Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O Gambito da Rainha, na Netflix

O-Gambito-da-Rainha-Imagem-Principal.jpg

 

"O Gambito da Rainha" é uma minissérie que retrata a história de Beth Harmon, uma órfã que se tornará campeã de xadrez, desde que chegou ao orfanato, até ao estrelato, acompanhando todo o caminho que esta percorreu.

 

Começando pelo fim, um dos ensinamentos que podemos retirar desta série é a de que, quando temos amigos verdadeiros, não importa aquilo que fizemos, ou como os magoámos, ou afastámos, em alguma fase da nossa vida porque, quando menos esperamos e achamos que já os perdemos, eles estão lá, ao nosso lado, para mostrar que, apesar de tudo, ainda querem o nosso bem, ainda nos apoiam, e que há muito nos perdoaram.

 

Outro dos ensinamentos e, como é óbvio, poderá não se aplicar a todos, é o de que, muitas vezes, quando deixamos de fazer algo de que gostamos, pelo prazer, e passamos a fazê-lo por dinheiro, pela fama, pela necessidade de nos afirmarmos, pelo poder, as coisas podem sair fora do nosso controlo, descambar, fazer-nos perder o gosto, e querer desistir.

Quando os outros começam a exigir demasiado de nós, e nós próprios nos exigimos mais do que aquilo que deveríamos, podemos estragar e deitar tudo a perder.

Sobretudo, quando aquilo que era um talento nato, passa a funcionar apenas à base de drogas. Quando as vitórias e conquistas se tornam algo tão obsessivo que, se não acontecem, o nosso mundo parece desmoronar, não aceitando as derrotas, e descarregando a nossa frustração naquilo que nos destrói, física e/ou psicologicamente.

 

Voltando ao início, e à chegada da Beth ao orfanato, aquela primeira impressão que temos da directora, uma pessoa bondosa, carinhosa e compreensiva, comovida com a triste história que a leva a receber aquela criança, depressa passa. Não que ela seja uma bruxa malvada, como estamos acostumados a ver. Mas também não é a bondade em pessoa.

Já o orfanato, parece estar a criar um bando de cordeirinhos que têm que se manter amestrados, mansinhos e sossegados e, para isso, nada como uns calmantes a que eles chamam de "vitaminas" e que, logo desde tenra idade, nalguns casos, começam a provocar dependência. 

 

No caso de Beth, ela segue o conselho de outra orfã, Jolene, e toma-os à noite. E é sob o seu efeito que ela começa a desenvolver o seu conhecimento, a sua capacidade, e as suas técnicas de xadrez, um jogo que aprende a jogar com o zelador do orfanato.

Decidida a aprender e tornar-se a melhor, ela passa a ir à cave jogar com o seu amigo sempre que tem oportunidade, e a encher-se de calmantes, para visualisar com mais clareza os jogos.  Até ao dia em que os calmantes são proibidos, e ela, em abstinência, rouba o frasco e toma mais do que devia, desmaiando em seguida.

 

Mais tarde, e já ambas mais velhas, Jolene e Beth continuam grandes amigas. Só que Beth acaba por ser escolhida para adopção, e a separação é inevitável.

Jolene fica sentida porque parece que ninguém a quer, e que irá envelhecer para sempre naquele maldito orfanato, onde todas as crianças chegam e partem, menos ela, que não tem sorte.

 

No entanto, a vida de Beth, que começa a jogar a nível profissional, e a participar em vários torneios, ao mesmo tempo que tem que lidar com o seu passado, com os problemas na sua família adoptiva, com a nova vida escolar e pessoal, com as novas descobertas sobre si mesma, e com o preço da pressão e do sucesso, não será, também ela, um conto de fadas, mas antes um inferno, do qual pode nunca vir a sair.

 

Ser mulher, jogadora de xadrez e campeã, num mundo e num jogo de homens, eleva muito a fasquia. Estará Beth preparada para vencer? Não só os jogos, mas também o jogo em que a sua vida se torna? Ou acabará por sair vencida?

 

Uma boa série, que recomendo, na qual Anya Taylor-Joy desempenha o seu papel de protgonista de forma exemplar.

Alguém Tem de Morrer, na Netflix

alguem-tem-que-morrer.jpg

 

Foi uma total desilusão!

Uma minissérie de 3 episódios, em que essa é mesmo a única coisa boa, porque não se perde muito tempo, a ver uma série tão apagada, com personagens tão fraquinhas, e com um conteúdo tão pouco, e tão mal explorado.

