Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

The Voice Portugal - 3ª ronda de provas cegas

A terceira ronda das provas cegas ficou marcada por caras já nossas conhecidas, como foi o caso do João Wilson e da Carolina Cardetas.

 

72569478_2963566606990976_3459593670141935616_o.jp

 

 

O primeiro, vimo-lo há alguns anos numa das edições do Ídolos.

Penso que, na altura, não passou. Desta vez, foram vários os elogios à sua voz, talento e qualidade. É a prova de que, nem sempre, somos ouvidos no momento certo, pelas pessoas certas, e nem sempre aquela oportunidade é a que tínhamos que agarrar.

 

 

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em palco, pessoas em pé e concerto

 

A segunda, já participou no The Voice Kids e outros concursos, e já começou a trabalhar nas suas próprias músicas tendo, inclusive, participado aqui no blog, na rubrica À Conversa Com.

 

 

Não gostei:

Apesar de dar para perceber que existe ali muito talento, não gostei do que os Little Mess fizeram à música do Gotye. Arruinaram-na completamente.

Já o Rodolfo cantou melhor a música do Zambujo, que a da prova cega.

 

 

Em destaque:

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas a dançarem, pessoas em palco e pessoas em pé

Rita Rice

Margarida Andrade

Carolina Pinto

 

 

Por mim, não passava:

Júlia Ribeiro

 

 

Merecia passar:

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e chapéu

O Alexandre - ao contrário dos Little Mess, cantou a sua versão, valorizando a música, e deu um show! Versatilidade não lhe falta.

 

 

A minha dúvida:

A Flaviana - gostei da voz, mas não gostei especialmente da forma como interpretou a música.

 

 

Quando a timidez, a idade tenra e os nervos se juntam para atrapalhar, mas se antevê futuro:

A imagem pode conter: 2 pessoas

 

O Rafael - ele estava tão concentrado a cantar, e em não falhar, que quase nem se mexia. Achei o timbre parecido com o original, gostei de o ouvir cantar com o Diogo Piçarra, só lhe falta mesmo confiança, mais atitude e adquirir mais alguma experiência, porque voz e imagem já tem.

 

 

 

Imagens: The Voice Portugal

 

A estreia de mais um The Voice Portugal

71402762_2892010337479937_2675187575076945920_n.pn

 

"A edição de todas as surpresas", como lhe chamam começou com a não tão grande surpresa que é a estreia de dois novos mentores: Diogo Piçarra e António Zambujo.

E é já por eles que vou começar.

 

 

 

70790676_2869143009766670_4414538524095676416_n.jp

Diogo Piçarra - não sei se foi por lhe ter calhado a cadeira do Mickael, ou se foi uma transmissão de vícios do tempo em que trabalharam juntos, numa outra edição, mas lá estava o já habitual carregar no botão com o pé, à Mickael!

 

 

 

69868876_2874864445861193_4095914266412974080_n.jp

António Zambujo - foi impressão minha, ou parecia que era um educador no Jardim de Infância? Ele era "Joana come a papa...", ele era "Sebastião come tudo...", e até mesmo a forma de falar com os concorrentes, como se fossem criancinhas. Não gostei. Volta, Anselmo Ralph! Por outro lado, pareceu-me que ele está a procurar alguém com um estilo muito semelhante ao seu, o que nem sempre será fácil.

 

Aurea e Marisa, são aquilo a que já nos habituaram, tal como a Catarina e o Vasco, sem novidades (à excepção do corte de cabelo radical da Aurea que, palpita-me, outra etapa do programa já estará maior)!

 

 

Poupem-me certos comentários

Não é que não estejamos já habituados à conversa da treta mas, que t6al começarem a ser honestos, para variar?

É que vem um concorrente e não vira cadeiras porque "ah e tal, os nervos atrapalharam, desafinaste, não estavas no teu melhor...". A seguir vem outro e vira cadeiras, com os mentores a dizerem "desafinaste um pouco, é dos nervos, é normal, mas vem para a minha equipa...".

 

 

 

A participação de bandas

Em outras edições, tivemos duetos e trios a concorrer. Desta vez, a supresa é a participação de bandas.

E estou curiosa para ver como é que os mentores vão fazer a escolha entre um concorrente sozinho, e uma banda, por exemplo, nas batalhas.

Será um duelo justo?

Sendo o programa "A Voz de Portugal", o que/ quem vão avaliar na banda? Apenas o vocalista?

