Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Cenas estranhas e sinistras que nos acontecem

Resultado de imagem para surpresa

 

Ontem fui com a minha filha ao chinês, para ver se arranjava umas botas.

À vinda, passámos pela colónia dos gatos e, como estavam juntinhos a comer, ia aproveitar para tirar umas fotos.

De repente, do nada, aparece ali um rapaz a meter-se na cconversa:

 

"Isso não é a garagem. Isso era a entrada para o lar. Já foram muitas coisas deitadas abaixo. Já não está nada como era." E fica ali um bocado parado a olhar para nós, até se resolver a seguir caminho!

 

What?!

Nós nem sequer estávamos a falar disso. Estávamos a falar sobre se um gato seria gato ou gata!

 

Antes dessa conversa, estava eu a dizer à minha filha que, de certeza, haveria alguém que entrava ali dentro, porque a comida que lá estava ao meio não tinha ar de ter sido atirada do lado de fora, mas sim colocada ali.

E a minha filha "então, devem entrar da mesma maneira que a outra mulher entra".

Quando damos por isso, vemos a mulher dos gatos lá dentro, no telheiro, como uma assombração! 

Esteve ali o tempo todo. Ouviu a conversa toda.

 

Está resolvido o mistério de quem entra lá, quem tira de lá as caixas de plástico que eu ponho, ou despeja a comida numa caixa maior e as põe umas dentro das outras, para eu encher de novo.

E ela, ou atravessa paredes, qual fantasma, ou deve ter um truque para abrir aquela porta porque, das vezes que tentei, nunca consegui.

Verdade seja dita, também não quero ser apanhada a invadir propriedade privada, e ser detida pela GNR!

Como arruinar totalmente uma surpresa...

Resultado de imagem para falta de consideração

 

... e mostrar uma completa falta de consideração e de respeito por quem a quis fazer com a melhor das intenções.

 

Chego à conclusão que as boas intenções não chegam, e que a bondade não compensa, porque ninguém dá valor a isso.

 

Desde o início do mês que tivemos a ideia de fazer uma surpresa a um amigo da Inês. Há bastante tempo que não estavam juntos e, como os convites que fizemos aos pais para cá virem ter connosco, ou foram recusados com desculpas esfarrapadas ou, simplesmente, ignorados, sem direito a qualquer resposta, achámos que o rapaz iria gostar da surpresa.

Era o único fim de semana de folga do meu marido, a Inês não tinha que estudar para testes, e o rapaz tinha feito anos esta semana, pelo que, para além da prenda, levámos um bolo e espumante das crianças.

A ideia era aparecermos lá de surpresa, pelo que averiguámos, disfarçadamente, se iria estar por casa.

Tinha tudo para dar certo, para proporcionar um momento feliz e uma tarde divertida.

 

Mas foi um completo fiasco.

Chegámos, ligámos para o amigo dela, e não atendeu. Ligámos duas, três, quatro vezes. Nada. Ligámos para o pai dele. Várias vezes. Não atendeu.

A Inês enviou então mensagem para o rapaz para ele atender o telemóvel. Respondeu-lhe que não podia, que não conseguia falar por estar doente. 

Dissemos para o pai ligar, então. O pai manda uma mensagem a dizer que já liga, para esperarmos um pouco, que está a fazer uma coisa.

A "coisa", disse-nos depois, era esperar que o telemóvel carregasse, porque não gosta de falar com o telemóvel em carga. 

E nós, no carro, à espera.

A Inês enviou nova mensagem para o amigo a dizer que estávamos à porta, para lhe fazer uma surpresa. Nunca mais lhe respondeu.

Entretanto, o pai lá nos liga, e explicamos o que se passa.

Pergunta, com aquele tom de quem não queria muito, ou mesmo nada "mas querem subir?".

