Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Leitura em contexto escolar: prazer ou castigo?

A leitura faz você feliz: 10 boas razões para ler mais - greenMe

 

É certo que, com todas as novas tecnologias, redes sociais e outros entretenimentos mais cativantes, os jovens, e até mesmo os adultos, tendem a ler cada vez menos, deixando a leitura para um quinto ou sexto plano.

Se estiverem a estudar, aí sim, terão que, forçosamente, dedicar algum tempo à literatura, mesmo que não queiram.

Sempre assim foi. E esse era um dos motivos para, ao contrário do que seria a intenção, começarmos desde logo a "odiar" livros.

Porque eram leituras que não compreendíamos. Que  não nos diziam nada. Que eram aborrecidas e maçantes.

A ideia de fomentar a leitura nos mais novos não se tornava um prazer, mas antes um castigo.

 

Em pleno século XXI, continua tudo igual.

No ano passado, a minha filha tinha que escolher, de entre uma lista, um livro para ler, e fazer uma apresentação sobre ele.

Os melhorzitos, 5 ou 6, já tinham sido escolhidos. E tudo o resto não tinha o mínimo interesse. 

Em acordo com a professora, conseguiu fazer o trabalho sobre um livro que não estava na lista, mas que estava dentro dos mesmos temas e contexto.

 

Este ano, a professora de português enviou-lhes uma lista para um trabalho semelhante.

Praticamente, as mesmas obras do ano passado. Muita poesia. Livros que nem eu, ávida leitora, tenho interesse ou vontade de pegar neles. Quanto mais jovens de 17 ou 18 anos, que não fazem da leitura um hábito.

O que vai acontecer é escolherem um livro, por falta de opções, já contrariados, fazerem o trabalho sem o mínimo interesse, não perceberem nada do que leram e jurarem que, quando não forem mais obrigados, não voltam a pegar num livro!

 

De todos, só um sobressaiu. O primeiro da lista. "O Vendedor de Passados", do autor José Eduardo Agualusa.

Disse-lhe para escolher esse. Vamos ver se tem sorte.

Clickbait, na Netflix

1875608.jpg

 

Até que ponto conhecemos (mesmo) as pessoas com quem vivemos?

Até que ponto confiamos nas pessoas que nos são próximas?

Até que ponto aquilo que é publicado nas redes sociais é verdadeiro?

Até que ponto estão, as pessoas, dispostas a ir? Por vingança... Por diversão... Por uns milhões de cliques e visualizações?

 

Nick Brewer é casado com Sophie, e têm dois filhos.

Sempre teve uma ligação especial com a irmã, Pia, mas logo no primeiro episódio dá a impressão contrária. Parece um bom filho, bom marido e pai, mas...

E depois?

Depois surge um vídeo na Internet, de Nick Brewer, sequestrado, ferido, a segurar uns cartazes, onde está escrito "Eu maltrato mulheres", "Eu matei uma mulher", "Aos 5 milhões de visualizações, eu morro".

 

É a partir destes vídeos que se dá início à investigação, à busca pelo assassino, e à descoberta de quem é, realmente, Nick Brewer.

Porque, se é verdade que toda esta situação faz-nos perceber que Sophie traiu o marido, também mostra que Nick tinha vários perfis, com várias identidades diferentes, e relações com várias mulheres diferentes.

E, de repente, o Nick amoroso, carinhoso, meigo, transforma-se num predador, num homem sem escrúpulos, quem sabe, até, violento, e capaz de incentivar um suicídio, sem qualquer piedade.

Até a sua própria mulher, e os filhos, começam a acreditar que não conheciam o marido e pai que tinham.

 

Pia parece ser a única com sérias dúvidas sobre a veracidade de tudo isto mas, enfim, ela é muito intempestiva, inconsequente, impulsiva. Aquela que, conforme dizem "arma cenas infantis", e "destrói tudo aquilo em que toca". Terá ela o discernimento necessário? Será ela a única a ver as coisas de outra forma, que não aquela que é pintada? Ou será culpa? Porque, em determinada altura, até ela parece culpada.

 

Aliás, culpados não irão faltar à medida que vamos assistindo aos episódios seguintes.

O vídeo rapidamente chega aos 5 milhões de visualizações. Será que o assassino cumpre a promessa?

