Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sugestões para o fim de semana

 

(clicar na imagem)

 

Apesar do tempo chuvoso, que não convida a sair à rua, a edição desta semana, da rubrica Fora de Casa, tenta trocar as voltas ao tempo e desafiar todos a aproveitar as mais diversas sugestões que preparou:

 

- A segunda edição do livro "Terror Na Maternidade", de Rosana Antonio, vai ter direito a uma sessão de lançamento que inclui o livro e uma peça de teatro relacionada com o tema, a não perder na Ericeira (esta segunda edição conta com o relato do meu parto)

 

- Em Lisboa, um espetáculo de homenagem a Raul Solnado

 

- Em Évora, a não perder, a exposição "Alice: Quanto Tempo Dura o Eterno"

 

Os festivais de cinema, literatura e teatro também não falham, bem como as canções de Leonard Cohen e Yann Tiersen.

Espreitem já!

Workshop de Escrita para adultos

 

"Qualquer pessoa pode ESCREVER um livro, mas poucas têm noção do quanto pode ser simples EDITAR um livro! Para quem tem esta curiosidade e vontade de colocar pra FORA o que muitas vezes fica desperdiçado lá DENTRO... dia 29 de Julho na Sala Multiuso da Meleca, vou mostrar passo a passo como é possível realizar um projeto sem ser refém de instituições pouco sérias!", por Rosana Antonio

 

Se gostam de escrever mas não sabem, muitas vezes, por onde começar, se gostavam de editar o vosso próprio livro, mas não fazem ideia dos passos que devem dar para que isso se torne real, ou se, simplesmente, gostariam de saber mais sobre o tema, estiverem de férias aqui por perto, e puderem aparecer, aproveitem esta oportunidade.

À Conversa com Rosana Antonio - 2ª parte

 

E aqui estamos de novo, a Rosana e eu, para a segunda parte da entrevista:

 

 

 

 

 

Marta: Até ao momento, são quatro as obras editadas pela Rosana: “Quem tem boca vai a Roma”, “Filhos da Mãe”, “Aposta” e, recentemente, “Terror na Maternidade”, baseadas em histórias reais. O que a levou a escrever cada um destes livros?
Rosana: Fiz cerca de 15 livros, porque trabalhando como ghostwriter, é mais rentável e sinceramente mais prazeroso. Além de muitos outros trabalhos apresentados em festivais e concursos, mas livros publicados por mim são estes 4. O que me leva a tratar assuntos do nosso quotidiano é que dessa forma eu consigo atingir leitores que leem pouco, ou que nunca leram um livro.

Tem leitor que me escreve dizendo que o primeiro livro que leram, foi um dos meus. Isso é muito prazeroso. O leitor consegue se identificar com as histórias porque a minha escrita na verdade, é uma conversa com o leitor.

 

Marta: Que feedback tem recebido relativamente a cada um deles? Houve algum que as pessoas tenham gostado mais de ler, ou com o qual se identifiquem mais?
Rosana: O primeiro livro já nasceu vendido. Antes de lançar o Quem tem boca vai a Roma, em 2007, eu soube de uma campanha de marketing do Banco Espírito Santo. “Novos residentes!” se chamava. O banco precisava captar clientes no ramo de envio de dinheiro para o exterior. Eu sabia muito do assunto, pois já tinha dirigido duas empresas da área. Então enviei um e-mail para o diretor do projeto e pedi que ele lesse o meu livro que ainda não estava pronto e me dissesse se tinha possibilidade de entrar na campanha deles, uma vez que eu tratava argumentos sobre imigrantes. Tivemos uma primeira reunião e ele levou o PDF pra casa. No dia seguinte me ligou e disse: “compramos 3.000 cópias do seu livro para inserir na campanha! Pode mandar imprimir.” Bem, este foi outro momento de ouro pra mim. E em Portugal! Como pode ver eu tenho muitos motivos para amar este país, se de um lado sofro discriminação e preconceitos por parte de pessoas ignorantes, as inteligentes valorizam o meu trabalho e apoiam. Desde então este, e todos os outros livros foram apresentados nas livrarias fnac, e mesmo sendo uma autora independente não fui proibida de entrar no mercado português. É claro que é muito mais difícil, mas isso já é tão comum. Nunca tive nada fácil.

 

Marta: Cada um destes livros apresenta-se num formato bilingue. Como lhe surgiu esta ideia tão original?

