Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando vemos, nos outros, um reflexo de nós próprios

Reflexo no espelho.jpg

 

Mais depressa olhamos para os outros, do que para nós. E é tão mais fácil observar quem nos rodeia, do que direccionar a visão na nossa direcção, pela dificuldade de conseguirmos ver tudo, e de forma isenta.

 

Mas, se pensarmos bem, muitas vezes, aquilo que vemos e apontamos nos outros é, também, um reflexo de nós próprios.

 

Somos as pessoas que, em determinado momento, agem com o coração. E em outro, com a mente, com ponderação.

Somos as pessoas que preferem ver o lado bom das coisas, mas também somos aquelas que, algumas vezes, não conseguem esquecer o mau, e se revoltam.

Somos aquelas pessoas que, muitas vezes, guardam para si as suas opiniões, que preferem calar-se, ignorar provocações, mas também aquelas que, noutras ocasiões, dizem o que têm a dizer, e explodem.

Somos pessoas organizadas e metódicas mas, também, quando calha, menos perfeccionistas.

Somos pessoas de trabalho mas, como outras, também nos sabe bem o descanso, o não fazer nada.

Somos pessoas de causas que, muitas vezes, não precisam de causas para agir.

Somos pessoas calmas, mas até as mais calmas, em determinados momentos, podem exaltar-se.

Somos inseguros, vulneráveis, mas outras vezes confiantes e fortes.

Podemos parecer frios em algumas circunstâncias mas, noutras, oferecer aquele calor humano que conforta.

 

Somos um conjunto de "camadas", de diferentes pessoas numa só, com características mais vincadas e activas que outras e que, à partida, nos definem. 

Mas somos, não raras vezes, um reflexo daquilo que criticamos nos outros, mas que também poderá existir dentro de nós, ainda que adormecido, ou pouco visível.

 

 

Pergunta parva (ou talvez não)

sobre casar e descasar os anos

Sem Título1.jpg

 

Alguns dias depois de ter feito 41 anos, apercebi-me de algo que, até agora, nem me tinha dado conta, e surgiu-me a seguinte questão:

 

Quando uma pessoa faz "x" anos, no dia do mês de igual número, diz-se que casa os anos.

Ou seja, quando fiz 14 anos, no dia 14, deu-se a união.

 

E quando acontece o inverso?

Quando, fazemos anos no dia "x", mas os anos são o inverso da data?

Neste caso, tendo feito 41 anos no dia 14, será que posso decretar oficialmente o divórcio, já que estão de costas voltadas?!

Fotógrafo profissional?

 

Que isso aconteça comigo, que tenho uma máquina fotográfica das mais baratas e pouco mais percebo do que carregar no botão para tirar a fotografia, e ligar ou desligar o flash, ainda se compreende.

Mas ir a um fotógrafo, supostamente profissional, tirar meia dúzia de fotografias tipo passe, e ele dizer-me, ao as entregar, que apenas ficou um pequeno reflexo da luz da máquina nos óculos, não se admite!

Sendo ele profissional, como é que não conseguiu evitar esses reflexos? Tendo tirado várias fotografias, porque é que não optou por uma em que isso não acontecesse (a não ser que tivessem todas o mesmo problema)? E tendo conseguido, na edição, apagar as borbulhas na cara, não poderia ter feito alguma coisa a respeito do reflexo?

Foi a primeira vez que tal coisa me aconteceu. Em tantas fotografias que a minha filha já tirou com óculos, tanto na escola como no fotógrafo onde normalmente vou, nunca tal aconteceu. Mas, logo por azar, naquele dia estava fechado e tive que ir a um alternativo. 

Mas podem crer que foi a primeira e, provavelmente, a última vez que lá fui!

Desafios...

 

 

 

Ao longo de toda a nossa vida, e do caminho que percorremos, vão-nos sendo lançados desafios.

Desafios que têm por objectivo testar a forma como a eles reagimos, a forma como os encaramos e agarramos ou, simplesmente, a forma como os ignoramos e seguimos adiante.

A cada desafio, temos uma oportunidade de mostrar aquilo de que somos ou não capazes, de mostrar a nossa coragem, a nossa força interior, a nossa evolução.

As escolhas que fazemos, e as decisões que tomamos, são o reflexo da nossa forma de estar na vida.  

Só nós sabemos, ou deveríamos saber, se aceitar cada um desses desafios nos vai trazer algo de bom, algum ensinamento ou lição a aprender com eles.

Só nós poderemos avaliar, em consciência, se os benefícios serão maiores que os perigos que daí possam resultar.

Muitas vezes, acontece-nos uma determinada situação à qual reagimos de uma forma que, naquele momento, e dentro do que achamos ser as nossas capacidades e limitações, nos parece a única que possível.

Mais tarde, podemos até perceber que afinal tínhamos a capacidade e a possibilidade de reagir, e agir, de forma diferente.

Convencemo-nos então, cheios de esperança e energia, como se tivéssemos acordado para a vida, que não nos voltaremos a subestimar.

Para nos testar, e ver se realmente essa força repentina veio para ficar, ou se foi só uma luz que, ainda mal se acendeu, logo se apagou, surge-nos mais um desafio! E agora?

Será que vamos mostrar uma nova atitude perante esse desafio? Ou será que, quando damos por nós, verificamos que estamos a ter a mesma reacção de outrora?

Pois é, falar é fácil! Manter a acção ao mesmo passo daquilo que dizemos é mais complicado…

Mas atenção, não quer isto dizer que tenhamos que aceitar todos os desafios, ou que tenhamos que mudar a nossa forma de pensar e de estar, só para provar alguma coisa a alguém.

Não nos devemos sentir obrigados a fazer algo que vá contra a nossa natureza e personalidade, se virmos que isso nos vai prejudicar mais do que ajudar.

A única pessoa a quem temos que provar alguma coisa, é a nós próprios, e se isso nos fizer sentir bem!