Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Reality Shows: mestres da ilusão!

257.800+ Mágico fotos de stock, imagens e fotos royalty-free - iStock

 

Há uns tempos vi um filme em que uma mulher era convidada para apresentadora de um concurso de talentos infantil.

Primeiro, porque era uma mulher famosa. Depois, porque tinha imenso jeito a lidar com as crianças.

E ela, inocentemente, convencida de que aquele concurso seria uma boa experiência para os miúdos, que haveria oportunidades para eles, e que seriam apoiados nos seus talentos, aceitou o convite.

Só que, a determinado momento, percebeu que, ao contrário do que a fizeram acreditar, o vencedor do programa estava decidido ainda antes de ele começar.

Que o público que, ingenuamente, votava para escolher os seus favoritos, estava a ser enganado.

E que ali todos acabavam por ser meros figurantes. Peões de um jogo. Actores, cada um com o seu guião a cumprir, sem questionar.

Tudo para o show. Para as audiências. 

Tudo ilusão.

 

Da ficção para a realidade, cada vez mais os reality shows a que assistimos mostram que são verdadeiros "mestres da ilusão"!

Mas só nos iludem até um determinado ponto.

Porque, tal como qualquer ilusionista, há sempre algo do truque que escapa.

E chega a um momento em que os próprios ilusionistas percebem que o segredo do truque já foi descoberto optando, ainda assim, por continuar a fazê-lo, mas à descarada.

O público?

Esse, sabe que está a assistir a uma fraude. Mas também ele continua. Na esperança de que, sabe-se lá como, ainda haja algo de verdadeiro, no meio de tanta ilusão. Algo genuíno, e sem truques.

 

Ontem estava a ver o Triângulo.

A minutos da primeira expulsão, com 3 concorrentes em risco - Moisés, Isa e Lara, a Cristina diz que, naquela noite ainda iria falar com o Moisés, na casa.

Que é o mesmo que dizer: ele não vai ser expulso! 

E, lá estava, minutos depois, o gráfico, a mostrar a Isa expulsa.

Ora, se ainda nem sequer tinham mostrado o gráfico, com as percentagens, e a quem pertenciam, como é que ela já sabia? 

É fácil acreditar que alguém da produção lhe deu essa informação naqueles instantes.

Mas é mais certo pensar que todo o alinhamento da gala já estava planeado, e aquelas conversas também. Logo, já estaria decidido que era "x" pessoa a sair, e não outra.

 

Se as coisas estão definidas à partida, ou se vão mudando ao sabor do vento, que é como quem diz, consoante as audiências e interesses da produção, não sei.

Mas que muito do que vemos (senão tudo) é ilusão, lá isso é.

Big Brother: A Revolução

bb-revoluçao-777x437.jpg

 

Parece que estreou no passado domingo aquele a que apelidaram de "Big Brother: A Revolução", um programa que pretendia celebrar os 20 anos do primeiro reality show exibido em Portugal.

Pois, para mim, a verdadeira revolução do Big Brother não é este programa, mas sim o anterior.

 

Esse, sim, foi uma verdadeira revolução a vários níveis:

- mudança da casa para a Ericeira (um verdadeiro retiro agora transformado em prisão)

- mudança de apresentador (pode não ter sido a melhor aposta, nem a prestação ter sido a melhor, mas foi diferente)

- uma escolha de concorrentes muito distintos entre si, e como há muito não se via em reality shows, cada um com as suas causas, umas melhor defendidas e debatidas que outras

 

Agora este novo programa, a que lhe chamaram "revolução", talvez por não haver regras ou estas poderem mudar a qualquer instante, e pelo aspecto que quiseram dar à casa, não me parece nada revolucionário. Parece-me mais um "Salve-se Quem Puder", no meio de tanta gente com a mania que é boa, e que sairá dali com um futuro garantido, misturado com um "Bem vindos à Selva".

 

Não se pode dizer que seja um regresso às origens, porque os primeiros Big Brothers não se assemelhavam tanto às "Casas dos Segredos" e aos "Love on Top" que lhe sucederam.

Quanto à Teresa Guilherme, a rainha dos reality shows, não nego o "à vontade" que tem para este tipo de programas, como um peixe na água.

Das primeiras vezes que vi o Cláudio Ramos a apresentar, desejei a Teresa de volta.

No entanto, pelo que vi no último domingo, fiquei com a sensação de que a Teresa fez o melhor ao longo dos últimos anos de apresentação neste tipo de programas, mas deveria ser um capítulo encerrado. 

Penso que nos cansámos da imagem, do discurso. A mim, apeteceu-me ver uma cara nova ali. 

 

Para já, não penso acompanhar este novo Big Brother.

Quem sabe lá mais para a frente.

Sim, eu vejo o Big Brother! E daí?

Big Brother: Após strip de Diogo, Ana Catharina não resiste a ...

 

Sou uma pessoa menos culta, por isso?

Menos instruída?

Porque é assim tão estranho eu gostar de ver este reality show, quando já vi tantos outros, ainda que com conteúdos e objectivos diferentes?

Qual a diferença do Big Brother, para o Casados à Primeira Vista, por exemplo, que torna um mais, ou menos, válido que o outro?

 

Não vi os primeiros meses.

Ia lendo o que se escrevia e publicava sobre o programa.

Há umas semanas vi um pouco da gala.

Nas seguintes, também.

Agora tenho acompanhado mais regularmente e com mais frequência. E gosto.

 

Podia ver um filme, uma série, um documentário. Podia ler um livro.

Mas não era nada disso que me apetecia.

Por vezes, só queremos ver algo leve, para entreter.

Ainda que não se retire ou se aprenda nada com isso.

O que nem é o caso. 

Porque há ali muito por explorar, em termos de comportamento humano e da sociedade em que vivemos actualmente.

A TVI e o reality show para bloggers e influencers

Resultado de imagem para bloggers e influencers
 
A TVI decidiu apostar num novo formato, que terá como protagonistas bloggers e influenciadores nacionais.
 
“Like Me”, produzido pela Endemol, será um programa virado para as redes sociais, em que os participantes terão de conviver com outros influenciadores, sendo postos à prova diariamente. No final, será eleito o "influencer nacional com mais potencial e carisma". 
 
A produção estar a convidar personalidades nacionais deste universo, mas também é possível qualquer blogger e influenciador candidatar-se ao casting, desde que o perfil se enquadre no pretendido.
 
Para tal, basta enviar o link das suas redes sociais, bem como os respetivos contactos, para casting@endemol.pt.
 
Se houver por aí alguém interessado, força!
 
Não sei se conseguirá superar os fracassos anteriores e subir as audiências, mas estou curiosa para ver como funciona, e quem irá participar :)