Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Festival Eurovisão da Canção 2024: 1ª semifinal

Festival da Canção 2024: a 1.ª semifinal, da primeira fila aos bastidores |  Antena 1 - RTP

 
Numa verdadeira "Casa Portuguesa" ninguém falta ao encontro marcado com o Festival da Canção.
Até posso dizer que não mas, chegado o momento, inevitavelmente, "Volto a Ti".
Para ouvir as novas músicas, sempre com algumas reticências, pontos de exclamação e "Pontos Finais", naquelas que menos gosto, e que mandaria para "Bem Longe Daqui".
E, claro, para poder depois vir aqui comentar em modo "Afia a Língua", com muitas "Teorias da Conspiração", sobre como júri e público vão escolher as finalistas.
O que dispenso é o exagerado saudosismo, que me deixa a rebentar "Pelas Costuras", com tanta "Memory".
Dá vontade de dar um "Grito", para que deixem o passado para trás, e voltem ao presente.
Porque é claro como "Água" que é para o futuro, que é como quem diz, para a nossa representação na Suécia, que têm que olhar!
 
Destas primeiras dez músicas, as que mais me ficaram no ouvido foram, curiosamente, as que não passaram: Mela, Left e Bispo.
Não significa que sejam as melhores. Mas a "Água", da Mela é poderosa. A "Casa Portuguesa", do Bispo, é uma grande verdade (e eu nem gosto de hip hop). Já a "Volto a Ti", do Left, é daquelas músicas que poderiam passar ao lado, letra fraquinha, actuação fraquinha, música banal mas... o que destaca uma música das demais, é a forma como ela nos toca. O que nos faz sentir. E esta teve esse efeito.
Era quase certo que a Nena e a Rita Rocha, tal como a Iolanda, iriam passar. Aliás, o "Grito" da Iolanda é uma das apontadas à vitória. A mim, sinceramente, não me dizem muito.
Já o Noble, é mais do mesmo, e passou à final por escolha exclusiva do público.
No próximo sábado há mais.
 
 
 

Festival Eurovisão da Canção 2023: 2ª semifinal

FDC-2023-2SF-Final-Banner-810x443-1.jpg

 

Acho que depois desta segunda semifinal "The Wordl Needs Therapy" para superar o "Tormento" que foi ouvir este desfile de 10 canções.

Vá, sendo honesta, não foi, propriamente, "A Festa" que se queria, não vimos nenhum agitar de "Bandeiras", mas também não foi o "Fim do Mundo".

Houve uma ou duas músicas que salvaram a noite do total desastre e que, de certa forma, a tornaram uma "Goodnight".

Coube ao "Povo", a par com o júri, como uma verdadeira "Funâmbula", fazer "O Impossível", e escolher 6 canções, para estarem presentes na grande final.

Agora, é recuperar "Enquanto é Tempo", porque no próximo sábado é que vai ser a sério, e só uma vai ganhar.

Difícil, será escolhê-la...

 

Imagem: antena1.rtp.pt

 

 

 

 

Festival Eurovisão da Canção 2023: 1ª semifinal

MicrosoftTeams-image-4-860x507-1677371878.jpg

 

É caso para dizer que este evento chegou a uma "Encruzilhada".

Pela primeira vez, não consegui gostar de nenhuma música.

Nem uma só.

 

Se, para muitos autores, o convite para o festival se assemelha a algo como "Sonhos de Liberdade", para compôr, para apresentar algo diferente, acabam por não transmitir isso nas canções que apresentam.

 

À medida que o desfile ia avançando, só pensava: "Ai Coração"... Em que caixote do lixo, das músicas que não servem para nada, foram buscar estas preciosidades?

 

Uma April Ivy que não chegou a decolar do palco, mas antes a esfregar-se e rebolar nele, fazendo acreditar que o "Modo Voo", que apregoa, só mesmo estampado no casaco.

 

Tirando uma ou outra música, quase todas elas se podem classificar como um "Contraste Mudo".

Um "Endless World" de músicas sem graça, muito parecidas, quase a pôr-nos a dormir, em vez de "Viver" este festival com energia.

Não havia, de todo, "Too Much Sauce".  Pelo contrário.

 

Se tivesse que eleger uma, e foi a única que me ficou na cabeça, seria a da Cláudia Pascoal que, nesta primeira semifinal, para além de afirmar "Nasci Maria", mostrou que não tinha "Sapatos de Cimento".

 

Quanto aos apresentadores, podem ser bons, mas já estão ultrapassados.

O Malato, então, parecia que estava a tentar decifrar o teleponto. Como se tivesse o pensamento toldado.

Deem o lugar a quem tem mais energia e garra, mais humor.

 

E, a quem estiver a pensar concorrer no próximo ano, ou for convidado, pense duas vezes antes de apresentar uma canção.

De certeza que conseguem fazer melhor.

 

Posto isto, e porque quase me era indiferente quem passasse à final, nem vou opinar sobre as 7 escolhidas.

Aguardemos a segunda semifinal.

 

 

Imagem: https://media.rtp.pt/festivaldacancao/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Festival Eurovisão da Canção 2021: 1ª semifinal

image003-6.jpg

 

O "Mundo" do festival da canção é mesmo algo que nunca iremos compreender bem. Nem mesmo se lessemos em "Livros" ou em qualquer outro escrito a ele dedicado, o que leva os jurados a escolher uma canção que nos represente.