Rosana: As histórias foram ambientadas em Roma, mas eu já vivia em Lisboa na altura que escrevi o primeiro livro. Achei que seria muito importante tê-lo também em italiano. E considerando que atingiria públicos de duas línguas, seria uma mais-valia na venda do livro. Qualquer coisa do marketing também foi fonte de inspiração. Desde então, tomei gosto por fazer assim. O último fiz somente em português por tratar de casos somente em hospitais e maternidades portuguesas.

 

 

 

 

 

Marta: Para além da associação M.E.L.E.C.A., e da escrita, a Rosana dedica-se também à criação de peças e acessórios para a sua marca Donna Trappo. Foi algo que sempre desejou, ou este projeto nasceu de forma inesperada?

A Donna Trappo nasceu junto com a Letícia. Comecei pelas colchas de retalho para cama, tapetes, estofado. Mas não é somente mérito meu. É algo que adquiri da minha mãe, que fazia tudo isso quando eu era criança. Depois fui tomando gosto em experimentar os trapos em acessórios femininos e gostei muito mais.

O bracelete que é original, não existe em lado nenhum esta técnica. Procurei em todo lado antes de começar a fazer e como faço não existe, é a peça consagrada, a que mais vendo e a mais desejada pelas mulheres.

 

Marta: A Rosana desempenha ainda um outro papel, talvez o mais gratificante e desafiante de todos – o papel de mãe. Como tem sido, para si, ser mãe?

Rosana:

Considero a maternidade o melhor e maior projeto da minha vida!

Sou mãe galinha, sou chata e continuo igual com o Matteo. Meu bebê de 5 meses. Que já come desde os 4. A alimentação dele, como a nossa aqui em casa é baseada numa mistura mediterrânea, mas amamos também os pratos exóticos. Não faz sentido nenhum viver em tantos lados e não aproveitar o que têm de bom pra comer. O momento das refeições aqui em casa é um momento sagrado.

Tenho a minha maneira de ser e experimento nos meus filhos o que eu considero seguro e saudável. Não sou a favor de leites de origem animal, pra ser sincera não amamentei e nem fiz por isso. Os dois tomaram leite biológico nos primeiros meses.

A Letícia até um ano e meio, em seguida sempre preparei uma alimentação completa sem necessidade de lactoses. Com o Matteo é igual. Meus filhos comem coisas estranhas tipo talo de agrião, folhas de beterraba, flor de gourgete… Gosto de cores nos pratos, e todo o tipo de erva aromática… Não sou a favor de assassinar os vegetais tão lindos, coloridos e saborosos, numa sopa! Bem, isso é tema para um outro livro.

A educação deles e o inserimento na sociedade também é fundamental pra mim. A Leticia cresceu bilingue (italiano-português do Brasil) e na escola aqui desde que chegamos da Itália, ela aprendeu o português de Portugal. É das alunas mais aplicadas da sala. Tenho utilizado o mesmo programa linguístico com o Matteo e tem funcionado muito bem. Também vai crescer bilíngue e vai aprender o Português de Portugal na escola.

 

 

 

 

Marta: Ainda existem sonhos, desejos ou objetivos que a Rosana gostaria de concretizar num futuro próximo ou já tem, neste momento, tudo aquilo que sempre desejou?

Rosana: Eu já tenho tudo que eu preciso ou que tudo que mereço, mas como todo ser humano, desejamos sempre algo mais…

Quero acompanhar o crescimento dos meus filhos, mesmo que isso me custe muitas renúncias e esforço. Quero ser mãe a tempo inteiro sem arrependimentos e por isso tento aproveitar bem a vivência com eles.

É como fazer um upgrate! Eles me ensinam e me ajudam muito no trabalho.

O último livro escrevi junto com o Matteo, que ainda estava na pança. Quando você ler, e sabendo da sua capacidade crítica e sensibilidade, vai perceber melhor.

Quando eles crescerem quero voltar a viajar com o Fernando como fazíamos antes de tê-los. Concordo com o Quintanilha: “viajar é trocar a roupa da alma!”

Quero escrever até o último dia da minha vida! É lá onde eu escrevo que eu me sinto 100% eu! Sem proibições e sem interrupções.