 

 

 

Prova cega cheia de talento e muita interacção com os mentores

Esta foi a primeira prova cega, e não podia ter começado da melhor forma, com a maior parte dos concorrentes a mostrarem grande talento.

A Marisa, que é sempre tão selectiva, já tem 5 concorrentes na sua equipa, só nesta prova cega.

Houve ainda tempo para alguns candidatos mostrarem originais seus.

Para além disso, foram vários os momentos em que os mentores subiram ao palco para cantar com os concorrentes.

 

 

 

Deolinda Kinzimba só há uma

Sem Título1.jpg

Mas confesso que, quando vi as imagens a primeira vez, achei que era uma segunda Deolinda que ia participar!

A mim, pareceu-me que tem que se controlar um pouco, mas compreendo que aquela música e mensagem lhe digam muito, e que ela tivesse que explodir e mandar tudo cá para fora, sabendo aquilo por que passou.

 

 

 

Menos é mais

73460630_2930325676981736_5894537452038651904_n.jp

A Vânia deu tudo o que tinha, e o que não tinha!

E, para mim, deu até demais. Para quê tudo aquilo? Pareceu-me exagerado, muitas vezes a incomodar com tanto grito e malabarismos, como se o mundo fosse acabar e ela tivesse que mostrar tudo aquilo que sabe fazer, numa única música.

E daqui em diante, terá algo de novo para mostrar? Ou já esgotou o stock?

 

 

 

O "Rei dos Anjos"

72734343_2930330393647931_2815071099379777536_n.jp

O Wesley conseguiu fazer-me gostar de ouvir uma música que, ouvindo noutro sítio qualquer, teria desligado de imediato.

 

 

 

A grande surpresa para mim

Sem Título2.jpg

A Joana tem um talento natural, toca e canta, tem personalidade, boa voz, e mostra confiança. E só tem 15 anos!

 

 

 

A "cunha" que era escusada

72626604_2930488353632135_5319150201041059840_n.jp

Canta bem, chegou e convenceu, embora também não tenha achado que seja o "fenómeno" que apregoaram.

Ainda assim, tem mérito que chegue para se valer por si próprio. Era escusado estar a mencionar o irmão Enoque.

 

 

Destaque ainda para o Sebastião que, lá está, provou que menos é mais, de uma forma que ele nem teve noção!

E para o Vasco que, mesmo não tendo passado, me emocionou!

 

 

Imagens: The Voice Portugal

 

 

 

Fim das provas cegas e início das batalhas

Alguém me diga, por favor, por que raio virou, o Anselmo, a cadeira para o Kaio e para o José?

Foto de The Voice Portugal.Foto de The Voice Portugal.

Já estou como muitos, o Anselmo é o defensor dos mais fraquinhos.

Talvez não por escolha sua, mas porque tendo virado nos outros concorrentes, não o escolheram, e agora precisa ocupar as suas vagas com o que sobra.

 

E porque é que ninguém virou a cadeira para a Carminho?

Foto de The Voice Portugal.

Será porque já existem tão poucas vagas que estão à espera da "tal" voz para completar a equipa, e acham que pode ainda vir melhor?

 

 

As minhas favoritas da noite - as Marias:

Foto de The Voice Portugal.Foto de The Voice Portugal.

Uma mais segura que a outra, mas ambas com belíssimas vozes e timbres!

 

 

Foto de The Voice Portugal.

O Carlos levou um estilo diferente, e saiu-se bem. A dúvida é: como se saíria ele noutros registos?

 

 

Os que estou curiosa para ouvir novamente:

Foto de The Voice Portugal.Foto de The Voice Portugal.

O Simão e o Fábio - o Simão virou mais cadeiras, e já não é um estreante. O Fábio vai ter que mostrar o que vale, e que tem muito mais para dar.

 

 

A Sara é terapeuta da fala, e estudou música desde cedo. Ainda assim, não achei que tenha feito uma actuação brilhante. Já vi por lá, dentro deste género, melhor.

 

A Maria Beatriz cantou e tocou bem, mas talvez de tão concentrada no piano e na voz, não transmitiu o sentimento.

 

E encerram-se assim as provas cegas, dando lugar às temíveis batalhas! Fica por saber quem será o 14º elemento da equipa da Aurea, e quem será o 14º elemento da equipa do Mickael, após a desistência de um dos concorrentes.

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Alguém que diga à Marisa que este look lhe fica horrivelmente mal? E, já agora, ao Anselmo também?

 

 

Foto de The Voice Portugal.

