Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Centrar ou dispersar?

 

O que é que valerá mais a pena - centrarmos todas as nossas energias na concretização de um projeto de cada vez, ou dispersá-las por vários ao mesmo tempo, correndo o risco de não dar conta deles todos?

Não é mau ter vários objectivos a alcançar e concretizar, mas até que ponto estaremos inteiramente focados neles, e conseguiremos levá-los a bom porto?

Se conseguirmos fazê-lo, melhor! Mas seria bom pensar bem nas nossas prioridades, naquilo que realmente queremos, na necessidade de realizar tudo ao mesmo tempo, e no tempo que teremos para tudo isso, antes de tomar qualquer decisão precipitada.

Sobretudo, quando essas decisões definirão o nosso futuro.

Por muito que queiramos, não podemos fazer o tempo aumentar nem tão pouco andar com ele para a frente, e não devemos pôr a carroça à frente dos bois, porque pode dar mau resultado.

O problema de, muitas vezes, querermos agarrar tudo o que nos aparece pela frente é que, embora no início pareça fácil, com o tempo pode-se revelar uma tarefa mais complicada, pode começar a pesar, as nossas mãos podem ser insuficientes, e corremos o risco de deixar cair ao chão algumas dessas coisas que não quisémos antes deixar. Nesse caso, acabamos por perdê-las na mesma.

Subir vários degraus de cada vez é possível. Dedicarmo-nos a alguns projectos diferentes também. Mas pode dar muito mau resultado. Em vez de estarmos focados a 100% numa única meta, estaremos divididos em três ou quatro diferentes, e com a nossa atenção reduzida a pouco mais de 25% para cada uma delas, o que pode não ser suficiente para nenhuma.

A ambição, com conta peso e medida, é saudável. Em demasia, nem por isso. E, de tanto querermos tudo, podemos acabar por ficar sem nada!

 

A difícil tarefa...

...de destralhar!

 

 

 

Não porque tenha muita tralha em casa (e tenho mesmo muita), mas porque me é extremamente difícil desfazer-me de tudo o que tenho, mesmo que já não tenha utilidade.

E com este exemplo que, como mãe, dou à minha filha, não seria de esperar que, para ela, a tarefa fosse mais fácil!

É verdade que ao nos desfazermos de coisas antigas, estamos a abrir espaço para as novas. Mas a verdade é que as antigas parecem ter um valor que as novas nunca conseguirão alcançar.

Ainda guardo bonecas e peluches da minha infância! Ainda guardo cobertores de quando era bebé. Ainda guardo alguns dos meus livros da escola. Ainda guardo os meus primeiros telemóveis, o meu primeiro rádio (com 18 anos ainda toca), a primeira televisão (com a mesma idade, ainda trabalha bem)...

Ainda guardo o carrinho de bebé e as cadeiras auto da minha filha, a cama de bebé dela, a roupa dela destes quase 10 anos de vida, brinquedos dela que já viram melhores dias e outros que já morreram...

Ainda tenho a mesma mobília que comprei há quase 11 anos, apesar de já quase toda precisar de ser substituída (mas para isso também é preciso dinheiro)...

Tenho muitas coisas em casa da minha mãe porque na minha já não cabia. E o facto é que, a pouco e pouco, o espaço na casa vai ficando mais   apertado.

Em determinados momentos, dou por mim a pensar que tenho que dar uma volta à tralha, dar algumas coisas, tentar vender outras e ter uma casa mais leve. Mas se depressa os pensamentos vêm, mais depressa vão embora.

No entanto, esse dia já esteve mais longe. E sei que, quando finalmente ganhar coragem, vai tudo a andar dali para fora!

  • Blogs Portugal

  • BP