E se não for pedir muito, ainda quero uma casa com terreno pra fazer um jardim e uma horta. Adoro plantar e mesmo vivendo num apartamento, tenho plantas que me acompanham há anos. Tenho as ervas aromáticas que mais gosto e falo sim com as plantas. Admito! Quero transmitir isso aos meus filhos, quero que eles tenham mais contato com a terra.

 

Rosana, muito obrigada pela sua disponibilidade e por este momento que proporcionou, não só a mim, como entrevistadora, como a todos os visitantes do blog!

 

Eu é que agradeço!

 

Para saber mais sobre Rosana Antonio, deixo-vos aqui os vários links:

 

Rosana

http://www.rosanaantonio.com

rosanaantonioescritora@facebook.com

 

Donna Trappo

http://www.donnatrappo.com

https://www.facebook.com/donnatrappo/

 

Associação M.E.L.E.C.A.

http://www.ameleca.com/

https://www.facebook.com/assmeleca/

 

Imagens: https://www.facebook.com/donnatrappo/http://www.rosanaantonio.com

À Conversa com Rosana Antonio - 1ª parte

 

 

Hoje tenho comigo uma convidada que já vos dei a conhecer através dos seus diversos livros, cujas críticas aos mesmos têm vindo a ser publicadas aqui no blog.

Mas nada como conhecer a própria autora!

A Rosana Antonio aceitou o meu convite, e proporciou uma conversa bastante intimista, em que abriu o seu coração e falou sobre os seus livros, os países por onde passou, a sua experiência como mãe e até como, depois de ter trabalhado e vivido em lugares tão distintos, acabou por escolher o nosso país para se fixar definitivamente.

Foi uma das entrevistas que mais prazer me deu fazer, e que partilho agora convosco. Espero que gostem tanto de lê-la, como eu!

Como aqui a menina Marta não se coibiu de fazer imensas perguntas, achei melhor dividir a entrevista em duas partes. Aqui fica a primeira:

 

 

 

 

Marta: A Rosana nasceu no Brasil, mas já viveu em vários países como Itália, Inglaterra ou Suíça. O que de melhor guarda de cada um deles?

Rosana: Exatamente isso! O melhor de cada um deles!

Do Brasil, o fato de ser feliz sem motivos! Quando nascemos em meio a tantos problemas e dificuldades, temos poucas desculpas para não ser feliz! Esta é a ideia que eu tenho do Brasil. Embora não concorde com quase nada do que acontece no país, sou eternamente grata ao universo por ter-me feito nascer lá.

 

A Itália é a minha casa. Aprendi tudo que precisava pra viver bem lá. Senti cada vibração! Provavelmente deixada pelos meus antepassados. A minha bisavó era italiana, casou-se com um francês e foram viver pra o Brasil. Lá esqueceram tudo, deixaram tudo pra trás  e começaram de novo. Na Itália senti uma reencarnação precoce, antes mesmo de morrer! 

Nossa alimentação diária é italiana, apesar de gostarmos de tudo, é a nossa base. Gosto da arte, da moda, da música. É o meu país por excelência, apesar de todos os problemas e ignorâncias incutidas na sociedade.

 

A Suíça nos deixa vulneráveis. Fiquei com a sensação que merecia mais e mais. Porque o país oferece muito. Me senti valorizada e merecedora de mais. Me tornei mais exigente.

 

E Portugal é a casa que escolhi pra viver. Inconscientemente, acredito sofrer da síndrome de estar vivendo num “Brasil tranquilo”. Gosto do jeito pacato dos portugueses e graça a esse jeito, aprendi a abrandar. A fazer uma coisa de cada vez e a compreender o verdadeiro significado da expressão “vai se andando”.

 

A Inglaterra é o país da liberdade. Não existe julgamentos nem restrições sobre quem você é ou quer ser! É o país das misturas. Pelo fato de não terem uma culinária atrativa, promovem a mistura de tudo que existe de bom no mundo. Foi lá que aprendi a fazer pratos indianos e onde me tornei dependente do chá inglês, que por sua vez, é produzido com ervas açorianas.

 

Costumo dizer que na vida é importante ser feliz como os brasileiros, artistas como os italianos, exigentes como os suíços, humanos como os portugueses e ousados como os ingleses. Esta é a minha definição dos países que representam muito pra mim.

 

 

 

 

 

Marta: O que a levou a querer conhecer o mundo?

