Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Chegou Setembro

Setembro – O mês do regresso! – MaisOpinião

 

Chegou, num ápice, um daqueles meses que mais divide as pessoas: as que o adoram, e as que o detestam.

Chegou Setembro.

E, com ele, uma infinidade de dúvidas. De incertezas. De "ses".

 

Com a chegada de Setembro, chega também o outono.

O regresso ao trabalho da maioria de nós.

O regresso às aulas para os estudantes.

 

E tudo isso em cenário de pandemia, que está longe de nos deixar, e ameaça até voltar a trocar-nos as voltas.

Num país que não me parece disposto a recuar, face a um possível aumento de casos, parece-me que a solução será aprender a conviver com esse aumento, tentar fintar o vírus para que não nos bata à porta e esperar que a situação não descambe.

 

Há quem veja este mês como um recomeço.

Não me parece que vá ser um bom recomeço. Nem prevejo que as coisas se tornem mais fáceis daqui em diante.

Se, noutros anos, setembro já não me agradava, este ano, ainda menos me inspira.

Há 3 semanas que Quantico recomeçou...

 

...e ninguém me disse nada!

Estava eu ontem a ver as gravações que tinha na box, para apagar o que não interessava quando, de repente, vejo gravações da série "Quantico" em Abril.

O quê? Estarei a ver bem? Pára tudo.

Último episódio gravado em Dezembro de 2015, e 3 novos episódios gravados em Abril deste ano (a 7, 14 e 21).

Finalmente! Quatro meses depois, lembraram-se de dar seguimento à série. Ao que parece, agora às quintas-feiras.

Continuo a achar um total absurdo a pausa que fizeram. Se tivesse terminado uma temporada, ainda se aceitava. Agora deixá-la a meio, deixar o público na expectativa, e fazê-lo esperar 4 meses, não se admite. Quem é que ainda se lembra de tudo o que deu antes, quem é que consegue seguir a história e o ritmo, sem ter que voltar um pouco atrás? 

Enfim, posso sempre ver o lado positivo: agora tenho 3 novos episódios para ver enquanto espero pelo desta semana, e posso vê-los seguidinhos, sem pausas ou interrupções!

Começámos o ano em grande!

 

O marido esteve a trabalhar na passagem de ano! (pelo 5º ano consecutivo)

A filha, com amigdalite, adormeceu pouco depois das 22h.

E eu, entrei no novo ano sentada no sofá com a Tica ao colo e a Inês a dormir encostada a mim!

Lá fora, para igualar a véspera de Natal, chuva.

Não houve espumante, nem passas, nem panelas a bater...Foi uma noite como tantas outras, igual a muitas outras.

E assim foi, também, o primeiro dia do ano. Salvo pelo computador que está em fase terminal e a precisar de ser substituído (logo agora que tinha resolvido poupar), e por uma boneca que, há muitos anos em estado vegetativo, resolveu suicidar-se! Tenho 3 bonecas de porcelana, há vários anos, em cima do roupeiro. Ninguém lhes mexeu. O meu marido estava a ver televisão na sala, a Tica a dormir ao pé dele e eu na cozinha. Ouvimos um barulho. Fui ver onde era e descobri uma das bonecas no chão do quarto, de cabeça partida. Caiu, assim, do nada. Mistério... 

 

É verdade que mais um ano terminou e um novo recomeçou. Enterra-se o passado e renova-se a esperança. Fecha-se um ciclo e abre-se outro. Temos uma oportunidade (ou assim queremos acreditar), de fazer nos próximos doze meses o que não fizemos nos anteriores. 

Mas, na verdade, continua a ser e a estar tudo como antes.

Continua a haver fome, guerra, violência, pobreza, mortes...Continua a haver corrupção, intrigas, conspirações...Continua a haver ricos, milionários e bilionários...Continuam a escassear valores a muitas pessoas...

Até mesmo algumas das nossas resoluções e decisões caiem, por vezes, em saco roto. Claro que, outras há que, com persistência, se concretizam. Mas, de uma forma geral, as mudanças que planeamos, ou esperamos, com a entrada no novo ano são mais uma ilusão do que uma realidade. Excepto, como é óbvio, aquelas que sabemos que nos aguardam todos os anos por esta altura - os aumentos!

 

Até agora, não me sinto mais diferente em 2014 do que me sentia em 2013. Simplesmente, a vida continua!