Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Os "fiscais" da comunidade

Vigiar e produzir - Época Negócios | Inteligência

 

Existem pessoas que vivem a sua vida.

E outras, que se dedicam a fiscalizar a vida dos outros.

 

Desde que chegou até nós a pandemia, são vários os "polícias comunitários" que estão atentos ao que os restantes fazem, ou deixam de fazer, que criticam, que afiam a língua, à falta de melhor entretenimento. 

Porque fulano saiu sem máscara, porque saiu à rua quando devia estar em casa, porque sicrano foi ao café.

E que querem, à força, interferir com a liberdade dos outros.

 

Ontem, vinha eu dos correios para o trabalho quando, em sentido inverso, se aproxima uma idosa, de máscara e, às tantas, diz ela:

 

"Estas senhoras é que fazem bem. Não é preciso cá máscaras nenhumas. Isto é só uma fantasia. Elas é que sabem."

 

Ao mesmo tempo em que dizia isto, que me pareceu a mim uma crítica, a mim e a quem mais vinha na rua sem máscara, tocava ela própria na máscara, com as mãos, chegando mesmo a baixá-la, talvez para que a ouvíssemos melhor.

 

Não liguei, nem respondi.

Não valia a pena explicar à senhora que não é obrigatório usar máscara na rua e que, mais importante que isso, é manter a distância.

 

Nem tão pouco dizer que, nem há dois minutos atrás, tinha estado quase meia hora, com a máscara colocada, nos correios, depois de outra meia hora, na Câmara Municipal, locais onde se deve usá-la, e que o que mais queria naquele momento, era respirar livremente onde, e quando podia.

 

E menos ainda que, em vez de estar a criticar, e baixar a máscara para falar, ou tocar nela onde não é suposto, devia ter seguido o seu caminho, com a máscara colocada, como ela aprecia, e evitar colocar-se a si, e aos outros, no perigo em que não quer que os outros a coloquem!

 

 

 

 

Fui fotografada pelo Google Maps!

Sem Título4.jpg

 

As coisas que a minha filha descobre!

No outro dia, andava a ver imagens no Google Maps e deparou-se com uma imagem minha, numa das minhas caminhadas casa-trabalho.

Sim, é verdade, fui apanhada pelo Google Maps!

 

É caso para pôr em prática aquele mandamento que diz "age sempre como se estivesses a ser observado"!

Agora imaginem o que não estarão todos os satélites que por aí andam, disfarçados, a fazer com as nossas vidas.

Até parece que vivemos num mundo que é, ele próprio, um BIG Big Brother.

 

Pelo sim, pelo não, o melhor é irem ver se também não foram apanhados pela câmara!

O dia em que quase fiquei fechada na rua!

Resultado de imagem para fechadura desenho

 

...e a minha filha trancada em casa!

 

Final do dia, saio do trabalho a pensar que não está a chover e, por isso, deixo o guarda-chuva por lá. Afinal, está uma chuva miudinha mas, convenço-me, não há-de ser nada.

Pelo caminho, a chuva aumenta de intensidade e começo a ficar toda molhada. Vou falando ao telemóvel com o meu irmão, até chegar à porta de casa. Ainda ao telemóvel, tiro a chave de casa da mala, e tento abrir a porta só com a mão disponível. Não consigo. Tento segurar o telemóvel no ombro, e dar um jeito com a outra mão. Não abre. A chave fica encalhada na porta, e já não roda, nem para a frente, nem para trás.

 

Bato à porta, porque a minha filha está em casa. Ela, bem ensinada a não abrir a porta a ninguém, liga para o meu telemóvel, a confirmar se sou eu. Peço ao meu irmão para esperar, enquanto atendo a chamada, e diz-me que tem a gata ao colo e não pode ir. Digo-lhe que tem que tirar a gata e ir lá, porque não consigo entrar. 

Enquanto espero, cerca de 2/3 minutos, até ela aparecer, continuo a conversa com o meu irmão. Entretanto, ela chega à porta, mas a chave do lado de dentro também não roda. Vou-lhe fazendo gestos do que deve fazer, mas nada. Não só não conseguimos abrir a porta, como ainda ficou trancada!

Acabo por pedir desculpa ao meu irmão, porque tenho mesmo que resolver o problema e desligar a chamada. Digo à minha filha para me ir abrir a outra porta, que dá para o corredor. O problema, é que essa porta nunca é usada, e a chave e fechadura estão perras, e ela não consegue abrir!

 

Numa última tentativa, digo à minha filha para voltar à porta inicial, e tirar a chave da porta, para ver se assim a minha, do lado de fora, já funciona. E pronto, finalmente a chave rodou, e destrancou a porta, podendo finalmente entrar em casa, totalmente molhada!

 

 

 

 

 

 

Achei uma nota de 5 euros

Resultado de imagem para nota de 5 euros

 

Eu, a carochinha de serviço, habituada a encontrar na rua moedas de 1 e 2 cêntimos, esporadicamente uma moedita de 10 ou 20 cêntimos, e uma única vez uma moeda de 50 cêntimos, mais habituada a perder notas sem saber bem como, do que a encontrá-las, achei uma nota de 5 euros!

 

Li no outro dia, que encontrar moedas na rua pode ser um sinal, uma forma de aqueles que já partiram comunicarem com quem cá está.

Curiosamente, encontrei a nota no dia 25, um ano após a morte da Tica. Coincidência?

Suponho que sim. Até porque era um nota, e não uma moeda!

Mas o que quer que signifique, a verdade é que deu jeito. 

Ler e caminhar ao mesmo tempo

 

Sim, pode dar mau resultado, se não estivermos atentos. 

Ir contra algo, ou alguém, ou desviar da berma para o meio da estrada sem dar por isso, não ver algum buraco e torcer um pé, muita coisa pode acontecer a quem vai com os olhos postos num livro, e totalmente absorvido na história.

Mas eu sou dessas pessoas que, tendo em conta o pouco tempo que tenho livre para a leitura, e se o livro for mesmo muito interessante e não quero parar de ler, me arrisco em cada caminhada casa-trabalho/ trabalho-casa, para adiantar algumas páginas!

Serei a única doida por aqui a ler enquanto caminha pelas ruas?