Rosana: Eu tinha a certeza de que tinha muito pra viver, pra degustar. Cada vez que chego num país é como se eu tivesse de começar tudo de novo. Eu encaro como se eu pudesse escolher maneiras diferentes de viver e acabo utilizando isso para fazer certo, o que algumas vezes fiz de errado em outro lado.

 

Marta: É difícil chegar num país distante e diferente, e começar do zero?

Rosana: Quando se respeita um país sim, é difícil! É voltar a primária e ter de ser alfabetizado novamente, e digo isso em muitos âmbitos. No linguístico, no cultural, no emotivo, no civil… é como todas as fases da vida, é necessário observar para extrair o bom e o mal de um início.

 

Marta: Em Itália, a Rosana formou-se em Ciências da Comunicação. Considera que a comunicação é algo essencial, e uma ferramenta que lhe foi útil nos diversos trabalhos que desempenhou?

Rosana: Sou muito determinada! Muitas vezes pensei nisso. Se teria conseguido o que consegui sem ter estudado Comunicação Social. Sem ter provado os jornais, a Tv e o rádio, a minha grande paixão. Sou até capaz de me responder: sim, eu teria conseguido sem ela, mas não era a mesma coisa. Foi muito importante. A faculdade e o mestrado em Comunicação Social, a seguir a todas as experiências profissionais que tive, são fundamentais para a evolução do meu trabalho.

 

 

 

 

Marta: E o Marketing, como surgiu na sua vida?

Rosana: Eu adoro Marketing! Juntar a comunicação com o meu estilo persuasivo me trouxe muita segurança em tudo que faço, me refiro ao profissional e ao pessoal.

Quando emigrei para Inglaterra, e já era o terceiro país onde vivia… tive de “começar na primária” no âmbito linguístico, mas já estava mais preparada, então resolvi procurar empresas brasileiras e italianas para trabalhar. Escrevi uma carta para o diretor duma empresa de envio de dinheiro para o exterior. Ele me chamou pra entrevista. Me deu o trabalho! Eu era caixa como muitos outros. Passavam por mim cerca de 60 mil libras por dia… eu nem sei como nem o porque, mas tenho alergia a dinheiro. E mesmo gostando de trabalhar numa empresa alegre e com muito movimento de gente de todo lado, não estava suportando estar no caixa. Tinha as mãos empoladas da alergia. Então disse ao diretor, ao fim de um mês, que eu queria ir para o marketing. Ele me disse que tinha uma responsável do departamento que não fazia bem o trabalho. O departamento era composto por uma equipe de 6 pessoas. Um filipino, dois russos, uma espanhola e dois brasileiros. Ele foi claro: “Você vai para o departamento de marketing. Tem um mês para mostrar que sabe fazer o trabalho. Se o fizer bem, dou a supervisão pra você. Vai ser a diretora de marketing responsável pelo material de todo o grupo. Se não, te mando embora!” Eu aceitei imediatamente. Durante um mês eu levei material para casa pra estudar a noite. Eu tinha seis promotores de marketing na minha responsabilidade, incluindo a atual responsável que passou a ser promotora desde a minha chegada. Ela também era russa.

Não só consegui mudar o departamento de marketing pra melhor, como fui diretora do grupo por quase dois anos. Meses depois a equipe já gostava e muito da minha gestão. A ex-responsável veio ter comigo em Portugal em 2005, quando a empresa me mandou pra cá para abrir filiais do grupo. Veio aprender comigo e foi muito bonito ouvir dela própria pedidos de desculpas por sabotagens forjadas pela equipe, com o seu consentimento, contra o meu trabalho no início da minha gestão.

 

Marta: Mais recentemente, a Rosana e a sua família passaram a residir em Portugal, mais precisamente, na Ericeira. O que vos levou a escolher o nosso país, e esta vila piscatória em particular, para se fixarem?

Rosana: Como eu disse acima, vim abrir filiais duma empresa em Portugal em 2005, mas conheço Portugal desde 1998 quando, já vivia em Roma e vim como turista. Visitei Ericeira porque tinha uma amiga que tinha vindo também do Brasil há pouco tempo. Me apaixonei pela vila. Sabia que não podia viver aqui porque não tinha recursos, eu tinha de trabalhar e tinha ainda tanto para conhecer e explorar. Mesmo assim, eu disse ao vento ventoso da vila: um dia eu venho viver aqui. Os anos passaram e o mesmo vento tratou de ir me buscar. Vivi em Lisboa de 2005 a 2010. Voltei a viver na Itália, onde já tinha vivido quase 10 anos, e somente em 2013 vim pra Ericeira.

