Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Para quem, com conhecimento de causa, souber responder

2043042-vacina-ilustracao-injecao-e-vacina-garrafa

Em que sentido é que os "não vacinados" prejudicam, em termos de saúde, os "vacinados"?

Ah e tal, são os "não vacinados" que apanham o vírus e o transmitem aos "vacinados".

 

Está cientificamente provado que os "não vacinados" são os únicos transmissores do vírus?

Que a única forma de um vacinado contrair o vírus é por contacto com os "não vacinados"? Ou existem outras formas de contágio que, em nada, estão relacionadas com a não vacinação?

 

Ainda que assim seja, que seja essa a única forma de contágio, e o único motivo de contágio, estando os vacinados, vacinados, qual o seu receio relativamente à contracção do vírus?

Os não vacinados, pelo simples facto de terem optado por não o ser, podem ter casos mais graves de infecção, e correm riscos acrescidos de morte. São responsáveis por si próprios.

Mas os vacinados, por conta da vacina, estão protegidos. Logo, não correm riscos.

A não ser que não confiem a 100% na vacina que levaram, e que condenam os restantes de não levar, por não confiar.

Ou será apenas, a constatar-se que a premissa acima referida se confirma, pelo facto de ficarem condicionados na sua vida, com isolamentos, por conta dos outros?

O argumento de que andam os "vacinados" a pagar os custos de internamentos aos "não vacinados" não é válido porque, se fossemos por aí, andamos todos a pagar contas que não são nossas, mas nos calham a todos, de diversas formas, e nunca nos queixámos.

 

Transmitirão, os "não vacinados", a doença de forma mais grave, aos vacinados, do que aconteceria entre vacinados?

Isso seria admitir que, entre vacinados, a mesma também se transmite.

E, assim sendo, não se poderá imputar, unica e exclusivamente, a culpa aos "não vacinados".

 

Poderemos, com certeza, afirmar que um país, com a sua população totalmente vacinada, sem excepções, é um país livre da doença? 

Para isso, só poderíamos, então, aceitar, no nosso país, a entrada de pessoas vacinadas, vindas de outros países. O que, na prática, nunca irá acontecer! 

 

Ou apenas nos livra de casos graves de infecção, e óbitos?

 

Quantas doses da vacina serão necessárias, para proteger uma pessoa de todas as variantes que forem surgindo, até não precisar de mais reforços?

Estando as vacinas ainda em estudo, ainda a sofrer alterações e melhoramentos, à medida que vão surgindo variantes novas, não será válido aguardar até que haja uma "solução/ vacina" definitiva, devidamente testada, e com eficácia comprovada, para que a confiança seja maior?

 

Vivendo num país onde apenas duas vacinas são obrigatórias, e todas as restantes, opcionais, fará sentido equacionar a obrigatoriedade desta vacina contra a covid 19?

Fará sentido pressionar, "chantagear", levar as pessoas a fazer algo com o qual não se sentem seguras, sem qualquer garantia ou responsabilidade assumida do outro lado?

Havendo países que se preparam para lidar com este tipo de infecção como se de uma gripe se tratasse, não sendo a própria vacina da gripe, obrigatória, fará sentido obrigar a toma desta?

 

E não, não são dúvidas de uma negacionista!

Penso que são dúvidas válidas, de quem ainda não levou uma única dose da vacina, não pondo, no entanto, de parte, a ideia de vir a levar.

São dúvidas de quem sabe que a doença existe, que há riscos que se correm por não levar a vacina, mas que existem também riscos, para quem a leva.

 

Também não são dúvidas de alguém antivacinas!

São dúvidas de quem, desde que chegou a este mundo, assumiu a vacinação como algo natural. Nunca sequer pensei se as vacinas do PNV eram obrigatórias ou não. É algo que já vem "pré estabelecido". Os nossos avós vacinaram os nossos pais. Os nossos pais vacinaram-nos. E nós vacinamos os nossos filhos.

Sem questionar. Sem pensar noutra hipótese. 

Embora, recentemente, tenha vindo a ganhar terreno a opção de alguns pais não vacinarem os filhos.

Acredito que, daqui a uns anos, talvez décadas, as gerações futuras estarão mais receptivas a esta vacina. Fará, também ela, quem sabe, parte do PNV, e será levada naturalmente.

É dar tempo ao tempo. 

 

Neste momento, as pessoas estão, simplesmente, confusas.

Confusas com tanta informação e, ainda mais, desinformação.

 

Desconfiadas.

Com tanto que se omite, que se esconde, que não se sabe ou não convém saber.

Com opiniões tão diferentes, até mesmo entre os especialistas, que nos deveriam esclarecer.

Com tanto a que não se sabe responder. Que não se consegue garantir.

Com interesses camuflados que possam existir, e tirar partido, e lucro, do receio e medo da população.

