Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Tentativa de música

Reações Emocionais e a Psicologia na Música | GPET Física 

 

Uma destas noites sonhei que estava a ouvir uma música. 

Ou melhor, o refrão de uma música em que, para além da parte instrumental, só consegui perceber "palavras ao vento".

Não sei se existe, se ouvi em algum lado e ficou aqui gravado, ou se o meu cérebro inventou, mas decidi dar à parte musical do refrão, uma possível letra.

E, já que inventei o refrão, porque não tentar criar o resto? 

 

Aqui fica:

"Dizes que ainda me amas

E que não me queres perder

Que as coisas ainda podem mudar

Que ainda temos muito para viver

 

A mim parecem desculpas

De quem quer esconder a verdade

Não quero um assumir de culpas

Queria apenas sinceridade 

 

(refrão)

Isso são tudo palavras ao vento

Da boca p'ra fora e sem sentimento

Confesso que esperava muito mais de ti

 

Tudo o que dizes é só no momento

Podia acreditar em ti, mas lamento

Quero muito mais do que isso para mim

 

Percebi que não basta amar

Para fazer com que tudo dê certo

É como tentar encontrar

Um oásis no deserto

 

De nada adianta falar

Se as palavras não geram acção

Só servem para enganar

Não vêm do coração

 

(refrão)

Isso são tudo palavras ao vento

Da boca p'ra fora e sem sentimento

Confesso que esperava muito mais de ti

 

Tudo o que dizes é só no momento

Podia acreditar em ti, mas lamento

Quero muito mais do que isso para mim

 

E se os gestos contrariam as palavras

E se os anos passam, e tudo permanece igual

De que adianta querer fingir

Que o amor é imortal?

 

De que adiantam sucessivas conversas 

Se voltamos sempre ao mesmo ponto

Palavras que não passam de promessas

Às quais já não quero dar um desconto

 

(refrão)

Isso são tudo palavras ao vento

Da boca p'ra fora e sem sentimento

Confesso que esperava muito mais de ti

 

Tudo o que dizes é só no momento

Podia acreditar em ti, mas lamento

Quero muito mais do que isso para mim

 

Mais vale assumir agora

Sem mágoa ou ressentimento

A verdade que em ti mora

Sem qualquer arrependimento

 

Só com honestidade 

Podemos seguir em frente

E são essas as palavras

Que quero guardar na minha mente."

 

Agora, quem quiser que aproveite a letra, e componha a música!

 

 

 

 

 

Sonhos que davam filme

Estranho magnetismo...

tumblr-novhdfvcuj1updw00o1-1280_v36p.jpg

 

Nicola tinha acabado de chegar ao seu local de trabalho provisório.

Ainda ficaria por ali uns dias, mas a sua vontade era ir embora o mais depressa possível. Por ela, naquele mesmo dia.

Tinha ficado tão perturbada com o encontro que tivera pelo caminho, que quase já nem conseguira descobrir o caminho para ali.

Se ela soubesse que tinha, na família, pessoas tão estranhas... Claro que, por dinheiro, as pessoas são capazes de tudo, até mesmo dentro da família. Mas isso era algo que ela estava habituada a ver nas notícias, não tão perto de si. Não a ponto de afectá-la pessoalmente.

 

A verdade é que, quando era mais nova, nunca tinha visto o tio, que andava sempre em parte incerta. Só algum tempo depois de ela ter saído daquela terra, é que este regressou às raízes. Por isso, nunca tinham estado juntos. Não se conheciam, de todo.

Mas, se Nicola soubesse, preferia não o ter conhecido.

Só aquele olhar, provocara-lhe um arrepio na espinha. Como se transmitisse más energias.

O olhar e, muito provavelmente, o facto de ele estar com uma arma na mão, em jeito de ameaça. Não a ela, propriamente. Mas em forma de recado, para o seu pai.

 

Nicola sabia que o tio tinha emprestado dinheiro ao seu pai, numa altura em que ele precisara. Mas o tio andava a fazer pressão, a exigir a devolução do dinheiro. Dinheiro que, tinha ficado acordado, o pai entregar no dia seguinte. 

Assim, aquela interpelação não fazia qualquer sentido. Nicola estava ali de passagem. Não tinha nada a ver com os acordos entre irmãos. E, ainda que assim fosse, que necessidade havia de mostrar a arma, e fazer crer que a poderia utilizar, caso as coisas não corressem como ele queria?

Ia matá-la? Matar o seu pai? Seria o seu tio um bandido. Um homem sem escrúpulos?

Nicola limitou-se a informar que o pai tinha o dinheiro, e a perguntar se o acordo não era entregá-lo no dia seguinte, ao que o tio assentiu, frisando que era só para perceber se tudo estava encaminhado, deixando-a seguir caminho. 

E ela assim o fez. Não ficaria ali para descobrir mais sobre ele. Já sabia que chegasse para não querer qualquer relação com o mesmo.

 

Conforme combinado, no dia seguinte tudo se resolveu. 

