Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O facto de se gostar de dramas faz de alguém uma pessoa dramática?

Resultado de imagem para drama

 

Quem me conhece, sabe que, de uma forma geral, não gosto de filmes de comédia.

Que não acho piada à maior parte dos humoristas, e àquilo que debitam com intenção de nos fazer rir. Mais depressa o faço com o Mr. Bean, por exemplo, que nem precisa de abrir a boca.

E que, raramente, me rio dos vídeos de parvoíces que circulam por aí, pelo youtube ou facebook, que a maioria gosta, e lhes acha graça.

Não tenho um sentido de humor igual ao das outras pessoas, lamento. 

Mas isso não quer dizer que não me ria, que não ache graça a certas coisas, situações, cenas com as quais me vou deparando. 

 

Por outro lado, estou quase sempre pronta para um bom filme ou história dramática, e é-me muito mais fácil e, diria até, inspirador, escrever sobre drama, sobre tristeza.

As emoções chegam de forma mais natural, e a escrita flui muito melhor, do que se tiver que exprimir algo oposto.

 

Sou assim. Posso ser diferente da maioria, mas não estou cá para agradar os outros. Estou cá para ter a minha própria opinião.

No outro dia, dizia-me o meu marido que eu era uma pessoa dramática, que só gosto de coisas tristes, de lágrimas, de sofrer, e nunca acho piada a nada, como se não quisesse viver alegre ou animada.  

 

Então, o facto de se gostar mais de dramas faz de alguém uma pessoa dramática?

Eu até me considero uma pessoa bastante divertida e animada, quando assim se proporciona. Sou pessoa para me rir de muitas parvoíces, de cenas espontâneas que assisto, até de mim própria!

Não sou pessoa de andar por aí a lamentar-me, a chorar pelos cantos, a vitimizar-me pela vida que me calhou.

Pelo contrário, até sou um pouco "palhaça". E, não raras vezes, acabamos a noite, eu e a minha filha, a rirmo-nos à gargalhada, por alguma coisa que disse ou fiz. 

 

Mas, se há coisa que me irrita, é que me tentem impingir, à força, algo a que não acho graça. Pior, que queiram que eu seja da mesma opinião que essas pessoas que gostam muito e acham piada, e que fiquem aborrecidos por eu não pensar da mesma forma.

 

 

O bloco de apontamentos das parvoíces

Imagem relacionada

 

Lá por casa, costumamos ter uns blocos de apontamentos na cozinha.

Por norma, servem para fazer as listas de compras ou anotar alguma informação que seja necessária.

 

Mas ultimamente, damo-lhes também outros usos.

Ou serve para fazermos desenhos de como as gatas estavam a dormir connosco, ou para apontar aquela letra que inventámos para uma música, ou para não nos esquecermos que alguma frase ou piada sem graça que nos saiu no momento.

Vamos pondo lá tudo.

 

No outro dia, peguei num dos blocos, e estive a ver o que por lá estava.

Achei engraçado ver a quantidadede parvoíces que para lá vai.

Um dia mais tarde, sempre que pegarmos neles, vamo-nos lembrar desses momentos.

 

Porque nem só de imagens são feitas as recordações, ficará sempre, para a posteridade, os nossos blocos de apontamentos das parvoíces!

 

Parvoíces matinais - a palhaça

Resultado de imagem para palhaça desenho

 

- Oh mãe, vê lá se consegues fazer isto? - diz a minha filha, a querer que eu imite a coreografia dela.

Faço tudo atabalhoado, e ela ri-se da minha figura!

 

- Oh mãe, faz lá assim. - volta a dizer, explicando os passos.

Não me sai nada de jeito, e troco tudo. Mais risos.

 

 

(mais tarde)

 

- Oh mãe, faz lá uma cara de convencida.

- Como é que faço isso?

- Assim, olha para mim.

- Esquece, eu só sei fazer cara de palhaça!

- Pois, já percebi!

 

 

Sobre o filme Big Hero 6

 

 

Estivemos mesmo para ir vê-lo ao cinema mas acabámos por não ir. Ontem, passou na TV e, apesar de não o apanhar do início, sentei-me a vê-lo. O meu marido também se juntou uns minutos depois.

Pois muito bem, o filme é engraçado, o Baymax (robot) é muito cómico e fartei-me de rir com ele. Há também umas cenas mais tristes, como aquela em que o irmão do Hiro morre, ou a que o Baymax fica para trás e se despede do Hiro, para o salvar.

Mas daí a "roubar" o óscar de melhor filme de animação ao meu "Como Treinares o Teu Dragão 2" vai uma grande distância! Fiquei danada quando o filme ganhou o óscar mas, sem tê-lo visto, não podia falar muito. Agora que já o vi, a minha opinião mantém-se.

Não achei o filme assim tão espectacular e emocionante, nem com uma grande história, que justificasse ter vencido.

Ainda assim, gostei de ver e foi um serão bem passado! Pelo menos, ao contrário do Desdentado e do Hiccup, que me fizeram chorar sem parar, o Baymax e o Hiro fizeram-me rir!

Também gostava de ter um Baymax em casa!

O meu problema com a comédia...

 

É que ela, raramente, me faz rir!

Sou um "bicho" raro e diferente dos restantes humanos que conheço, mas ponham-me a ver um filme ou algo banal que pelo meio até tem umas cenas engraçadas, e sou capaz de rir com gosto.

Ponham-me filmes de comédias à frente, ou artistas de stand up comedy e afins, e é ver-me ouvir e olhar para eles e pensar "onde é que está a piada?".

E não pensem que sou uma pessoa deprimida e triste com a vida, porque já me tenho rido muito com as coisas mais estapafúrdias, e isso faz-me imensamente feliz. Mas não gosto de ter que rir porque é suposto, principalmente, quando tudo parece exagerado e forçado.

Tive mais um exemplo disso quando assisti, no fim de semana, ao Money Drop, com o Eduardo Madeira e o António Raminhos. Conseguiram um feito maior que os antecessores, ao me arrancarem um ou dois sorrisos. Mas, enquanto toda a plateia ria a bandeiras despregadas, ao não conseguia perceber porque é que cada palavra ou gesto deles conseguia ter esse efeito nas pessoas, porque a mim não me dava vontade de rir. Só os conseguia achar ainda mais tolinhos, quem sabe a representar um papel pré definido (mas não muito bem desempenhado), e imaginava alguém com uma placa virada para a plateia o tempo todo com a palavra de ordem "RIR"!

 

  • Blogs Portugal

  • BP