 

Receosas.

É o medo de morrer da doença. Ou morrer da cura.

É o medo dos efeitos secundários do vírus. Ou dos efeitos secundários da vacina.

É o medo de fazer o pior, achando que era o melhor. E lidar com a culpa da sua decisão. Ou da decisão que foram obrigadas a tomar, por força das circunstâncias, contra a sua vontade.

 

Não seria o caso de, antes de impôr, condenar, acusar, encontrar culpados, explicar, esclarecer, abrir o jogo, e deixar as pessoas decidirem por si, devidamente informadas, e sem margem para dúvidas?

 

 

 

 

 

 

 

Absentia 2: o final trouxe mais perguntas que respostas!

Resultado de imagem para absentia alice

 

Terminou ontem a segunda temporada de Absentia.

Mas, se achávamos que o episódio de ontem ia esclarecer tudo o que não foi mostrado e explicado na primeira, bem como nos episódios anteriores desta segunda temporada, enganámo-nos.

O episódio final deixou-nos com mais perguntas, do que respostas, e a promessa de uma terceira temporada em que, quem sabe, elas poderão ser respondidas... ou não!

 

 

O que é certo é que, como tínhamos falado no post anterior, uma parte do nosso desejo concretizou-se: a Alice não era inocente, e estava envolvida naquelas experiências!

No entanto, achei que tentaram, ainda assim, minimizar a participação dela, com a desculpa de que ela não sabia em que é que o seu mentor estava a trabalhar, e que amava, realmente, o Nick e o Flynn.

 

 

Comigo, não colou!

Uma vítima deste tipo de esquemas não atira a sangue frio na única pessoa que a podia denunciar. Fica receosa, nervosa, perde o controlo, tenta fugir, mas não age daquele modo premeditado. Penso que ela sabia muito mais, e estava muito mais envolvida, do que deram a entender.

Confesso que, quando ela sugeriu o acampamento, pensei que fosse mostrar a sua verdadeira cara, e atacar o marido e o enteado, de alguma forma.

Agora, é mais uma que não poderá falar, já que está morta, e levou consigo os segredos.

Porque é que Julianne Gunnarsen a matou?

 

 

E terei sido só eu que achei demasiada coincidência a Alice ter uma suposta irmã de nome Laura? Não será Laura, Laurie? 

Aguarda-se a próxima temporada!

TAG Irmandade dos(as) Blogueiros(as)

 

Fui nomeada pela Cynthia, do blog BITAITES DA CY para responder à TAG Irmandade das Blogueiras. 

As regras são muito simples: basta responder às 10 perguntas deixadas pela Cynthia no blog dela, criar 10 perguntas e nomear 10 bloggers para responder às 10 perguntas que vou deixar.

 

Então, aqui vai:

 

1. Livro ou filme?
 
Esta pergunta é difícil, porque tanto me apetece ver um bom filme, e nem tocar nos livros, como me apetece pegar num bom livro, e não querer saber de televisão. Mas, talvez, livro!
 
 
2. Cabelo curto ou comprido?
 
Definitivamente, comprido! Só cortei mais curto uma vez, na minha adolescência, paralogo a seguir me dizerem que ficava melhor comprido. Nunca mais cortei daquela maneira!
 
 
3. Aborto: a favor ou contra?
 
A favor, sem dúvida! Até porque já fiz eu própria um.
 
 
4. McDonald's ou Burger King?
 
McDonald's! Podem vir cá dizer que Burguer King ou Burguer Ranch são melhores, mas não me convencem :)
 
 
5. Praticas desporto? Se sim, qual?
 
Desporto?! Credo, isso não é para mim! Faço caminhadas todos os dias, subo e desço escadas, e já chega!
 
 
6. Carne branca ou vermelha?
 
As duas. Mas talvez acabe por comer mais carne branca.
 
 
7. Chá ou café?
 
Chá. Café só quando me obrigam a beber, para ver se passa a dor de cabeça, ou sobe a tensão.
 
 
8. O que te deixa desconfortável?
 
Maus tratos, violência. Ter que ser politicamente correcta e não poder, muitas vezes, dizer o que penso ou responder como gostaria. 
 
 
9. Canal onde tens sempre a TV ligada?
 
Não vejo muita televisão, e o que vejo, é um programa de um canal, outro de outro canal. Mas acho que, por norma, é a SIC.
 
 
10. O que não falta na tua cozinha?
Comida! Uma vez foi um familiar do meu marido lá a casa, e achou graça porque em cima da mesa tenho umas caixas com pacotes de bolachas, barrinhas de cereais e coisas do género, que é só pegar e comer! A juntar a isso, pão de forma e muita fruta. Quase que nem conseguimos comer os três à mesa, com tanta coisa que lá temos em cima!
 
