Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Herpes Ocular? O que é isso?

IMG_1404.JPG

Quinta-feira acordei com uma borbulha pequena no interior da pálpebra. Na sexta, essa borbulha desapareceu, mas apareceram outras no exterior. Para além do prurido e dor, tinha a pálpebra inchada, o olho lacrimejante, sensibilidade à luz e ligeira diminuição da visão.

Esperei para ver se ontem estaria melhor, mas não. Pensei em ir apenas à farmácia, para ver se me recomendavam alguma coisa, mas o mais certo era mandarem-me ir ao médico, por isso, lá resolvi ir a uma consulta de urgência. Embora tenha comentado, por brincadeira, com o meu marido que isto mais parecia herpes no olho, estávamos convencidos que seria uma conjuntivite.

Mas não! Assim que a médica viu, disse logo - isso é Herpes Ocular!

Nunca tinha ouvido falar em tal coisa. Costumo ter herpes labial, mas já há muito tempo que não aparecia. Agora herpes ocular não conhecia.

No entanto, parece que não é assim tão rara como se possa imaginar. E é provocada pelo mesmo vírus do herpes labial - o herpes simples ou HSV, com o qual podemos entrar em contacto logo na infância, podendo surgir quando a imunidade da pessoa está baixa, devido a stress intenso, traumas ou outras doenças, queimaduras do sol ou períodos pós-cirúrgicos, uma virose ou um medicamento utilizado.

A diferença é que é mais difícil de diagnosticar, ou pode ser mal diagnosticado e tratado de forma errada, o que pode provocar graves riscos à visão de seu portador. 

O herpes ocular pode aparecer qualquer camada dos olhos, mas as manifestações mais comuns incluem blefarite (inflamação das pálpebras), conjuntivite folicular e ceratite (inflamação da córnea). 

O vírus do herpes entra no nosso organismo através da mucosa oral ou nasal e aloja-se nos nervos. Caso o nervo afetado emita ligações nervosas com o olho, ele poderá ser afetado. Normalmente afecta apenas um dos olhos.

Os sintomas mais frequentes são:

  • olho vermelho
  • fotofobia
  • irritação ocular
  • sensação de corpo estranho e lacrimejamento excessivo
  • diminuição da visão (de forma leve ou mais marcada)

e podem surgir:

na pálpebra - vesículas nas pálpebras, com inchaço e vermelhidão;

na córnea - é o principal local de ação do herpes e pode causar uma importante diminuição da visão;

na íris - é uma das causas da uveíte (inflamação da íris e do trato uveal);
na retina - é muito rara, e só ocorre em paciente com grave imunodeficiência.
 

O tratamento imediato, com medicamentos antivirais específicos ou antibióticos, interrompe a multiplicação dos vírus em questão. O tipo de tratamento a ser feito vai depender de qual parte do olho foi afetada.

O antiviral mais usado é o aciclovir (zovirax®), na forma de pomada ou comprimidos.Quando a infecção é só nas pálpebras, pode se optar por não fazer nada ou começar antiviral pomada para proteger o olho.
Foi o meu caso. A médica receitou-me a pomada, para aplicar 4 vezes ao dia, e aconselhou-me a não deixar as coisas se resolverem por si, porque poderia agravar.
 
Já existem algumas vacinas para o herpes, mas com um custo muito alto.
Quanto aos cuidados para evitar contágio, são os mesmos de sempre - não compartilhar toalhas com a restante família, lavar bem as mãos depois de tocar no olho e antes de tocar em mais alguém, e evitar que me toquem. 
De resto, não apanhar sol, nem calor. E nada de lentes de contacto :(
 

Descolamento do vítreo

Fui no sábado à consulta de oftalmologia e o médico informou-me que eu tive um descolamento do vítreo. O Vítreo é uma espécie de "gelatina transparente" que preenche a parte interna do nosso olho e é formado basicamente de água. O vítreo está colado à retina mas, por diversos factores (envelhecimento, miopia, movimento brusco, trauma, etc.), pode descolar e passamos a ver esses pontos pretos a que chamam "moscas volantes".

