Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Com as escolas encerradas, como fica agora o ano lectivo?

Resultado de imagem para escolas fechadas

 

Ficou ontem decidido o encerramento de todas as escolas do país, já a partir da próxima segunda-feira, e por tempo indeterminado.

Quero acreditar que, quando voltarem a avaliar a situação, no próximo dia 9 de Abril, já tudo estará mais calmo, o pior já terá passado, e será permitida a reabertura das escolas, com o regresso dos estudantes à normalidade da vida escolar.

 

No momento em que é tomada esta medida preventiva, o segundo período (para o pré-escolar, e 1º a 3.º ciclo) estava quase a terminar. 

Ainda assim, a minha filha teria testes na próxima semana, que ficarão, para já, sem efeito. E trabalhos para apresentar, que não terá oportunidade de o fazer.

Neste período de férias antecipadas, como irão agir os professores?

Irão pedir aos alunos para, em alternativa às formas de avaliação programadas, e que obrigavam à presença destes, executar trabalhos ou testes que possam ser feitos virtualmente?

Haverá avaliação neste segundo período? Ou ficarão sem avaliação, com todo o esforço e trabalho deitados ao lixo?

A haver, irá essa avaliação basear-se nas notas intercalares, e no percurso de cada aluno, durante estes dois primeiros períodos?

Penso que, a esta altura, os professores terão bases para essa avaliação, mas...

 

E se, no pior cenário, as escolas não puderem reabrir no 3º período?

Como é que fica a situação dos estudantes, e como fica o ano lectivo?

É leccionada a matéria por outras vias? É feita a avaliação de outras formas?

E como se preparam os estudantes para eventuais exames de final de ano?

 

Poderá o ano lectivo, na pior das hipóteses, ter que ser repetido?

Servirá a avaliação, obtida até agora, de base para a retenção ou progressão do aluno?

Ou, para não serem prejudicados os que não tiveram oportunidade de recuperar as notas, passarão todos para o ano seguinte?

E como irão estar preparados para o ano seguinte, se não tiverem dado a matéria que era suposto aprender no anterior?

 

Estamos todos numa situação nova, pela qual nunca passámos e, como é óbvio, o mais importante neste momento é a nossa saúde.

Tudo o resto acaba por perder importância, quando nos debatemos com uma pandemia.

É uma questão de adaptação às novas realidades, que uns estarão mais preparados para a levar a cabo, que outros.

Mas são dúvidas que, apesar de tudo, me surgem e que, provavelmente, mais pais e até os estudantes se colocarão, neste momento, ainda que a prioridade seja, obviamente,  a saude e bem estar de todos nós.

 

Já agora, com as escolas encerradas e os estudantes em casa, irá aplicar-se o mesmo aos funcionários e professores, ou continuarão estes a trabalhar, à porta fechada?

 

 

Isenção de taxas moderadoras até aos 18 anos

 

transferir.jpg

 

Finalmente, uma boa notícia!

E se sabemos criticar as más, há que destacar e elogiar ainda mais as boas!

Desta vez, o Serviço Nacional de Saúde esteve bem.

Até agora, apenas as crianças até aos 12 anos estavam isentas de taxas moderadoras mas, com a alteração aprovada na semana passada, a isenção passa a abranger todos os menores de idade.

Quem fica a ganhar são as crianças e jovens do nosso país, que ficam assim isentos de taxas moderadoras até aos 18 anos.

Já que nós, adultos, temos que pagar, ao menos que os nossos filhos tenham acesso gratuito à saúde durante mais uns aninhos!

 

 

Sobre a proibição de determinados produtos...

Há certas coisas que me fazem confusão.

Porque é que as entidades, competentes na matéria, proíbem a venda e consumo de determinados produtos ou substâncias prejudiciais à saude, mas estimulam o consumo e venda de outras, igualmente perigosas?

Porque é que muitas pessoas se preocupam com as consequências para a sua saude de determinados produtos, e não querem saber das de outros?

Uma professora do meu marido deu uma vez este exemplo:

"Se uma determinada pessoa for a um supermercado e encontrar um iogurte com a indicação de que o consumo do mesmo provoca cancro, qual é a tendência dessa pessoa? Não comprar! No entanto, a mesma pessoa compra um maço de cigarros onde está escrito que fumar mata!".

Se o sonho de muitas pessoas é viver muitos e longos anos, se procuramos os chamados "elixires da eterna juventude", se todos os dias agradecemos e louvamos os avanços da medicina e angustiamo-nos por ainda não haver curas para as doenças e solução para a morte, se nos são proíbidas determinadas drogas, se são retirados do mercado medicamentos potencialmente perigosos para a saude, porque motivo não proibem a venda do tabaco?

Sim , eu sei, isso nunca irá acontecer. Há demasiados interesses e dinheiro em jogo. Um mundo sem tabaco é, certamente, uma utopia! E, além disso, quem consome sabe a que está sujeito.

Mas que não faz sentido, não faz...