 
 
E agora, deixo aqui as minhas 10 questões:
 
1 - Férias: fora ou dentro de Portugal?
2 - Romance: cavalheirismo ou direitos iguais?
3 - Vida a dois: casar na igreja, no registo civil, ou juntar os trapinhos?
4 - Festas: família e amigos ou, quanto mais gente melhor, mesmo desconhecidos?
5 - Natação: mar ou piscina?
6 - Doces: pastéis de nata ou bolas de berlim?
7 - Relações: uma verdade que magoa, ou uma mentira piedosa?
8 - Cenário de sonho: uma cabana na serra, com muita neve lá fora e lareira para aquecer, ou casa na praia, em pleno clima tropical? 
9 - Animais: gatos, cães ou outras espécies?
10 - Tempo: um minuto na vida, ou a vida num minuto? (em sentido figurado, claro)
 
 
E aqui ficam as minhas nomeações, pela metade:
 
 
Quem quiser participar e responder à Tag, sinta-se à vontade!
 
Obrigada pelo desafio, Cynthia!
 

Digam-me que não estamos assim tão mal de cultura!

Muitas vezes me diz, a minha filha, para eu e o meu marido nos inscrevermos neste programa.

Respondo-lhe sempre que não. Porque não basta ir. Por muito que eu goste de brincar, e até saiba umas coisitas, e por muito que gostasse de ganhar aqueles prémios, é preciso muito mais para concorrer.

E entre ir até lá fingir que sei muito quando, na verdade, não sei, ou ter que andar a estudar à pressão nem se sabe bem o quê, para não fazer má figura, correndo o risco de a fazer na mesma, prefiro ficar em casa.

 

Mas há perguntas que são tão básicas, do senso comum, que fazem parte da nossa vida e da nossa cultura, que fico parva com as respostas que por ali surgem a alguns concorrentes.

Eu sei que lá é tudo muito diferente. Há nervos, não se tem noção se a Cristina estará a ajudar, ou a confundir, e parece que todas as nossas certezas se desvanecem, e começamos a duvidar de tudo. 

Ainda assim, digam-me que os portugueses não estão assim tão mal de cultura, e que estes concorrentes são uma minoria, um "erro de casting"!

 

Sem Título1.jpg

A esta pergunta, o parceiro estava hesitante entre quarto crescente e quarto minguante mas, não querendo arriscar, trocou com a companheira, que também não sabia a resposta!

Nós damos isto na escola. As luas estão presentes em agendas, calendários, notícias na internet. Como é possível haver quem não saiba o ciclo da lua?

Sem saber a resposta certa, ela arriscou a Lua Nova, porque diz ter a ideia de que esta vinha logo a seguir à lua cheia, e então, depois, os quartos. 

Foram a andar para casa!

 

 

Sem Título2.jpg

Outro dia, outros concorrentes, e nova pergunta básica!

Isto também vem nas agendas e calendários. E também se dá na escola!

O concorrente não sabia. Mas os seus palpites estavam muito frios. Trocou com o colega que, de imediato, respondeu "5 de outubro". E eu só levava as mãos à cabeça.

A Cristina, para o ajudar, falou da Implantação, para ver se se fazia luz. Deve ter resultado, porque ele lá se decidiu pela resposta certa.

 

 

Sem Título3.jpg

No entanto, logo a seguir, espalharam-se de vez!

Esta pergunta é, das 3, a que menos fácil era, porque estamos a falar de algo específico - símbolos químicos, muitas vezes parecidos e confundíveis. Ainda assim, esta era fácil. Já perdi a conta às vezes que este símbolo me apareceu em palavras cruzadas.

O concorrente, com toda aquela conversa da Cristina, conseguiu passar por todas as respostas, menos pela que estava certa: começou por escolher o ouro, cujo símbolo é Au (este eu sabia), passou para o azoto e, no fim, bloqueou selénio. Era sódio!

Foram para casa à terceira pergunta.

 

As vantagens de estudar com a minha filha

Sem Título.jpg

Não, não vou dizer que ela aprende melhor, que tem melhores notas, e que o estudo conjunto se reflete numa melhor avaliação.

Mas, por vezes, ter olhado para a matéria que ela anda a dar nas aulas, ajuda a responder acertadamente a algumas perguntas a que, de outra forma, eu nunca saberia:

 

Qual é a capital do Lesoto?

 

Antananarivo

Dodoma

Maseru

Paramaribo

 

Ora, uma das coisas que a minha filha mais teve que fazer, a geografia, foi identificar países e capitais em mapas. Sabia que esta tinha sido uma delas, e apenas as duas últimas me diziam algo. A minha filha inclinava-se mais para Paramaribo. Eu, disse-lhe que ia mais para Maseru.

Se estivesse lá a jogar, tinha acertado!