Nicola estava a fotografar as últimas flores, no âmbito do seu trabalho, quando viu passar o tio, juntamente com dois outros irmãos, ao longe.

Mais uma vez, sentiu aquela sensação de mal estar. Mas, ao mesmo tempo, não conseguiu tirar os olhos dele e, nem sabe bem porquê, viu-se a desejar que o tio olhasse para ela, como se isso fosse importante, quando o que ela mais queria era sair dali para fora e passar despercebida àquela pessoa.

 

No entanto, a determinado momento, como se tivesse ouvido o "chamado" da sobrinha, o tio olhou para ela, e dizendo aos irmãos que ia só despedir-se de Nicola, aproximou-se.

A verdade é que, também ele, não tinha ficado indiferente a Nicola. Ela não era como o resto da família.

Ela tinha força, garra. Ela não tinha mostrado medo dele, nem mesmo quando o viu com a arma na mão. Ela não vacilou. Não fraquejou. Enfrentou-o.

Ela era, de certa forma, parecida com ele. Tencionava conhecê-la melhor, se tivesse oportunidade para isso. E, talvez, apagar aquela primeira impressão que lhe possa ter causado.

- Olá Nicola! Como é que estás?

- Bem. E o tio?

- Queria desculpar-me por ontem. Sei que posso ter parecido muito frio e insensível. Até mesmo um criminoso. Mas nunca vos faria mal. É só a minha maneira de ser, desconfiado, bruto. Estou a tentar aceitar e ser aceite por esta família, que há muitos anos não via, e a adaptarmo-nos mutuamente. Espero que também tu, com o tempo, nos possamos conhecer melhor e me possas vir a aceitar, da mesma forma que o teu pai.

 

Nicola ouviu todo aquele discurso sem reação.

Se, por um lado, lhe apetecia dizer que aquilo era só conversa da boca para fora, para ver se ela se deixava enganar e levar pelas mentiras e justificações esfarrapadas dele, porque nada justificava os seus actos, por outro, sentia um estranho magnetismo, impossível de explicar e bastante incómodo, que a impelia a deixá-lo falar, sem ripostar. A fingir que acreditava nas boas intenções do tio.

Por um lado, Nicola tinha vontade de mostrar que não era como o pai, e que ele, a ela, não enganava. Queria cortar ali mesmo o mal pela raiz, e qualquer hipótese de relação futura, deixando-lhe isso bem claro.

Por outro, sentia que, por alguma estranha razão, não queria declarar guerra aberta ao tio, preferindo deixá-lo falar, e ver no que aquilo daria.

Algo lhe parecia dizer que os seus caminhos ainda haveriam de se cruzar de novo.

E, assim, deixou-o ir, sem ter dito uma única palavra...

 

 

Na vossa opinião, o que poderá estar por detrás desse estranho magnetismo?

Haverá mesmo algum segredo ou ligação por desvendar sobre ambos?  

 

 

 

 

 

Sonhos que fazem reflectir

Polarização e Asno de Buridan

 

Sem saber o que fazer, vendo cada um com uma ideia diferente e a puxar para o seu lado, ela foi pedir conselhos à única pessoa que, na sua opinião, poderia ajudá-la.

Depois de explicar o que se passava, o seu conselheiro limitou-se a mostrar-lhe duas imagens: a primeira, de duas silhuetas abraçadas, e a segunda, as mesmas silhuetas de mãos dadas.

O que significam estas imagens? - perguntou ela.

Amor e União. É tudo o que a sociedade precisa. - respondeu o conselheiro.

No dia em que as pessoas pararem de agir umas contra as outras, a favor de si próprios, e passarem a ajudar-se mutuamente, tudo será melhor para todos. 

No dia em que parerem de enveredar por guerras perdidas e desgastantes, e se unirem, tudo resultará de forma diferente.

É esse o segredo para uma sociedade funcional...

Sonhos que davam filme

O Poder dos Sonhos

 

Ela estava a preparar-se.

Tinha vestido aquele casaco preto que comprara na Bershka.

As amigas concordaram que lhe ficava bem.

Iam à discoteca, celebrar o seu aniversário.

 

Entre os membros do grupo, estavam dois rapazes, que disputavam a sua atenção.

Ela gostava dos dois. Talvez de uma forma diferente de um deles. 

Mas não queria estar a arranjar mal entendidos, nem se chatear naquele dia.

 

E assim foram.

A música estava animada.

Ela dançou e cantou, feliz pela noite que estava a ter.

Teve a confirmação de que um dos rapazes seria sempre, e apenas, seu amigo. Ao mesmo tempo, começou a perceber os sentimentos a desabrochar, pelo outro.

 

Mas algo viria a ensombrar essa noite.

Ãlgumas das amigas começaram a sentir-se mal, e tiveram que abandonar a festa.

Em seguida, mais umas pessoas com os mesmos sintomas.

 

A noite estava a ficar estranha. Talvez fosse melhor ir embora.