A primeira batalha pertenceu à equipa do Anselmo e, para já, foram bem escolhidos estes protagonistas.

Nas provas cegas, a Laura convenceu-me mais. Na batalha, o Mauro levou a melhor, e penso que deveria ser ele o escolhido.

A decisão ficou em aberto, só a saberemos no próximo domingo.

 

Mas...

 

Será que esta imagem quererá dizer alguma coisa?

 

 

Imagens The Voice Portugal e http://media.rtp.pt/thevoiceportugal/

 

 

 

O que fizeram à Deolinda?

 

Relativamente à gala de ontem, e ainda antes de falar dos concorrentes, tenho que falar primeiro da surpresa da noite.

Assim que falaram em regresso desejado ao palco do The Voice, meti na cabeça que era a Deolinda. Até comentei com a minha filha e o meu marido que ela iria apresentar o seu próprio tema. Não fazia a mínima ideia, mas por acaso até foi mesmo isso!

Ouvi a música. Gostei. Da letra e da música. Mas não reconheci a Deolinda! Aquela Deolinda que chegou na edição passada e virou as cadeiras. A Deolinda detentora daquele vozeirão, que achámos logo que podia ser a potencial vencedora. A Deolinda que elevou, de tal forma, as expectactivas, que ainda não tínhamos conseguido encontrar igual nesta edição.

Ontem, ouvi a Deolinda e, se não soubesse quem era, e estivesse no lugar dos mentores, talvez nem tivesse virado a cadeira. Esta não é a Deolinda que todos conhecemos. Esta é uma nova Deolinda, que cantou mas não encantou.

Prometo ouvir hoje novamente, até porque ontem posso ter-me deixado distrair pelo sono e não ter estado com a máxima atenção, mas foi com este sentimento que fiquei depois de a ouvir - de desilusão, de desapontamento. Talvez seja por ser cantado em português, algo que só ouvimos uma vez na voz dela. Ou porque a música não se presta a grandes rasgos de voz. Ou, simplesmente, os meus ouvidos estão a pregar-me uma partida, já que li imensos comentários a elogiar a sua prestação.

Há por aí mais alguém que sofra do mesmo mal que eu e não tenha reconhecido a voz da Deolinda?

 

 

Quanto aos concorrentes, os que mais gostei de ouvir foram:

 

A Sónia - apesar de não ser apreciadora de fado, gostei muito da forma como ela cantou.

 

O Francisco - pode não ter um vozeirão mas brinca com a música como poucos! E o que me ri com aquelas expressões físicas dele enquanto cantava. Muito talentoso e genuíno!

 

A Inês - voz bonita e melodiosa, a juntar a uma postura calma. Adorei ouvi-la, mas não sei como se sairá noutros estilos musicais.

 

A Tamara - tem estilo, tem power, tem voz, tem atitude. Vamos ver até onde chega.

 

E ainda a Inês, obstetra.

 

 

Os que não gostei tanto de ouvir:

Joana - disse ela que tinha mestrado em musicoterapia. É verdade que a música é uma boa terapia, mas houve ali partes em que ela assassinou a música, desafinou, arranhou. Espero que o trabalho corra melhor.

Nádia, a cantar Celine Dion - senti que lhe faltou um pouco mais de garra

Francisco - estava muito "preso", contraído, e não sei se a guitarra não o terá atrapalhado. Gostei mais de o ouvir a cantar o seu tema, muito ao estilo dos DAMA, por sinal

Juliana - não é que não tenha talento, mas penso que a música não a favoreceu

 

Todos os restantes tiveram partes em que estiveram bem, mas outras em que as coisas correram menos bem, e nenhuma voz se destacou.

 

Caras conhecidas:

Tiago - Assim que o vi, disse para a minha filha "este não fazia parte dos Opera Buffa, que participaram no Got Talent?". E é mesmo ele!

 

Achei curioso o facto de o Anselmo ter virado várias vezes a cadeira, quando mais minguém parecia com vontade de o fazer, e ter aproveitado esta última prova cega para dar oportunidade a alguns concorrentes, quando mais ninguém se dispôs a isso.

 

As equipas:

Parece-me que, à primeira vista, as equipas do Mickael e da Marisa têm mais concorrentes de peso. Mas a Aurea e o Anselmo têm um ou dois trunfos que podem ser o suficiente para vencer.