Aqui prometi a mim mesma que não trabalho mais pra ninguém. Sou “dona do meu nariz” e apesar de ter muito trabalho na escrita e em tudo que faço, a minha prioridade são os meus filhos! Se hoje alguém perguntar: “Qual é a sua profissão?” Sou capaz de responder na cara dura: Mãe! Sou mãe a tempo inteiro!

 

Marta: Como, e quando, é que a escrita entrou na sua vida?

Rosana: Muito cedo! Eu sempre gostei de escrever redação/composição, desde a escola primária. Participava sempre das festas importantes. Quase sempre eu era a oradora da turma. Aos 13 anos comecei a participar dos festivais. Consegui uns tantos troféus em áreas literárias, onde participava com contos, crônicas e poesia. Mas o prêmio mais significativo foi uma coleção de livros do Eça de Queirós e um ordenado mínimo que aos 14 anos me deu muita motivação pra continuar a escrever.

 

 

 

 

Marta: Um dos seus livros, “Filhos da Mãe”, fala das relações entre o povo brasileiro e o português, de uma certa disputa entre ambos, e de uma imagem estereotipada que cada um tem sobre o outro. Sendo a Rosana e o seu marido brasileiros, de que forma foram acolhidos no nosso país? Sente que ainda há algum preconceito e dificuldades a nível de aceitação e integração?

Rosana: Somos vítimas de discriminação e xenofobia até hoje. Mas é claro que vivendo num sítio pequeno, estamos muito expostos e isso ajuda a aliviar o preconceito. Costumamos dizer que a forma mais sutil de nos tratarem é quando dizem: “Vocês são diferentes, nem parecem brasileiros!”

 

 

Não percam amanhã a segunda parte desta entrevista!

 

 

Imagens: assmeleca.wordpress.commyspace.comrosanaantonio.wordpress.com

 

Para saberem mais sobre a Rosana:

 

Rosana

http://www.rosanaantonio.com

rosanaantonioescritora@facebook.com

 

Donna Trappo

http://www.donnatrappo.com

https://www.facebook.com/donnatrappo/

 

Associação M.E.L.E.C.A.

http://www.ameleca.com/

https://www.facebook.com/assmeleca/

 

 

Quem tem boca vai a Roma, de Rosana Antonio

doc20160627162505_001.jpg

 

"Quem tem boca vai a Roma", costuma-se dizer. Que é como quem diz, quem quer uma determinada coisa, deve ir à luta para consegui-la, e não ficar à espera que ela aconteça por obra do destino.

No caso deste livro, este ditado pode quase ser aplicado à letra, já que todas as histórias falam de alguém que, num determinado momento da sua vida, quiseram deixar os seus países de origem, rumo a Itália, e acabaram por ir para a Roma!

Os motivos que levaram nove personagens diferentes até esta cidade, são os mais variados, mas todos têm um ponto comum: mudar de vida.

Algumas histórias acabam bem. Outras, nem por isso.

Em algumas, Roma acaba por ser apenas um ponto de passagem durante alguns anos, findos os quais o regresso à terra natal, ou a partida para outro destino, se torna inevitável.  

Ao longo deste livro, o leitor ficará a conhecer um pouco das histórias de Raquel, uma brasileira do interior de Minas; Catarina e Manuel, ela oriunda da Guiné Bissau e ele de Portugal; Natali, venezuelana, e Olivier, da Eslováquia; Alice, uma jovem brasileira do Paraná; Sofia; Denise; Ruth, uma colombiana; Edna, de Lençóis; e Rosana, a autora do livro.

E, independentemente do desfecho de cada história, e do possível arrependimento pela decisão tomada, nenhuma destas pessoas seria a mesma, e saberia o que o destino lhes havia guardado, se não tivessem tentado.

Afinal, quem não arrisca e se mantém na sua zona de conforto pode estar mais seguro, mas também nunca saberá o que haveria além daquilo que tem e vive.

 

doc20160627162440_001.jpg 

Também esta obra mantém a característica de ser bilingue, contendo as histórias contadas em italiano! 

  • Blogs Portugal

  • BP