Nem o elenco consegue salvar esta série, que tanto prometia.

 

Para além da violência, e cenas que enojam e chocam os mais sensíveis, que só estão ali mesmo com esse propósito, e eram dispensáveis, aquilo em que mais se foca é na homossexualidade, considerada crime naquela época, e no preconceito por profissões que são associadas a um determinado sexo.

 

Ester Expósito volta a desempenhar o papel de menina rica, mimada e vingativa. Alejandro Speitzer, que deveria ter maior relevo e ocupar o lugar central, anda por ali muito apagado, sendo ultrapassado por personagens secundárias.

Acho que quem consegue escapar é mesmo a avó Amparo, desempenhada por Carmen Maura, que nos faz antipatizar com ela desde o início, e Gregório, um homem rígido, de princípios, que põe o dever acima da família, capaz mesmo de denunciar o próprio filho, e mandá-lo para a prisão.     

 

Faltava uma maior contextualização, um maior desenvolvimento das personagens, um maior aprofundar de cada um dos temas. Talvez por quererem resumir tudo em três episódios, não conseguiram chegar, verdadeiramente, ao fundo de cada questão. 

E ao contrário de que seria de prever, para uma série tão curta, longe de fluir, a acção arrasta-se, sem prender.

 

Emily in Paris, na Netflix

Emily in Paris - Just Breathe.

 

A nova série da Netflix, "Emily in Paris", traz-nos uma história leve, descontraída, por vezes cómica e surreal.

Não tem grandes mistérios, nem muito "sumo", mas o que é certo é que, por vezes, também precisamos dessa leveza na vida. Nem tudo tem que ser pesado, dramático, intenso.

 

Quando ouvi falar da série fiquei com algum receio porque, por exemplo, Betty Feia em Nova Iorque, além de demasiado longa, não me prendeu muito. Tornou-se cansativa, e perdeu o interesse. Então, pensei que talvez esta série, apesar de mais curta, fosse no mesmo sentido. Mas não.

 

Vê-se num ápice, com episódios curtos, e já devorava uma segunda temporada!

Ver "Emily em Paris" é como querer, por vezes, também nós, ter uma mudança na nossa vida, e vivê-la através das aventuras da protagonista embora saibamos, de antemão, que não seria assim tão cor de rosa!

É uma série que nos leva a sonhar, e a viajar, num momento em que é o que menos podemos fazer, e com a liberdade que gostaríamos. 

"AWAY", na Netflix

Away' now streaming on Netflix | Francine Brokaw | heraldextra.com

 

"Away" é uma série que conta a história de 5 astronautas, enviados numa missão a Marte, para descobrir se é possível habitar o planeta vermelho.

Se tudo correr como programado, a missão terá a duração de 3 anos, durante os quais cada um dos tripulantes estará longe da sua família, que deixou na Terra.

 

Emma Green é a comandante da missão, algo para o qual ela se preparou a vida toda, chegando mesmo a ponderar abortar, quando soube que estava grávida, com receio que um filho lhe estragasse o sonho de uma vida.

No entanto, a sua filha é agora uma adolescente, e Emma está a concretizar o sonho, ao contrário da sua amiga e colega, que abdicou da carreira para se dedicar à maternidade.

 

Em termos de missão, dificuldades técnicas relativas à mesma, e acção desenvolvida à volta desse tema, a série não cativa muito. Não há grande acção, nem tão pouco adrenalina.

Também Emma, enquanto comandante, deixa muito a desejar, sem conseguir manter a autoridade, o respeito e, ao mesmo tempo, o consenso e a empatia, relativamente aos companheiros, ao longo da viagem.

Tal como enquanto mulher, e mãe. Se, por um lado, quer ir em missão, por outro, muito cedo mostra o desejo de querer voltar para casa.

Acho até que, das várias personagens de Hilary Swank, esta terá sido a menos bem conseguida.

 

Assim, no que respeita às personagens presentes na nave Atlas, talvez Misha seja a mais interessante. Um homem que, após prometer à filha que não voltaria ao espaço, acabou por se refugiar nesse mundo, após a morte da mulher, deixando a filha a cargo de uma tia, que a criou. 

No entanto, Misha quer a todo o custo obter o perdão da filha, que o rejeita e, agora que esta pode ser, efectivamente, a sua última missão, dado o risco e a perda de visão que está a sofrer, é por esse objectivo que luta.

