Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Começar a semana a tremer!

Resultado de imagem para sismo desenho

 

E não é só de frio!

Esse também se faz sentir por aqui, mas o que fez tremer o chão e a secretária foi mesmo um tremor de terra acabadinho de ocorrer.

Isto está a tornar-se frequente aqui na zona, o que não me agrada nem um pouco. Ainda mais porque estou num segundo andar!

 

Linda-a-Velha e Vendas Novas também sentiram. E por aí, mais alguém?

San Andreas - o filme

 

Se há filme capaz de captar toda a minha atenção é um que esteja relacionado com qualquer catástrofe natural. Vulcões, tsunamis, tornados, terramotos e afins, são argumento mais que suficiente para eu gostar de um filme, e San Andreas não fugiu à regra. 

Desde que vi a apresentação do filme que estava na minha lista de filmes a ver. Era para alugar, mas como passou na tv, optámos por gravar.

Ontem, cheia de vontade de me sentar no sofá e ver um bom filme, foi o dia!

 

 

 

O filme começa logo cheio de acção, com Ray, um bombeiro e piloto do Departamento de Resgate e Segurança de Los Angeles, numa operação de salvamento de uma jovem que, após um abalo sísmico, foi atirada para um precipício, do qual estás prestes a cair.

Logo em seguida, a acção passa para a barragem Hoover, localizada entre os estados de Nevada e Arizona, nos EUA, no rio Colorado, que é completamente destruída pelo sismo que ocorre no momento em que dois cientistas testam um módulo, que permite prever terramotos com antecedência.

E, enquanto na barragem um dos cientistas perde a vida, após salvar uma criança da morte certa, a ex-mulher de Ray tenta salvar-se do prédio onde se encontra, e que está a ruir.

 

 

 

Por outro lado, e com base neste avanço conseguido pelos cientistas, Lawrence percebe que este sismo foi apenas o início da catástrofe, e que irão haver novos sismos, com intensidade ainda maior, e que São Francisco será a zona mais crítica. A culpa é da falha de San Andreas, uma falha geológica que se prolonga por cerca de 1290 km através da Califórnia, que marca o limite de encontro entre duas placas tectónicas - a Placa do Pacífico e a Placa Norte-Americana, e famosa por produzir grandes e devastadores sismos.

E é por isso que, numa emissão em directo, avisa a população do que aí vem, e aconselha a todos a fugirem para bem longe, ou protegerem-se da melhor forma que puderem.

 

 

 

Ray consegue salvar Emma e, juntos, após receberem um pedido de ajuda da sua filha que está, precisamente, em São Francisco, decidem partir para lá e tentar resgatá-la. Mas o cenário devastador que encontrarão pelo caminho não lhes vai facilitar a vida.

 

 

 

 

 

Em São Francisco, Blake, Ben e Ollie tentam escapar como podem da destruição que os rodeia, e chegar ao ponto mais alto que conseguirem, agora que está em iminência um tsunami, na sequência do sismo.

 

 

 

 

E Ray poderá mesmo não chegar a tempo, e perder, pela segunda vez, uma filha. É que já no passadoele tinha sido incapaz de salvar a outra filha do casal, de morrer afogada. Agora, tudo pode voltar a repetir-se...

 

 

Um filme cheio de acção, do início ao fim, que nos faz suster a respiração e temer o que ainda virá por aí. Com alguns clichés, é certo, mas nada que me incomode minimamente. 

Muitas críticas negativas têm sido feitas a este filme. Eu não sou especialista em avaliação de filmes e, como se costuma dizer, gostos não se discutem.

Para mim, é um grande filme, gostei, e via outra vez!

Sismo

 

Não consigo deixar de fazer esta comparação, porque a situação é em tudo semelhante.

Um sismo, de grande magnitude, atinge uma determinada localidade, sem aviso, provocando diversos estragos. Depois, não são raras as vezes que se sucedem réplicas, ainda que com menor intensidade, mas que nos voltam a deixar em alerta quando começávamos a respirar de alívio.

É assim que eu vejo a doença da minha filha. Já sei que demora até 6 semanas, já sei que é normal ainda haver manifestações.

Mas quando começo a ver as manchas desaparecer, penso sempre "talvez seja desta vez que passa"! Não precisa de durar exactamente as 6 semanas!

E, depois, quando tudo parece bem encaminhado, surge uma réplica! Volta a melhorar, torno a ter o mesmo pensamento, e lá está mais uma vez ela a marcar presença!