Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A melhor música do Festival da Canção

Foto de RTP - Festival da Canção.

 

Para mim, é esta!

A única que tem tudo para chegar mais além. Presença em palco, estilo, bailarinos, música que fica logo no ouvido, inovadora porque é cantada em inglês.

E esteve quase para nem sequer chegar à final!

 

Depois do fiasco da primeira semifinal, estávamos todos na expectativa de ver a segunda semifinal, e o que ela nos traria. Foi melhor que a primeira, sem dúvida. 

Mas continuo sem compreender como é que, num programa em que falam tanto de inovação, continuam com os olhos postos no passado, a valorizar o saudosismo, a teimar em levar lá fora uma música cantada em português, a bater na mesma tecla e no mesmo estilo de música, que já vimos que não nos leva a lado nenhum.

 

Como bem sabemos, por razões que em muito ultrapassam a qualidade das músicas, mensagens e voz dos intérpretes, Portugal nunca será, provavelmente, um vencedor do Festival Eurovisão da Canção. Por isso, porque não levar algo inovador e, sim, cantado em inglês, como já têm vindo a fazer muitos outros países participantes? 

 

 

Porque é que o júri insiste em fórmulas perdedoras?

Como é que o júri dá uns míseros 4 pontos a esta música, e 10 pontos à canção da Lena d'Água?

Por favor! É por estas e por outras que nunca chegaremos a lado nenhum.

 

Felizmente, o público teve bom senso, e conseguiu reverter o painel das classificações, colocando o tema composto por João Pedro Coimbra e interpretado pelo Pedro Gonçalves entre as 4 selecionadas para a final, a par com duas das minhas favoritas - a da Celina da Piedade, e a do Jorge Benvinda. 

Só a Lena d'Água está a ocupar um lugar que não merecia, de todo, por culpa do juri.

 

O que vale é que, na final, o público é o único a ter direito de voto. Por isso, vamos lá votar na música do Pedro "Don't Walk Away"!

 

 

De entre as restantes, destaco, embora não para um festival, a música do João Só, que é totalmente a cara dele! E ficou muito bonita na voz da Helena Kendall. 

 

 

Imagem RTP - Festival da Canção

 

 

A gala dos injustiçados

 

A gala de ontem do Got Talent Portugal juntou aqueles concorrentes que os jurados consideraram injustiçados nas galas anteriores, e a quem decidiram dar uma nova oportunidade de mostrar o que valiam, e poder alcançar um lugar na final.

Oito concorrentes repescados, que viram nesta oportunidade uma nova esperança mas que, para sete deles, resultou em mais uma injustiça.

Devo dizer que, de todos, o que o público escolheu era o que eu menos estava à espera de ver passar! Muito menos depois do que o Manuel Moura dos Santos comentou sobre a sua prestação. E, apesar de não gostar da maior parte dos comentários que este jurado costuma fazer, achei muito mal o apresentador querer "calá-lo" no momento em que ele desmascarava o truque do concorrente, e apontava as falhas da actuação.

Injustiça grande para o Hélio, para o Barofa e para o Johnathan - para mim os mais fortes candidatos ao lugar de finalista, embora tenha gostado mais das prestações do Hélio e do Johnathan em actuações anteriores, e o Barofa me tenha surpreendido ainda mais nesta gala.  

 

Estava tudo a correr tão bem...

 

...mas o Manuel Moura dos Santos tinha, mais uma vez, que abrir a boca e estragar tudo!

Na hora da decisão final, entre os candidatos mais votados - os bailarinos Pedro e Inês, e o cantor Jonathan - este senhor usou o pior e mais incoerente argumento para justificar a sua decisão de votar no par da dança "o meu critério é que o Got Talent é um programa de talentos, e cantar não é talento!".

 

Desculpe?

Cantar não é talento?

Concordo plenamente, como já disse várias vezes, que neste programa se procurem talentos que não se possam mostrar noutros concursos, mas isso tem que fazer parte das regras. Não fazendo, podendo lá ir qualquer um, não haver qualquer tipo de discriminação. 

Por outro lado, se cantar não é um talento, por que razão carregou no botão dourado quando a Micaela actuou?

Cantar bem e interpretar a letra da música é tão talentoso como dançar. E se existem outros programas para cantores, também o existem para bailarinos.

Mais valia ter votado, sem se alongar em justificações.

 

Quanto à gala e às actuações, gostei muito dos LTCTFG, mas os meus preferidos para a final eram a Luísa e o Jonathan. Parece-me que foi uma gala com mais talentos que a anterior, e tornou ainda mais difícil de escolher apenas dois concorrentes.

A Luísa acabou por ser votada pelo público. Já o Jonathan, ficou por aqui. Espero que a Sofia o possa ajudar e que ainda venha a ter um futuro brilhante.

Não achei justa a escolha do Pedro e Inês. Dança por dança, preferia os LTCTFG.

 

 

 

Quanto aos convidados especiais da noite, fiquei a conhecer o famoso single que juntou Carminho aos HMB. Até não desgosto da música, mas há ali qualquer coisa na voz da Carminho que não gostei muito, quando interpretou a parte dela. Prefiro a junção das duas vozes.