Respondi-lhe que não queríamos estar a ir lá a casa sem mais nem menos, a incomodar, e que tínhamos pensado ir até ao shopping lá perto, por ser abrigado, mas que ele visse como lhes dava mais jeito. Disse que ia falar com o filho, e já dizia alguma coisa, porque o filho estava deitado, doente. Desde que chegámos, já tinha passado quase meia hora.

 
Dali a pouco liga de novo, a dizer que era melhor ficar para o próximo fim de semana!
Aí, passei-me mesmo.
A sério?! Pego no bolo que comprámos, e guardo-o até ao próximo fim de semana? 
Parece que estão a gozar connosco.
 
Fomos ali de propósito, gastámos dinheiro em gasolina e nas coisas, e estavam-nos a mandar para trás, e voltar no fim
de semana seguinte. Isso tem algum cabimento?
Disse-lhe que não fazia sentido nenhum e que, se ele pudesse pelo menos ir à porta, que lhe entregávamos a prenda e com o resto haveríamos de fazer alguma coisa.
 
Recebeu-nos do lado de fora do prédio. Em nenhum momento nos sugeriu que, pelo menos, subissemos, ou sequer entrassemos no prédio, para não estarmos a falar ali na rua ao frio. 
Desculpou-se que também não tínhamos dito nada. Se era surpresa, não era para dizer nada.
E que era melhor ficar para o próximo sábado. Respondi-lhe que no próximo sábado não podíamos, porque o André ia trabalhar. Mas nem sequer disseram "vamos lá nós". Não. Nós é que tínhamos que ir lá novamente.
 
Somos sempre nós que temos que ir. É preciso muita lata! 
A Inês entregou a prenda do amigo e virou costas ao pai.
 
E ele, mais uma vez com a maior lata, perguntou "ela está chateada?".
"O que é que acha? Ponha-se lá no lugar dela e no nosso lugar."
O meu marido ainda disse: ele queixava-se que a Inês não lhe falava muito, agora não se admire se ela nem sequer lhe falar.
 
Sinceramente, não percebemos se são os pais que não nos querem lá, e não deixaram o filho dizer nada.
O rapaz depois por mensagem disse que queria ver a Inês, mas estava mesmo mal, que nem se conseguia levantar.
 
Mas, por muito doente que estivesse, querendo estar com a Inês, como dizia que queria, e não a vendo há tanto tempo, não quereria vê-la nem que fosse 5 minutos? Não gostaria que ela estivesse com ele mesmo estando doente? E porque é que estava a enviar mensagens e deixou de lhe responder?
Mas a atitude do pai é que ainda me está aqui atravessada, que falta de consideração e de respeito. Qualquer outra pessoa no lugar deles teria dito para entrarmos, nem que fosse só por uns instantes, para não termos ido em vão.
Comigo, nunca mais.
Se tiverem interesse, que se mexam e venham até cá.
Nós é que não pomos lá mais os pés, para ser tratados assim e fazer figura de parvos.
 
Somos nós que estamos a exagerar, e isto foi uma atitude normal, ou temos razões de sobra para estarmos chateados?

 

Séries que terminam sem final

Resultado de imagem para the end

 

Se há coisa que me irrita é andar a seguir uma determinada série, por vezes, por mais do que uma temporada, e chegar ao fim como se a série tivesse apenas feito uma pausa temporaria e, por isso, sem final, para depois nunca mais voltar.

Sabemos que o que dita a continuação ou cancelamento de uma série são as audiências e, quando elas baixam, não há quem a salve, mas cabe a quem produz as séries fazer as coisas de forma a que, caso não haja renovação, faça sentido a história acabar ali mas, ao mesmo tempo, deixando algo que faça sentido e que nos deixe curiosos, para o caso de virem novas temporadas.

 

É que até podemos ter uma imaginação muito fértil, e criar nós mesmos o final de acordo com o que gostavamos que acontecesse, mas fica sempre aquela sensação de que gostaríamos de ver como os autores nos surpreenderiam, e de que forma terminariam eles a sua série.