E se cumprir, quem é, afinal, ele, e quais os seus motivos concretos?

 

Ao mesmo tempo, Ethan, um dos filhos, anda a comunicar com alguém que parece demasiado interessado em tudo o que acontece com ele, naquela família, e em relação a tudo o que a polícia vai descobrindo sobre Nick. Com que objectivo? Estará ele a falar com o sequestrador e possível assassino? Estará ele também em perigo?

 

Quem também vê, neste caso, a oportunidade de subir na carreira de jornalista é Ben Park, que irá colocar a sua vida, e relação amorosa em risco, por pistas e provas que ajudem a esclarecer o mistério, e a conseguir o horário nobre. Valerá a pena? Será que ajudou mesmo?

 

A polícia é que não vê com bons olhos o facto de não terem na sua posse, como seria de esperar, as informações divulgadas pela imprensa, o que significa que não estão a fazer um bom trabalho.

 

"Clickbait" é uma série que mostra como as novas tecnologias podem funcionar em dois sentidos: na criação dos problemas, ou na sua resolução; na propagação de mentiras, ou na descoberta da verdade; na concretização de crimes, ou no seu impedimento. 

 

E no fim, depois de desconfiarmos de tudo, e suspeitarmos de todos, e de ficamos a olhar para a chave do mistério e a pensar "A sério?!"!

Mentir é fácil. Mais difícil é repôr a verdade. E quando não se quer que ela venha a lume, outras vítimas podem sofrer as consequências.

 

Se puderem, vejam a série.

Vale a pena!

E dá que pensar...

 

 

 

 

 

 

É possível desligar das redes sociais por uns dias

A importância das redes sociais no mundo empresarial

 

Quando se tem algo para fazer, que nos ocupe o tempo e seja mais útil ou prazeroso.

Em duas semanas de férias, raros foram os momentos em que peguei no telemóvel ou no computador, em que vi notícias ou o que quer que fosse na televisão.

No meio de tudo o que havia para fazer, a prioridade no tempo sobrante era dormir.

 

Mas se senti alguma falta daquela incursão pelas redes, o que mais se destacou foi a falta de escrever.

Não que tivesse muito para escrever.

Mas é um hábito que não se perde (nem quero) facilmente.

E, ao fim de alguns dias, a vontade surge.

Ainda que a falta de assunto continue a travar a escrita.

 

As férias estão a terminar.

Como referi no último post, estando a praia posta de lado, a escolha entre passar os dias sentada num sofá a não fazer nada, ou levar a cabo as pinturas que vinham há anos a ser adiadas, foi fácil.

Trabalho feito, senti que precisava de uns dias para descansar, e assim dei um presente a mim mesma de um dia a mais de férias.

Para pôr a leitura e a escrita em dia. E descansar o corpo.

 

Do que vou mesmo sentir mais falta, é de poder acordar sem despertadores. Naturalmente.

Reparei que acordar cedo e com hora marcada não me dá saúde, mas uma dor de cabeça no resto do dia.

Talvez seja até voltar a habituar-me à rotina.

Amanhã é o último dia em casa.

Setembro marca o regresso.

 

 

As pessoas gostam de discutir?

Resultado de imagem para discutir

 

Pode parecer uma pergunta parva mas, cada vez mais, me convenço que algumas pessoas precisam de uma boa discussão.

Não sei se para descarregar frustrações causadas por outros motivos, que em nada têm a ver com aquilo sobre o qual, depois, discutem, ou porque precisam dessas discussões para dar algum sentido à sua vida.

 

É certo que, por vezes, determinadas situações nos podem levar a encetar uma discussão, seja por certas atitudes ou comportamentos, ou opiniões distintas que diferentes nem sempre são bem aceites.

Mas sempre acreditei que, apesar de não controlarmos na totalidade, fosse algo que todos quiséssemos, sempre que possível, evitar, pelo desgaste, mal-estar, mau ambiente e stress que as mesmas nos causam.

 

No entanto, aquilo a que tenho assistido, é a pessoas que provocam propositadamente discussões, que ficam ansiosamente à espera que alguém lhes responda, para poderem contra-atacar, que vibram com cada resposta torta que dão a quem está do outro lado.

