Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A Linguagem Secreta das Irmãs - Luanne Rice

Resultado de imagem para a linguagem secreta das irmãs

 

Mais um livro que tinha por lá guardado há algum tempo, e que li nestes últimos dias.

Foi a minha estreia também com esta autora, e posso-vos dizer que gostei muito, embora o título não me pareça o mais apropriado para a história.

É que, baseada no título, estava à espera de ver uma forma muito própria e especial destas duas irmãs se comunicarem, quando mais ninguém conseguia, mas não é isso que acontece, nem é tanto sobre isso que se foca o enredo, embora a relação forte e única entre irmãs esteja presente.

 

Ruth Ann - Roo, e Mathilda Mae - Tilly, são duas irmãs com uma diferença de dois anos de idade, sendo Roo a mais velha e, para muitos, a mais bonita, a mais talentosa, a mais especial, aquela que possui "poesia de vida"!

Tinha um futuro promissor à sua frente, estando a preparar-se para se candidatar à universidade no próximo ano lectivo. Enquanto isso, ia completando o seu portfólio de fotografias, que adorava tirar, e cujas imagens conseguia captar como ninguém.

Tilly era a irmã mais nova. Ambas tinham uma relação especial, e eram muito amigas, embora Tilly sentisse, por vezes, alguns ciúmes da irmã e, de certa forma, um sentimento de inferioridade, por não ter tantas qualidades e talento como Roo.

Naquele dia, Tilly estava à espera da irmã. Roo tinha ficado de ir buscá-la mas, pela primeira vez na sua vida, Roo estava atrasada. Tinha feito várias paragens pelo caminho, para fotografar.

Tilly estava possessa e enviou mensagem atrás de mensagem para o telemóvel da irmã, a demonstrar isso mesmo. Roo, que tinha por lema nunca enviar mensagens enquanto conduzia, mas vendo que a irmã não sossegava, quebrou as regras, e enviou-lhe uma simples mensagem a dizer que estava a 5 minutos.

Foi uma mensagem curta, mas suficiente para a distrair da sua condução, para a fazer perder o controlo do carro e, ao tentar evitar o atropelamento de uma senhora idosa e do seu cão, capotar e cair pela ribanceira, direito ao rio.

Este será o primeiro tema abordado pela autora. Porque continuamos a ver constantemente pessoas a falarem ao telemóvel, enquanto conduzem, bem como a ler ou enviar mensagens, apesar de saberem os riscos que correm.

 

Na sequência do acidente, a vida de Roo irá mudar para sempre. Aparentemente em coma, os médicos descobrirão, mais tarde, que ela está consciente, mas sofre de Síndrome de Encarceramento, uma doença neurológica rara, em que ocorre paralisia de todos os músculos do corpo, com exceção dos músculos que controlam o movimento dos olhos ou das pálpebras.

Nesta doença, o paciente fica preso dentro do seu próprio corpo, sem conseguir movimentar ou comunicar, porém mantém-se consciente e intelectualmente ativo.

Não existe cura para esta doença, apenas alguns tratamentos que podem atenuar os sintomas, e tecnologias que podem ajudar as vítimas a comunicarem com as outras pessoas. 

Roo fica, assim, com os seus sonhos totalmente destruídos. Como se isso não bastasse, vai perceber a proximidade entre o seu namorado, com quem tinha intenção de terminar, e da sua irmã e melhor amiga, e isso vai abalar a relação entre as irmãs.

 

Serão elas capazes de ultrapassar estes percalços? Conseguirá Tilly viver com a culpa pelo acidente da irmã? Conseguirá Roo perdoá-la? Haverá culpados?

Conseguirá Roo aceitar o seu problema e a nova vida que a espera? Haverá no meio de tudo isto, alguma chance para o amor?

 

Eu recomendo este livro!

 

 

E deixo-vos aqui algumas histórias reais de pessoas que foram vítimas desta doença:

Martin Pistorius

Kate Allatt

Christine Waddell

Richard Marsh

 

 

 

 

 

O dia de uma criança sem internet

Resultado de imagem para crianças e internet

 

 

 

As crianças (e muitos adultos também) estão cada vez mais dependentes das novas tecnologias, sobretudo da internet!

