Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Do baile de gala, ensaios e falta de pares

Resultado de imagem para danças de salão

 

 

Há coisas que não consigo perceber, que não me entram na cabeça e me fazem confusão.

O baile de gala dos finalistas, organizado pela escola, é uma delas.

 

Os directores de turma, querendo mostrar o melhor dos seus meninos, e ter a respectiva turma bem vista, esperam que todos participem no baile e, como tal, nos ensaios de dança, para não fazerem má figura na hora.

 

A questão é: há rapazes e raparigas em igual número, para fazerem par, entre os que querem participar?

Não!

 

O que acontece é que há pares que já estão combinados, e há vários alunos, sobretudo raparigas, sem par.

A minha filha é uma delas.

 

Para poder participar nos ensaios, tivemos que alterar o horário da explicação de matemática, que lhe faz falta para a preparar para o exame que aí vem mas, como a directora de turma fazia questão, e dança é algo que ela gosta, assim fizemos.

 

Ontem, foi o primeiro ensaio.

Treinou a parte individual. A parte que pertence às raparigas. Tal como algumas colegas suas.

Depois, quando chegou o momento de ensaiar com o respectivo par, as que não tinham ficaram sentadas a ver, sem fazer nada.

 

Ora, se as raparigas não têm par, nem lhes arranjam um, como foi dito pela directora de turma, que o faria, o que raios vão elas para lá fazer? 

A minha filha já disse que, se no próximo ensaio continuar sem par, deixa de ir.

 

É de lamentar esta falta de organização relativamente aos alunos que querem participar no baile, e respectiva formação de pares.

O Sítio Secreto de Tana French

 

E eis o livro que tanto tempo demorei para terminar!

O Sítio Secreto, da autora Tana French. Dois colégios, uma vítima mortal, oito suspeitas.

 

A história passa-se entre as raparigas do colégio St. Kilda's e os rapazes do colégio Colm's, e vai alternando entre a actualidade - um ano depois do acontecimento que desencadeou tudo o resto, e o que aconteceu até então.

E que acontecimento foi esse? Chris Harper, um jovem do Colm´s, aparece assassinado nos jardins do St. Kilda's. Nessa altura, as suspeitas recairam sobre o jardineiro, mas ninguém conseguiu provar nada e o caso ficou sem pernas para andar.

Um ano mais tarde, uma das alunas - Holly - filha de um polícia, leva até ao detective Moran uma fotografia do rapaz assassinado, com a legenda "Sei Quem o Matou"! Fotografia essa que encontrou no quadro do colégio designado por "Sítio Secreto". Um quadro onde qualquer aluna poderá afixar o que lhe apetecer dizer, sem que ninguém saiba quem foi que lá pôs.

Na posse dessa foto e da mensagem que ela contém, que não se sabe quem escreveu e colocou no quadro, Moran e Conway vão até ao St. Kilda's inquirir novamente todas as alunas. Será que foi alguma brincadeira? Ou alguém sabe ou viu mesmo alguma coisa e calou-se todo este tempo? E porque é que agora resolveu afixar essa mensagem? 

No entanto, de entre as alunas, apenas oito se destacam e se tornam suspeitas, divididas em dois grupos rivais. De um lado, Joanne, Gemma, Alison e Orla, também conhecidas por Daleks. De outro, Holly, Julia, Selena e Rebecca.

Foi nesta fase que fiquei estagnada, porque a autora vai contando o que foi acontecendo no colégio St. Kilda's, desde que este segundo grupo foi para lá estudar: as peripécias características de uma escola, as amizades, os encontros com os rapazes, o que fazem para se entreter nos tempos livres, as rivalidades, as competições, as implicâncias, as parvoíces próprias desta idade. Mas, acima de tudo, a autora vai descrevendo cada uma delas através dos seus comportamentos e acções.

Pelo meio, vamos tendo interrogatórios pouco esclarecedores, mentiras, omissões, protecção entre amigas e acusações entre rivais, num verdadeiro "jogo do empurra" de suspeitas de umas para as outras, para desviar a atenção delas próprias.