 

 

 

 

Fechadas as equipas, já nos começamos a preparar para as batalhas que aí vêm no domingo, e que são uma das fases mais injustas do programa. Se colocarem um concorrente forte com um fraco, é injusto. Se colocarem dois concorrentes fortes, sabem que um deles vai perder, e perdem um dos trunfos, o que também é injusto.

Vamos ver como correm as batalhas da próxima semana!

Para já, temos novos looks para os mentores, mas devo dizer que o Mickael, com aquele rabicho, fica horrível!

 

 

Imagens The Voice Portugal

 

Boas vozes...mas ainda não temos A Voz!

Mais uma noite de Provas Cegas no The Voice Portugal, e continuamos sem ter alguém que se destaque.

 

 

A Inês foi uma boa surpresa, mas parece que agora este estilo virou moda aqui no The Voice, principalmente na cortina, e começo a ficar farta.

 

 

A Isis cativou com o seu estilo próprio e diferente do habitual. Não percebo porque só a Aurea virou a cadeira.

 

 

A Sofia e o seu contrabaixo, proporcionaram um belo momento, também ele diferente. Vamos ver do que ela é capaz daqui em diante.

 

 

A Natacha estava doente e, talvez por isso, não conseguiu dar o seu melhor. Eu gostei muito do timbre dela, da escolha da música, e da junção destes dois elementos. 

 

 

O David Gomes conseguiu transmitir emoção, sentimentos, e adorei ouvi-lo cantar. Mas quero ouvi-lo noutros registos.

 

 

O que dizer da Maria Bradshaw? Quando a Deolinda cantou este tema tão bem ou melhor que o original, é difícil gostarmos de ouvi-lo noutras pessoas, ainda que tenham dado o seu cunho pessoal. Que tem talento, não há dúvidas. Ficou em 4º lugar quando participou no Ídolos, depois de uma eliminação e resgate do júri pelo caminho. Eu não aprecio o estilo. E não acredito que chegue muito longe neste programa. Pode ser que me engane.

 

Não gostei de ouvir:

O Sérgio - acho que apesar de a mensagem ser bonita, a escolha da música não foi a melhor e não me parece que ele vá longe. Não gostei de o ouvir e não percebo como é que teve tantas cadeiras viradas.

A Sara - e não é por ser fado, porque já lá foi muito boa gente cantar fado, e cantou melhor que ela.

 

A Repetente:

A Laura Vargas já é nossa conhecida da edição passada. Na altura, ficou na equipa do Anselmo, e foi preterida na batalha com a Filipa Azevedo. Este ano, regressou, virou mais cadeiras e voltou a escolher o Anselmo (apesar de um comentário que se ouviu de alguém a dizer para ela não escolher quem não acreditou nela). Na minha opinião, e espero estar enganada, palpita-me que lhe vai acontecer o mesmo. Percebe-se que ela canta com o coração, e transmite isso para o público, mas não me parece que ela tenha talento que seja suficiente para avançar e chegar longe no programa.

 

Curiosidades:

Em duas semanas, é o segundo concorrente de Mafra que vai ao programa. E que eu não conheço. E que quando vou procurar mais informação, encontro em todos os sítios menos em Mafra!

 

O facto de a Marisa conhecer vários concorrentes pelos mais variados motivos: porque foi vizinho, porque foi patrão, porque foi colega, porque já cantou com ela, e por aí fora!

 

É suposto os jurados não saberem quem vai actuar e lhes aparecer pela frente. No entanto, algumas perguntas que fazem dão a entender que são propositadas para aquele concorrente em específico, o que leva a crer que já sabem ou têm uma ideia de quem são. Ou então é tudo uma grande coincidência, como por exemplo, no meio de 5 ou 6 concorrentes, perguntar justamente aquele que já participou num concurso, se já alguma vez participou em algo do género.

 

Pontos positivos:

A diversidade de estilos musicais que estão a levar ao programa nesta edição.

As cenas dos bastidores.

 

Pontos negativos:

Queridos jurados, mudem o disco porque já ninguém aguenta ouvir o mesmo disco riscado: "ah e tal, gostei muito de te ouvir", "ah e tal, não tenho nada a apontar", "ah e tal, foi por um bocadinho assim", "ah e tal, estou arrependido". É que uma vez ou duas ainda se compreende. Mas constantemente, é demais. E ninguém acredita. É preferível dizerem, ainda que suscitem comentários menos bons, a pura verdade: "não me convenceste", "este tipo de música não é o meu estilo", "prefiro outro tipo de talentos da minha equipa".

 

 

Imagens The Voice Portugal

  • Blogs Portugal

  • BP