Vejo, sobretudo, esse tipo de comportamento nas redes sociais. Como se fosse algo que fizessem por prazer.

 

Não bastam já os problemas do dia a dia? As discussões, muitas vezes inúteis, das quais não podemos fugir ou evitar?

Para quê dar azo a mais umas quantas, sem necessidade nenhuma, só porque sim?

Resolvem alguma coisa?

Ficam mais felizes por isso? 

Um acaso, sensibilidade, o poder do facebook e uma história com final feliz

(ou assim esperamos)

Resultado de imagem para ajudar animais"

 

Seria uma tarde como outra qualquer.

Eu a trabalhar, e a minha filha nas aulas.

 

 

Quis o destino, o acaso, ou o que quer que tenha sido, que a minha filha não tivesse tido a aula. E que tivesse ido com as colegas até àquele local.

Viram um cão por ali, e acharam-lhe graça. O cão ia a andar, quando um carro lhe bateu.

Ouviram o estrondo e, logo em seguida, o cão a ganir.

Ficou deitado no passeio, sem se mexer.

 

 

A pessoa que o atropelou não fugiu. Ficou por lá. Embora mais preocupada em não se molhar por causa da chuva, e a desculpar-se que não era de cá, que tinha sido um acidente e que, como tal, não se podia responsabilizar. "Ah e tal, eu vi-o mas achei que ele ia conseguir passar antes de eu chegar." Estava também preocupada com a possibilidade de a mandarem fazer o teste do balão..

Não sei se foi a senhora que ligou para a GNR mas, enquanto esta não chegava, ainda aproveitou para ir ao café.

 

 

A minha filha ligou-me logo, a perguntar se podíamos ligar a alguém, que fosse recolher o cão e ajudá-lo. Conhecendo as autoridades e entidades, por experiências anteriores, duvidei que fizessem algo. Por isso, pedi-lhe para ela tirar foto, e partilharmos no facebook.

Ela assim fez. E enviou-me.

Fez-me lembrar um cão que tinha visto num anúncio, nessa manhã, a pedir ajuda para o encontrar, porque tinha fugido de casa, aqui na vila.

 

 

Publiquei a foto e a informação num grupo de ajuda animal daqui da zona. Com a pressa de que alguém pudesse reconhecer, nem referi que o cão estava vivo.

Na verdade, também não sabia tudo ao pormenor, porque a urgência da situação passou por cima desses detalhes.

Foi uma sorte, poucos minutos depois, alguém me dizer que o cão tinha dono, chamava-se Buddy, e andavam à procura dele.

Facultaram-me o contacto, e o link do tal anúncio. No anúncio não falava em chip, apenas numa coleira verde que a minha filha me confirmou que o cão tinha.

 

 

Liguei de imediato para o dono.

Em seguida, liga-me a minha filha, a dizer que já lá estava a GNR. Com receio que levassem o cão, antes do dono chegar, a minha filha acabou por passar o telemóvel à agente, a quem dei o nome e contacto do dono. 

Soube mais tarde que a agente ligou para o dono.

 

 

O dono deve ter chegado pouco tempo depois, e o cão foi levado para o Hospital Veterinário, onde ficou internado. Ontem, estava estável, segundo me informou, mais tarde, o dono.

Agora, resta aguardar que tudo corra bem e o Buddy recupere do acidente. Para já, pode-se dizer que o dono recuperou o seu cão.

 

 

Não se sabe se como se teria desenrolado tudo isto, noutras circunstâncias.

Teria alguém partilhado o acidente? Teria sido possível encontrar o dono? Teria alguém levado o cão ao veterinário? O que faria a GNR com o cão?

Talvez até tivesse tido igualmente um final feliz. Ou talvez não...

O que sei é que um acaso, alguma sensibilidade, e o poder incontestável de uma partilha no facebook, a par com aqueles que também por lá andam, uniram-se em prol do Buddy.

 

 

Independentemente de tudo, valeu pela atitude.

Dizem que os filhos, por norma, tendem a seguir o exemplo dos pais, para o bem e para o mal.
E foi isso mesmo que se viu, neste caso, para o bem de um animal.
Há coisas que não se aprendem na escola, e esta, é uma delas. E tem muito mais valor uma acção como esta, que uma qualquer nota menos boa num teste.