A música dos D.A.M.A. também não é má. Espero que os concertos deste ano sejam bem melhores que os do ano passado.

 

Imagens Got Talent Portugal

 

Vitória justa e mais que merecida!

 

Nem queria acreditar quando a Catarina abriu o envelope e mostrou o nome da Deolinda!

Depois de tanta polémica relacionada com as más escolhas dos mentores e votações do público, e quando já todos acreditávamos que o programa tinha sido planeado, desde o início, para a vitória do Pedro, por todos os motivos que já referi anteriormente, foi com uma enorme euforia e sentimento de que foi feita justiça, que celebrei a vitória da Deolinda.

Desde o  dia em que a ouvi na prova cega, que disse que ela era o grande trunfo do Mickael, e uma séria candidata à vitória. O seu percurso foi sempre recheado de grande actuações, que lhe valeram a presença na grande final.

Tenho pena que ela, de facto, assente as suas escolhas musicais sempre dentro do mesmo estilo mas, ao contrário do que aconteceu na passada semana quando cantou com o Mickael, desta vez gostei muito de a ouvir cantar em português, com o David Carreira e o Pedro.

Se tivesse que escolher a melhor actuação da Deolinda em todo o programa seria, sem dúvida, a primeira actuação dela de ontem, com "I Will Always Love You" da Whitney Houston. Até me atrevo a dizer que, se a Whitney ainda estivesse entre nós, teria que ter cuidado com a Deolinda! 

 

Quanto aos restantes concorrentes, e começando pela Sérgio que, para mim, deveria ter disputado a final com a Deolinda, esteve igualmente bem no seu registo lírico. Na sua primeira actuação, fiquei com aquela sensação que estava a assistir ao vivo a uma ópera.

Mas o que realmente gostei de ver foi o Sérgio sair do seu registo habitual e cantar num estilo totalmente diferente, da forma como o fez com o Rui Drumond, mostrando a sua versatilidade, e provando que tem uma vez espectacular.

O Pedro esteve, ontem, melhor que na gala passada. Gostei de o ouvir nas duas primeiras actuações. Não tem uma voz poderosa, mas consegue transmitir emoção enquanto canta. No entanto, quando passa das baladas para músicas mais ritmadas, em que também quer interagir com o público e dançar, as coisas não resultam tão bem. Não gostei muito de o ouvir cantar Goo Goo Dolls.

Pessoalmente, não tenho nada contra o Pedro, e ele não tem culpa de o público gostar e votar nele, e com isso o ter levado até à final. Assim como não tem culpa que o Anselmo, ao ver que o Pedro movia uma enorme legião de fãs, o tenha escolhido para ver se conseguia uma segunda vitória no The Voice Portugal. Mas gostei que tenha sido a Deolinda a levar a melhor, porque o merecia.

Quanto à Patrícia, esteve bem, mas talvez não consiga passar as emoções como os restantes, ou criar uma maior empatia com o público e, por isso, ficou em quarto lugar. Ao contrário do que disseram os mentores, fiquei com a sensação que a música Aleluya não a favorece muito. Gosto de a ouvir num tom mais grave e rouco.

Destaque ainda para as actuações de Ana Moura, David Carreira (eu nada semelhante ao irmão) e Rui Drumond, e para a belíssima música da Aurea, bem como o momento protagonizado por alguns concorrentes da equipa da Marisa no palco com os Amor Electro.

Pela negativa, destaco as várias gafes que os apresentadores cometeram.

Não sei se esta final foi melhor ou pior que a da edição anterior. A única que vi foi aquela em que ganhou o Denis Filipe, com o mentor Rui Reininho, e estava a torcer por ele. 

Desta vez, queria que fosse a Deolinda e, para grande surpresa minha, foi ela a vencedora! Parabéns Deolinda!

 

Imagens The Voice Portugal e The Voice Portugal | RTP

Ambição sim, mas humildade também se usa!

Imagem www.darcanal.pt

 

Estava tudo a correr tão bem com a actuação deste concorrente, e ele tinha que estragar tudo.

O Romeu pareceu-me um jovem muito simples, com um timbre muito bonito e com muitas hipóteses de singrar no mundo da música. E conseguiu virar as cadeiras da Marisa, da Áurea e do Anselmo. 

Mas, depois de ouvidos os elogios e na hora de escolher o mentor, "caiu-lhe a ficha", e desapontou todos com o seu método de escolha.

Como disse a Áurea, e muito bem, o que ele deveria pensar era com qual daqueles mentores ele teria mais possibilidades de aprender, e qual deles o poderia ajudar a vencer.

Que ele queira fazer da música profissão e sonhe em fazer a primeira parte dos concertos de músicos como os mentores, é legítimo. Ambição, se comedida, nunca fez mal a ninguém.

Agora dizer que escolheria aquele que o convidasse para fazer uma primeira parte, assim do nada, já é demais.

Ainda que fosse apenas uma brincadeira (que não me parece o caso), essa atitude caiu muito mal aos jurados, e penso que a muitos espectadores também.

Humildade também se usa, e pode muitas vezes levar mais longe que a ambição desmedida.

  • Blogs Portugal

  • BP