Ainda assim "Cheguei Aqui" à sala e mudei para a RTP, com "Saudade" daqueles tempos em que uma pessoa se sentava com os pais e, juntos, à nossa maneira, avaliávamos e escolhíamos, atribuindo pontos a cada uma, as nossas favoritas.

Aliás, eu acho que saudade é mesmo a palavra de ordem, já que a RTP, e os organizadores do festival, parecem viver "Na Mais Profunda Saudade" dos festivais de outrora, sempre a recordar as mesmas imagens, as mesmas músicas, os mesmos acontecimentos de antigas edições, ano após ano.

Mas, mais uma vez, ficou "Claro como Água" que os concorrentes se limitaram a dar mais do mesmo - músicas sem sal, sem alegria, monótonas, numa semifinal já de si, dadas as circunstâncias, enfadonha.

Não foi um "Dia Lindo", e a noite pouco melhorou.

Não sei se teimam em seguir o mesmo caminho de sempre, porque sabem que, independentemente do tema, não chegam longe, ou só mesmo porque gostam de andar em "Contramão".

A meio do desfile, como uma primavera a querer dar sinais da sua chegada, ainda no reinado do inverno, tivemos um "Girassol" que, infelizmente, depressa murchou.

O primeiro artista a subir ao palco afirmava "Love is on my side". O que é certo é que, mesmo que não esteja, pelo menos a sorte no jogo bateu-lhe à porta, e foi um dos apurados, a par com outras 4 canções.

 

Se são as minhas preferidas?

Nem todas.

A primeira, dos The Black Mamba, é engraçadita, fica no ouvido, será um bom hit comercial, e a voz do Tatanka é o que mais se destaca, pela positiva. Não sei se chega. 

Já a Valéria, com aquele vozeirão, foi outra das felizes contempladas. Não sei se seria a minha escolha, mas compreendo a decisão.

 

maxresdefault (1).jpg

Gostei da Mema. Por ser diferente. Mas ficou pelo caminho. Paciência.

A Nadine, tal como a Irma e a Sara Afonso, podiam ter ficado em casa. Aliás, a música que mais me faz confusão ter sido apurada é mesmo a da Sara Afonso.

 

maxresdefault (2).jpg

O Miguel conseguiu ali chegar por mérito próprio, escolhido entre mais de 700 submissões, mas morreu na praia. Ou no campo, com o seu girassol. Ele também afirma que não é muito dado a estas coisas de aparecer em público. Mas podiam ter-lhe dado uma hipótese.

 

 

maxresdefault (1).jpg

Os Karetus, com o Romeu, fizeram lembrar o Conan, com os seus telemóveis. Não sendo uma das que mais gostei, disse logo à minha filha "esta vai ser escolhida!" E foi!

 

maxresdefault (2).jpg

Posto isto, gostei da Fábia, e da Ian, que me pareceu uma imitaçao da Sia, em termos de visual, mas tinha uma música que poderia chegar longe.

 

ian-860x507-1613751400.png

Pois, não chegou. Talvez porque a moça venha da Rússia. Ou então, não quiseram arriscar que a Ian, numa próxima actuação, tivesse a criança em pleno palco.

 

Quem não tem problemas em exibir-se no palco é a Sónia Araújo que, mal chegou, ajeitou logo o seu vestido para ficar ali com a perna à mostra!

Este ano, as duplas habituais foram separadas, e calhou a ela ficar com o Jorge Gabriel. Confesso que não reparei muito na dinâmica entre os dois. 

Gostei de rever a Elisa. A Dora era desnecessária. Novamente o saudosismo dos organizadores...

Eu sei que o passado é a nossa história, e é importante. Mas chega a um momento em que é preciso olhar para o futuro, e deixar o passado onde ele pertence.

Aguardemos a próxima semifinal.

 

 

La Banda

Resultado de imagem para la banda

 

 

Sem saber bem o que ver na televisão, calhei mudar para a RTP e estava a dar o programa La Banda.

Já tinha lido várias opiniões e críticas negativas à forma de selecção dos candidatos, mas só no domingo percebi exactamente do que falavam.

 

 

A destacar, como positivo:

Não vi o primeiro programa mas, neste, até achei que o Manuel Moura dos Santos está mais simpático que o habitual. Sem tecer rasgados elogios como os companheiros, também não fez duras críticas que fazem os concorrentes temê-lo tanto.

 

De uma forma geral, estão a surgir por lá concorrentes com talento, garra, diversidade, que não têm medo de arriscar.

 

 

Pela negativa:

Como vem sendo hábito, continua a ser explorado o lado dramático dos concorrentes.

 

É certo que as primeiras impressões também contam, e o público é o alvo a que se destina a música e o trabalho da banda que sair vencedora, mas não considero justo que, só porque a aparência ou atitude não lhes agrada, sejam impedidos de mostrar aquilo que, afinal, foram lá pôr à prova.

 

Acredito que, para conquistar os 75% de votos necessários para chegar até aos jurados e mostrarem o que valem a cantar, a maioria daquelas entradas seja ensaiada, e a atitude programada, faltando naturalidade e autenticidade, mostrando-se alguém que, se calhar, até nem são, e uma confiança e à vontade que, talvez, não tenham.

 

 

Para terminar, uma pergunta parva, em jeito de sugestão:

Porque não escolhem também, para "a banda", não apenas as vozes, mas todos os restantes elementos que a podem compôr: baterista, guitarrista, e por aí fora?