Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Privacidade: um direito inviolável ou a chave para salvar alguém?

privacidade.jpg

 

A privacidade é um direito que nos assiste, e que ninguém tem permissão para invadir, ou violar.

Por norma, quando alguém o faz, é quase sempre para fins menos dignos, por motivos pouco altruístas, mas por puro egoísmo, curiosidade, desconfiança, lucro, ou outros igualmente condenáveis.

Mas, e se essa invasão for essencial, não para benefício próprio, mas para ajudar a salvar alguém? Justificar-se-ia invadir a privacidade, violar esse direito?

 

Quando uma mãe, após o suicídio do seu filho, lê o diário escrito por este, e percebe que estava ali a possível chave, que poderia ter, quem sabe, evitado o que veio a acontecer, o que pensa ela?

Que a resposta esteve sempre ali.

 

Mas ela não queria estar a invadir a privacidade do filho e, por isso, nunca leu o diário, nunca soube como ele se sentia, nem o que o atormentava e, como tal, não conseguiu ajudá-lo a ponto de evitar o pior.

Deveria ela ter quebrado a confiança?

Deveria ela ter invadido a privacidade?

Agradecer-lhe-ia, o filho, por tê-lo feito?

Seria garantido que essa invasão seria útil, e impediria o suicídio?

Não sabe... Mas sabe que, não o tendo feito, pode ter contribuído para o desfecho, pela inação.

 

Parece-me a mim que, nos dias que correm, a privacidade é muitas vezes violada sem motivos válidos e, poucas vezes, invadida por razões que o justifiquem.

O que levanta outra questão: existem razões ou motivos que justifiquem essa invasão?

Ou é, imperiosamente, um direito inviolável?

 

As bóias a que nos agarramos na vida

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

 

Por vezes, quando o navio parece navegar no rumo certo, somos atirados borda fora. 
Desnorteados, pensando que nada nos poderá salvar, surge-nos uma "bóia de salvamento", à qual nos agarramos com todas as forças, fazendo-nos sentir seguros e esquecer o perigo que corremos. E não a largamos por nada.
Mas quando, finalmente, chegamos a terra firme e não precisamos mais da bóia, atira-mo-la para um canto, como se fosse insignificante e inútil.
Até ao momento em que a vida nos pregar outra partida...E aí, poderá já não haver bóia que nos ajude...

 

Muitas vezes, descartamos e esquecemos depressa aqueles que estiveram connosco quando mais precisámos, aqueles que nos deram a mão, nos ajudaram, nos amaram.

Existem pessoas que, na nossa vida, não passam de meras bóias de salvamento, temporárias que, mal percebamos que já não fazem falta, afastamos de nós.

São pessoas que funcionam como uma ponte entre o passado e o futuro, com duração limitada na nossa vida.

 

The Voice Portugal - a última ronda de batalhas!

 

Costuma-se dizer que o melhor guarda-se para o fim. Parece-me que foi o que aconteceu ontem na última ronda de batalhas!

Mas já lá vamos.

 

 

A batalha mais fraca e injusta:

 

Vera x Sophia - venceu a Vera. Mais uma vez, foi repetido o mesmo erro que o Anselmo  já tinha cometido a semana passada. Avaliar duas concorrentes num estilo em que uma está totalmente habituada, e outra não. Se é verdade que a Sophia se mostrou logo no início desiludida e pouco motivada, também é verdade que talvez essa reação, à semelhança da que mostrou ontem, se deva ao facto de o próprio Michael ter desistido dela, ainda antes de a ouvir cantar. Digo eu... Ontem a Vera seguiu mais a versão original e mostrou mais o que estava transmitir. Mas não a acho grande cantora. A Sophia, apesar da atitude mais contida e apática, tem um timbre muito bonito, e poderia fazer muito mais noutro tipo de registos. Deveria ter lutado mais pelo seu lugar no Tira-Teimas. Agora é tarde. mas não é tarde para uma carreira fora do programa.

 

 

As batalhas intermédias:

 

Bruno x Jaime e Nuno - venceu o Bruno. Pareceu-me muito equilibrada, com pontos fortes e menos bons de ambas as partes.

 

 

 

Tiago x Inês - venceu o Tiago. Se fosse pelos ensaios, o Tiago ficava de castigo! Juro que só a ouvi a ela, e a Inês estava mais entusiamada e com vontade de agarrar o tema. O Tiago parecia mudo. Depois, chegam à batalha e o Tiago canta muito melhor que na prova cega, e brinca com a voz. A Inês esteve bem também, mas não foi suficiente para convencer os restantes mentores a apostarem nela.

 

 

As batalhas mais emotivas:

 

 

Márcia, Daniel e Francisco x Sérgio - venceu o trio. Salvaram o Sérgio. Mais uma batalha injusta de trio contra um. Dentro do trio, destaco no geral o Francisco e em algumas partes, a Márcia e o Daniel. Quanto ao Sérgio, gostei mais de o ouvir ontem que na prova cega, embora continue a achar que não é um grande cantor. Numa situação normal, acharia que salvar o Sérgio tinha sido desperdiçar um voto que poderia resgatar um concorrente melhor. Mas perante a sua atitude e a forma emotiva como cantou e se entrosou com o trio, mereceu esta oportunidade.

Para o trio da semana passada, observem a forma como estes concorrentes estiveram em palco, e aprendam alguma coisa!

 

 

 

Tiago x Marta - venceu a Marta. Duas gerações diferentes, duas vozes diferentes, dois estilos diferentes. Quem disse que não se podem conjugar? Não são raros os duetos profissionais em que isso que verifica, e que resultam na perfeição. A Marta mereceu passar à fase seguinte. O Tiago também o merecia. O que o fez ficar pelo caminho? A idade, o facto de já ninguém o poder salvar (à custa de terem usado essa faculdade antes e, talvez, com quem merecesse menos) e, talvez, o facto de o Tiago não precisar do programa para vencer na música cá fora, dando assim oportunidade a outros. Não deixa de ser injusto.

 

 

As melhores batalhas:

 

 

Vera x Andrea - venceu a Andrea. Salvaram a Vera. Confesso que, no início, não simpatizava muito com a Vera. Ontem, ao ver os ensaios e a batalha, passei a simpatizar menos com a Andrea. Mas isto são outras questões que nada têm a ver com música. Quanto à batalha, estiveram as duas muito equilibradas e deram luta uma à outra. Mereceram ambas continuar na competição. E deram show!

 

 

 

Daniel x Joana - venceu o Daniel. Salvaram a Joana. Bem merecidas estas duas vitórias! Foi, para mim, a melhor batalha da noite. E qualquer um deles, ao seu estilo, tem uma voz e um timbre muito bons. Como disse a Marisa, poderia ser uma final. Vamos lá ver se conseguirão ainda dar mais, até chegar à verdadeira final! É que quando a fasquia é muito elevada e os concorrentes dão tudo em algumas etapas, torna-se mais difícil superarem-se. 

 

 

Constatações:

A maioria dos concorrentes da equipa da Marisa, que ela não escolheu, foram salvos por outros mentores.

Continuamos sem vislumbrar um(a) possível vencedor(a), embora haja algumas boas vozes, que poderão tornar a luta renhida.

Já ficaram muitas boas vozes pelo caminho, e continuam em competição algumas que não mereciam tanto.

 

Na próxima semana, começam os Tira-Teimas. Venham eles, vamos lá tirar as teimas sobre quem deve ou não seguir para as galas!

 

 

 

 

 

Imagens The Voice Portugal