Assim, parece que andámos a perder tempo em vão, e deixa-nos de pé atrás quanto a seguir novas séries. 

Eliza Graves: A Experiência

Imagem relacionada

 

Todos temos um pouco de loucos dentro de nós. Alguns, têm mais do que seria de esperar.

Existem pessoas, aparentemente lúcidas, que são completamente loucos. E loucos que ainda conservam a sua lucidez, muitas vezes maior que os supostas pessoas lúcidas. 

Nem tudo é o que parece neste filme, e esse é o grande trunfo - o factor surpresa.

 

Sobre o tema em si, já não me era estranho, por conta de alguns livros que já li, que retratavam a vida nos manicómios, no passado, e a forma como os supostos loucos, ali internados, eram tratados. 

Naquela época, qualquer pessoa que fosse um pouco diferente, ou que tivesse determinadas atitudes mais condenáveis aos olhos da sociedade, era considerada louca, e enviada para hospícios.

Hoje em dia, nunca ali estariam. Naquele tempo, juntavam-se pessoas realmente doentes e loucas, com outras cujo problema nada tinha a ver com loucura.

Alguns médicos até poderiam fazê-lo por mera crença de que aquele "tratamento", de facto, seria o mais adequado, mas também havia nesses manicómios muitos médicos abusadores e repulsivos, que retiravam prazer da tortura que inflingiam aos doentes, que se valiam da posição para agir a seu bel prazer, sem que ninguém ousasse denunciá-los, muitos profissionais que tratavam aquelas pessoas como coisas, que não mereciam nada mais que aquilo que lhes davam que, parece-me a mim, era mais o que tiravam: a dignidade.

Violações, privação de comida ou má qualidade da mesma, choques eléctricos, banhos de água gelada, brutalidade nas tarefas mais simples, o tratamento como animais ou mesmo monstros, muitas vezes acorrentados ou enfiados nas solitárias.

Como é óbvio, quanto mais os tratam assim, mais revoltados ficam, e têm tendência a se defender ou agredir quem lhes faz mal mostrando, a quem está de fora, que são, realmente, "animais perigosos" ou, pelo contrário, a resignar-se e permitir os abusos, dando a entender que os tratamentos resultam.

 

"Tratem-me como um monstro, e monstro serei. Tratem-me com humanidade, e verão o humano que vive dentro de mim."

 

Quando o filme começa, conhecemos Eliza Graves, uma paciente do manicómio Stonehearst, que se percebe que tem sido vítima de abusos mas, ainda assim, está longe de ser louca, pedindo ajuda a todos aqueles estudantes que um dia virão a ser psiquiatras, que a salvem. O psiquiatra, que está a dar a palestra e a exemplificar com base nestes doentes, faz o seu papel, e todos tomam notas, partindo do princípio que a mulher é louca, e os métodos são válidos e eficazes.

Entretanto, uns tempos mais tarde, o Dr. Edward Newgate, recém formado, chega ao Hospício Stonehearst para uma espécie de curso de especialização pós graduação, sendo recebido pelo superintendente Dr. Silas Lamb.

Edward fica um pouco estupefacto com a forma como o hospício é gerido, e os doentes tratados, incluídos nas tarefas diárias, nas refeições, juntamente com os médicos e funcionários, e tratados como humanos que são.

Até que se apercebe que quem está ao comando do hospício são os loucos, e que os verdadeiros profissionais estão aprisionados.

 

Edward tudo fará para reverter a situação, até perceber que não há motivos para ajudar quem nunca soube ajudar. No entanto, também não está disposto a colaborar e pactuar com as acções que vai vendo por parte de Lamb, cuja situação lhes está a fugir ao controlo.

 

Apaixonado por Eliza, que desde o início quer levar consigo dali para fora, vai acabar por ajudá-la, e a todos os que precisam, naquele hospício.

