniel exigiu que Ruth lhe entregasse de volta o seu irmão. Foi uma separação dolorosa, ainda mais sabendo que o pequeno iria voltar a sofrer às mãos daquela gente. Mas nada se podia fazer…No entanto, soube-se mais tarde que Daniel que tornou professor, tal como Ruth!”

 

Esta é apenas uma história, com um final feliz. Mas poderia ser a realidade de muitas crianças. E cada um de nós pode fazer a diferença na vida de uma criança, se assim o desejarmos.

Crianças em risco sempre existiram mas, felizmente, existem hoje mais meios e formas de prevenir, ou intervir, de modo a ajudar essas crianças.

É óbvio que existem entidades próprias que atuam na prevenção e intervenção, mas cabe também a cada um de nós, enquanto cidadão(ã), dar o nosso contributo, antes que seja tarde demais.

Como?

Oferecendo a nossa ajuda das mais variadas formas, consoante os casos e as necessidades das crianças em risco.

Quantas crianças não tomam as suas refeições em casa da família de amigos ou vizinhos. Mas o apoio pode vir através de fornecimento de material escolar, vestuário ou medicamentos, por exemplo.

Denunciando situações de risco - para além de um dever cívico, a comunicação de situações que ponham em risco a vida, e a integridade física ou psíquica da criança, constitui uma obrigação de todos os cidadãos, de acordo com a Lei de Proteção de Crianças de Crianças e Jovens em Perigo.

As comunicações ou denúncias poderão ser feitas junto da CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) da área de residência, junto de entidades policiais como a GNR ou PSP, ou ainda junto dos tribunais.

 

O artigo foi escrito para a Blogazine, e poderá ser lido na íntegra aqui (pág. 16/17).

  • Blogs Portugal

  • BP