Só então, já quase a meio do livro, é reduzido o número de suspeitas a 4! Vão-se desvendando alguns segredos, vão-se ligando alguns pontos que ainda estavam soltos, e a autora faz-nos, num momento, acreditar que a assassina é uma determinada aluna para, no momento seguinte, nos dar a quase certeza que é outra, e logo em seguida, nos fazer mudar de opinião e concentrar a nossa atenção noutra, até que finalmente descobrimos como tudo aconteceu, os motivos, a justificação para determinadas acções, os segredos que se escondiam naquele colégio de freiras, os pactos, as promessas quebradas.

No final, resta apenas saber quem, afinal, colocou aquela mensagem no Sítio Secreto... 

A puberdade ainda é um tabu?

 

A puberdade é um período, que faz parte da adolescência, em que ocorrem mudanças biológicas e fisiológicas. É neste período que o corpo se desenvolve, tanto fisica como mentalmente, tornando-se maduro, e os adolescentes ficam capacitados para gerar filhos.

Nas últimos tempos, temos assistido a uma “aceleração secular do crescimento”, ou seja, de século para século, o crescimento torna-se mais rápido e, no caso das meninas, a menarca chega mais cedo. Após alguns estudos, os parâmetros foram alterados, passando o período, considerado normal, da puberdade feminina, a situar-se entre os 8 e os 13 anos, e da masculina, entre os 9 e os 14 anos.

Somente se acontecer em idades inferiores estaremos perante um quadro de puberdade precoce. Nesses casos, é aconselhável procurar ajuda especializada, que trate tanto os factores biológicos como psicológicos da criança.

De qualquer forma, precoce ou não, a puberdade implica sempre mudanças físicas, psicológicas e sociológicas, que podem afectar a criança e condicionar o seu comportamento diante da sociedade. É nesta fase que começam a surgir inúmeras dúvidas sobre o seu corpo. Por outro lado, a criança poderá ficar ansiosa, sentir-se rejeitada por ser diferente, sentir vergonha, isolar-se, tornar-se agressiva ou ficar deprimida.

Para lidar com esta nova etapa da criança, é preciso que os pais, antes dela, estejam preparados para a ajudar, esclarecer as suas dúvidas, dissipar os seus medos e preocupações.

A puberdade é uma fase do crescimento absolutamente normal, e deve ser encarada como tal, tanto pelas crianças, como pelos pais, e até mesmo pelos professores, nas escolas, não fazendo disso um “bicho de sete cabeças”.

Embora, hoje em dia, as crianças aprendam cedo como funcionam os diversos aparelhos do nosso organismo, incluindo o reprodutor, ficamos com a sensação de que, no que respeita a alguns sintomas da puberdade, ainda existem alguns tabus, nomeadamente em relação à menarca. Nem sempre os professores, por exemplo, sabem como gerir essa situação, até mesmo em relação à restante turma, e se for um caso isolado.

Sendo um dos sinais mais tardios da puberdade, não tem idade certa para aparecer e pode surgir sem sintomas prévios, considerando-se normal o seu aparecimento entre os 9 e os 18 anos. A idade média para a primeira menstruação tem diminuído ao longo dos tempos, podendo ser influenciada por fatores como clima, nível socioeconómico, fatores genéticos e étnicos, atividade física e estado nutricional.

Ora, se uma criança se encontra na fase da puberdade e está a ter um crescimento mais rápido que as restantes colegas, tanto os pais como os professores têm que fazer com que essa criança não se sinta diferente, nem excluída. Isto não significa anunciar a toda a gente o que se está a passar, mas também não implica esconder como se fosse algo negativo. 

É preferível conversarem com as crianças, explicarem-lhes que é uma situação normal e que todas elas, mais cedo ou mais tarde, vão passar pelo mesmo.

Se os conteúdos e programas curriculares já lhes ensinam como é constituído o seu corpo, como funciona a reprodução e quais os órgãos sexuais, e se as crianças têm acesso a tanta informação, das mais variadas formas, porquê continuar a alimentar este tabu, em vez de o eliminar?

  • Blogs Portugal

  • BP