Mas não sem, antes, a sua recém descoberta paixão a ter levado para um local menos movimentado, para lhe dar o primeiro beijo, como presente de aniversário.

 

Estavam, entretanto, a comentar como as pessoas pareciam ter sido drogadas, quando surge a polícia e, sem que nada o fizesse prever, levam-na para o carro, detida, deixando o suposto namorado para trás.

 

No caminho para a esquadra, e sem saber porque a tinham levado a ela, deparam-se com uma manifestação que impede o trânsito de fluir. Estão parados e ela vê nisso a oportunidade para escapar, assim a pessoa que a acompanha na parte de trás do carro colabore consigo.

 

Ao início, não tem muito sucesso mas, depois, acaba por a convencer a ajudá-la. 

E é assim que ela se escapa, e volta à discoteca, onde tudo aconteceu, para descobrir o que se passou, e porque a acusaram a ela, do que nem ela sabe.

 

À sua espera, ainda no mesmo sítio, está o namorado, que consegue, no momento em que o portão da garagem do edifício está prestes a fechar, entrar lá para dentro com ela.

O que irão descobrir, nunca se saberá porque, entretanto, acordei!

Mas deixo por conta da vossa imaginação 

 

Festival Eurovisão da Canção: A História dos Fire Saga

Eurovis_640x363_banner.png

 

Estava curiosa para ver este filme, sobre o Festival da Canção, onde Salvador Sobral iria fazer uma participação especial.

Sabia que era uma comédia, que não é o meu estilo favorito. Quando vi que o filme tinha uma duração de 2 horas e meia, assustei-me.

Mas fui-me deixando-me levar. E não dei por passar o tempo. Quando dei por isso, já estava a acabar.

 

Como comédia, é muito fraco, forçado e poucas cenas tem, que me façam rir.

Também não é propriamente uma história sobre o festival da canção que, aqui, serve apenas de fundo para uma comédia romântica.

Às tantas, aparece-nos no ecrã, sem qualquer propósito, que não seja dar destaque aos participantes do Festival da Canção, Jamala, Conchita, Netta, Alexander Rybac e John Lundvik.

Também Salvador Sobral tem direito a uma participação neste filme, mas ao seu estilo, com simplicidade, e beleza.

Demi Lovato interpreta a candidata favorita a representar a Islândia no Festival da canção mas, confesso, só soube que era ela quando vi o elenco! 

Gostei de algumas das músicas, e imaginei-as como candidatas ao festival, ou mesmo como hits das rádios. Melhores que muitas que por aí andam, ou que por lá já passaram.

 

Sobre a história:

Lars é um miúdo que cresce com um único sonho na vida: representar a Islândia no Festival da Canção, e pisar o grande palco. E, se possível ganhar. 

Nesse sonho, acompanha-o a sua amiga Sigrit, uma menina que adora cantar e que, à medida que cresce, se vai apaixonar por Lars.

Juntamente com Lars, vão formar a banda Fire Saga, que é totalmente descredibilizada e ridicularizada pelos islandeses.

Sigrit tem talento, mas falta-lhe cantar com alma e paixão. Todos acham que o caminho dela seria mais feliz se se afastasse de Lars. Mas ela fá-lo por ele, e para que ele possa realizar o seu sonho.

Já Lars, está tão focado da Eurovisão, que não vê mais nada à frente. Ele compõe, ele confecciona as roupas, ele escolhe os arranjos e os temas, ele imagina cenários, enfim, ele trata de tudo, e Sigrit segue-o nessa aventura.

Até ao dia em que tudo muda.

Sigrit é uma artista, no verdadeiro sentido da palavra. Lars é uma criança com mau perder, e que não sabe lidar com as contrariedades. Isso vai afastá-los, e deitar tudo a perder, com a mãozinha dos vilões da história, claro.

Portanto, como comédia romântica, não está mau de todo, embora não seja nada por aí além, como outras que já vimos.

 

Sendo assim, bem espremido, o que se pode tirar do filme?

Algo tão simples e tão importante, que devemos aplicar em tudo na vida:

- em qualquer relação, deve-se rumar no mesmo sentido, trocar opiniões, chegar a um consenso ou entendimento, ouvir os dois lados, para que as coisas resultem

- por vezes, estamos tão obcecados com um determinado objectivo pessoal, que arrastamos todos connosco sem, por um momento, pararmos para olhar se essas pessoas não terão, também elas, os seus próprios objectivos e sonhos, se não estamos a ser egoístas, se não estamos, em nome de uma obcessão, a arruinar algo muito melhor que, e que nos pode fazer mais felizes 

- por vezes, aquilo que realmente importa, está nas coisas mais simples

- é bom vencer, mas não é tudo na vida, e aquilo que para uns é uma derrota pode ser, para outros, um conjunto de pequenas vitórias muito melhores de saborear

- a melhor música, é aquela que se canta com o coração, com alma, com sentimento

 

E acho que esta música, uma verdadeira candidata a um próximo festival da canção, que já está na minha lista das favoritas, resume tudo o que acabei de mencionar.