Começa a série como um russo arrogante e com a mania que é melhor que os outros, mas acaba por mostrar o seu verdadeiro eu: um companheiro leal, um avô babado, um professor bondoso, um ser humano sensível.

 

Lu, a chinesa escolhida para ser a primeira a pisar Marte e tirar a foto da praxe, parece a antítese de Emma, no que se refere a questões familiares. Lu está focada na missão, que quer levar até ao fim, nem que para isso tenha que se sacrificar, e mentalizou-se de que, durante aquela missão, o filho só terá o pai, e ela não se deve desviar ou deixar-se levar pelas emoções, que podem comprometer todo o trabalho.

No entanto, o que não falta dentro de Lu são sentimentos oprimidos que, com o tempo, acabarão por extravasar, e mostrar uma outra faceta da mesma pessoa.

 

Kwesi destaca-se porque, a partir de determinado momento ele, que era o estreante nestas viagens espaciais, parece ser o que mais sensatez, espírito de equipa e de liderança apresenta, e sempre com as palavras certas, no momento certo.

 

Já em Terra, o destaque vai para Alexis, filha de Emma que, como seria de esperar, vive em permamente ansiedade pelo tempo que vai estar longe da mãe, e pela possibilidade de ela morrer.

Como se isso não bastasse, o pai sofre um AVC, terá que fazer fisioterapia e pode não voltar a andar. Em último caso, devido à sua doença, pode ter a vida em risco.

E ela própria vive na dúvida se não terá herdado o gene da doença do pai.

Assim, na ausência dos pais, ela acaba por encontrar o seu refúgio junto de Melissa, a filha desta e Isaac, que virá a ser o seu primeiro amor.

Só que, entre tantas incertezas e sem os pais presentes para a guiarem, ela acaba por ter algumas atitudes irreflectidas sem, contudo, deixar de ser a menina que sempre foi. Mas já sabemos que, quanto mais se proibe, mais se incentiva a fazer e as palavras têm, muitas vezes, o efeito contrário daquele que se pretendia.

 

Ou seja, a série vale pelas relações pessoais entre as personagens, e não tanto pelo tema principal - a viagem a Marte.

E confesso que, para mim, seria imensamente claustrofóbico passar tanto tempo numa nave, em pleno espaço. Acho que daria em louca, e me acabaria por atirar, num acesso de loucura, para o buraco negro do universo!

 

Alta Mar - 3ª temporada

c27VIbMWAfKKjhbjvadM0eulRk6.jpg

 

A terceira temporada de Alta Mar já está disponível na Netflix, e conta com um actor brasileiro - Marco Pigossi - como protagonista, no papel de um agente secreto britânico.

Ainda antes de embarcar no Barbara de Braganza, com destino ao México, onde irá promover o seu livro, Eva é abordada por Fábio, que lhe pede ajuda para uma missão simples, para identificar e capturar um cientista que pretende viajar a bordo do navio, com um vírus letal, impedindo-o de iniciar a viagem.

 

Mas a operação complica-se, são cometidos erros, e o perigo segue a bordo, sem se saber de onde, e de quem vem.

Todos parecem suspeitos. Mas nem tudo é o que parece. E, por vezes, a resposta está tão perto, e é tão simples, que nos passa completamente ao lado.

 

No navio, encontra-se também, para desconforto de Eva, Nicolás e a mulher Chantal. No entanto, após um incidente estranho, Nicolás é obrigado a comandar outro navio, deixando as duas mulheres da sua vida sozinhas.

 

Enquanto Eva e Fábio tentam descobrir a identidade do cientista, e onde este esconde o vírus, há mais alguém a bordo que lhe quer deitar a mão, e tudo fará para o conseguir.

No entanto, o vírus acaba mesmo por ser injectado num passageiro e, em pouco tempo, são vários os que ficarão infectados, gerando o caos, ao mesmo tempo que alguns membros da tripulação levam a cabo um motim, desviando o navio da sua rota.

 

No fim, será uma corrida contra o tempo, com o navio na mira para ser afundado com todos os infectados lá dentro, a descoberta de uma cura que o impeça, e o resgate dos passageiros, do naufrágio certo.

 

Esta terceira temporada está ainda melhor que as anteriores, apesar de ter menos episódios, e de o final ter tirado a vida a duas personagens principais.

Venha a quarta!