O descolamento do vítreo, por si só, não representa qualquer risco para a saúde, não tem tratamento nem cura. No entanto pode, em algumas ocasiões, ao descolar, causar buracos ou rasgaduras na retina, e levar então ao descolamento desta, esse sim mais grave.

No meu caso, o médico diz que, pelo que viu, acha que o vítreo já descolou por completo sem causar qualquer lesão na retina mas, por prevenção, não posso praticar desporto, fazer movimentos bruscos com a cabeça nem viagens longas por causa da trepidação.

Receitou-me umas vitaminas para atenuar o efeito das "moscas" e quer repetir o exame daqui a um mês. Informou-me ainda que pode ocorrer, mais cedo ou mais tarde, ao outro olho. E que se, entretanto, os sintomas se agravarem, para ir à urgência ou a uma consulta com um colega dele (ele só volta em janeiro).

Esperemos que não seja preciso. Para fazer o exame tive que dilatar a vista - primeiro pôs umas gotas, depois tive que esperar uns 15 minutos de olhos fechados e em seguida o dito exame. O raio do homem parecia que me estava a enfiar uma esponja dentro do olho, houve uma altura em que o olho já chorava por todo o lado com a intensidade das luzes, de tanto virar para cima e para baixo, para a esquerda e para a direita (e primeiro que eu encarrilasse com as esquerdas e direitas), e aquela coisa saiu. Teve que voltar a pôr para acabar o exame.

O que vale é que a dilatação foi só num olho. Mesmo assim, só hoje é que voltou ao normal. Até ontem, a visão andava meio esquisita e ver ao perto nem pensar.

Mas só de saber que não é grave e que os meus piores receios não se vão concretizar, já me dou por feliz!

Primeiro, surpreendida. Depois, receosa...

Na noite de segunda-feira, deitei-me normalmente. Ao pestanejar, comecei a ver luzinhas brancas a andar em círculo, tipo flash. Isto acontecia e passava em menos de 2 segundos, por várias vezes. Nunca me tinha acontecido, achei estranho e até comentei com a minha filha e com o meu marido. Fiquei surpreendida, mas não liguei.

Na terça-feira, ao final do dia, ainda no trabalho, voltou a repetir-se, mas passou. Não voltou a acontecer. Mas o olho não está na sua melhor forma, parece que estou a ver de uma forma esquisita e em vez das "luzinhas", vejo agora uns pontinhos pretos a pairar.

Foi aí que se fez luz, e os receios chegaram. Há uns anos atrás, a minha mãe teve um descolamento da retina. Começou por ver luzinhas a piscar e, em seguida, deixou de ver. Teve que ser operada e estar bastante tempo em casa a recuperar, sem fazer qualquer esforço para não estragar o trabalho dos médicos.

Fui pesquisar e os meus sintomas parecem indicar nesse sentido. Ainda não deixei de ver, mas talvez esteja ainda no início. O meu único problema neste olho, que eu tenha conhecimento, é a miopia. Por acaso, o descolamento costuma dar-se em pessoas míopes (embora a minha graduação não seja alta).

Mas não há nada como ouvir a opinião de um especialista e é por isso que amanhã, tenho consulta de oftalmologia. Pode até não ser nada de importante, estar completamente enganada e preocupada sem motivo, mas prefiro prevenir do que remediar.

E espero bem que não seja nada do que estou a pensar, porque más notícias dessas iam-me já estragar o aniversário, o natal e a passagem de ano. E não me estou a ver num hospital para uma cirurgia, nem em casa sem poder fazer nada nem ajudar a minha filha na escola, nem em consultas regulares em hospitais, nem de baixa a receber uma miséria com contas por pagar e uma filha para sustentar.

Vamos ver o que diz o médico amanhã. Que nervos...

 

  • Blogs Portugal

  • BP