 

O final, esse terão mesmo que ver, para ficarem, ou não, tão surpreendidos como eu!

Rapto Escaldante, de Sandra Brown

Resultado de imagem para rapto escaldante sandra brown

 

O nome do livro engana. Não me pareceu muito escaldante este rapto, ao contrário do que poderíamos começar a imaginar.

A história começa num bar, onde estão dois homens contratados para matar Jordie, irmã do homem que, supostamente, deitou a mão a 30 milhões de dólares. Tudo leva a crer que foi o sócio do irmão que encomendou a sua morte.

No entanto, no último momento, Shaw atira contra o parceiro e rapta Jordie, tentando fazê-la falar, antes de a matar, sobre onde está o seu irmão Josh, e onde está o dinheiro. Só que Jordie nada diz.

Enquanto isso, Josh consegue escapar, mas tem agora que arcar com as consequências dos seus actos, que poderão passar pela morte da sua irmã, e pela sua.

 

Esta é a típica história de Sandra Brown. Mas consegue, ainda assim, surpreender.

Começamos logo com a personagem Shaw. Era de esperar que ele não fosse, afinal, o criminoso que dão a entender, mas um elemento qualquer da CIA ou do FBI. E, no entanto, acabamos por vê-lo ir para o hospital, depois de ferido, tratado como um assassino procurado e algemado à cama de hospital.

E ao contrário do que seria de esperar - ele passar o tempo todo em fuga com Jordie - enquanto ele é preso, Jordie fica sob protecção da polícia, e sob custódia, até novos desenvolvimentos, sobretudo para controlar o que ela sabe, até que ponto está envolvida na fuga do irmão, e se o está ajudar, o que não augura nada de bom. 

Percebemos que houve algo que se passou entre Jordie e Panella, o homem que encomendou a sua morte, e que ela não quer revelar.

Também percebemos que Jordie tem um papel protector de irmã mais velha, mas há algo mais, que a prende ao irmão, que não a deixa viver a sua própria vida.

A determinado momento, comecei mesmo a desconfiar que seria Jordie quem estaria na posse do dinheiro, já que nem o irmão, nem Panella, parecem saber onde está, ou sabem, mas falta-lhes a última peça do puzzle.

E, de tão embrenhada que estava na história, há pormenores que escapam, e estive convencida até muito próximo do fim que Jordie ia ser apanhada e correria perigo. E não deixa de ser verdade. Mas quem sempre ameaçou a sua vida, e tenciona matá-la, é aquela pessoa que nunca me passaria pela cabeça!

Adorei esta reviravolta.

E é por isso que sou fã incondicional da Sandra Brown, e vou continuar a devorar todos os livros dela, assim ela tenha inspiração e vontade para os escrever!

 

 

SINOPSE

Num bar fumarento e sombrio do Louisiana, o olhar de Shaw Kinnard cruza-se com o da elegante Jordie Bennet. Mas não se trata de amor à primeira vista. Ele está lá para a matar. Jordie sente que chegou a sua hora. Mas Shaw tem outros planos, pois sabe que o irmão dela, Josh, deitou indevidamente a mão a 30 milhões de dólares. No último minuto, Shaw poupa a vida de Jordie mas rapta-a. Agora, estão ambos em perigo, pois não são os únicos que procuram Josh e a fortuna roubada. 

Jordie e Shaw precisam um do outro para se manterem vivos - mas confiar é baixar as defesas. E se Shaw emana uma aura de perigo que é quase irresistível, Jordie não lhe fica atrás; é misteriosa e impenetrável, e incapaz de revelar o que sente. À medida que o desejo e a tensão entre ambos aumentam, torna-se evidente que terão de fazer o impensável: confiar um no outro. 

RAPTO ESCALDANTE é uma história de encontros, desencontros e enganos… mas quem está a enganar quem?

  • Blogs Portugal

  • BP