Acordam já a pensar em ir ao PC, estão sempre à espera de um tempo livre para lá estarem e, com sorte, é a última coisa que fazem antes de irem para a cama!

E quando não é no PC, é no tablet, ou no telemóvel. Até mesmo nos intervalos de escassos 5 ou 10 minutos entre aulas.

Se lhes tirarmos a internet, ficam perdidas - "E, agora, o que é que fazemos?"

 

transferir (4).jpg

 

 

A não ser que tenhamos um programa muito empolgante que as faça sair de casa, não é fácil distraí-las.

 

Fazer uma caminhada e aproveitar o bom tempo? Não, estão cansadas!  

Fazer uns desenhos bonitos para depois colorir? Ainda começam mas, ao fim de pouco tempo, queixam-se que já lhes dói a mão.

Ver um filme animado na televisão? Não há nada que gostem!

Jogar um dos vários jogos à disposição? Fartam-se ao fim de 10 ou 15 minutos!

 

Ficam aborrecidas, sem nada que lhes agrade, com que se entretenham. E acabam por chatear a cabeça aos pais. Porque aquilo que lhes apetece fazer, em alternativa, nem sempre agrada aos pais.

Mas, a partir do momento em que estão autorizadas a ir à internet, é vê-las entretidas horas a fio, ora a ver ou escrever em blogs, ora a ver vídeos que outras crianças e adolescentes gravam sobre tudo o que possamos imaginar (e até de coisas que nem imaginamos), ora a jogar, ou qualquer outra actividade que as cative!  

E o que é que os pais vão dizer se, muitas vezes, eles próprios passam o seu tempo livre da mesma maneira?!

 transferir (6).jpg

 

 

Ler na infância

 

Uns dias antes do Natal, fomos visitar a mãe do meu marido.

Estava ela num centro comercial, na loja onde uma amiga estava a trabalhar - uma loja solidária de venda de artigos para ajudar uma associação.

Tinha vários artigos entre os quais brinquedos, roupas e livros. A minha filha disse-me que gostava de comprar um livro. Perguntei o preço. Custavam € 0,50 cada um!

A Inês conseguiu encontrar 4 livros da colecção "Uma Aventura" e comprámo-los por apenas € 2,00! É certo que não são novos, alguns têm mais anos que ela, mas fomos solidários e ela trouxe aquilo que mais gostava, e que lhe dá prazer.

Uma outra amiga da minha sogra, que estava também na loja, ficou admiradíssima por uma criança nesta idade querer livros e gostar de ler. Normalmente, as crianças preferem computadores, tablets, playstations e outras consolas e todas as novas tecnologias que existem no mercado.

Para ela, a minha filha foi uma das poucas excepções, e surpreendeu-a de tal forma que prometeu oferecer-lhe um livro que tinha e que ela iria, com toda a certeza, gostar.

De facto, todas as crianças deveriam ler porque um livro pode ser uma fonte de conhecimento, de aprendizagem, até mesmo uma parte importante da nossa formação como pessoas e futuros adultos.Os benefícios da leitura são amplamente conhecidos. Quem lê adquire cultura, passa a escrever melhor, tem mais senso crítico, amplia o vocabulário e tem melhor desempenho escolar, entre muitas outras vantagens.

E embora cada caso seja diferente, é mais provável que o hábito da leitura nas crianças esteja relacionado com os hábitos de leitura dos pais. No nosso caso, eu ganhei esse gosto desde pequena, porque o meu pai mo incutiu, levava-me à biblioteca para escolher livros para ler, coleccionava livros e comprava-me alguns. A minha filha, acho que começou a interessar-se mais a partir do momento em que eu retornei a ler e comprar livros. 

Neste momento, está na fase de querer livros e mais livros, e devora-os num instante! Espero que esse gosto lhe dure para o resto da vida!

 

Como as novas tecnologias nos (des)preparam para a vida

É impressionante como nos habituamos tão facilmente às novas tecnologias, e como é tão mais difícil, depois, voltarmos aos métodos antigos.

Para mim, por exemplo, o microondas é uma das melhores e mais úteis invenções dos últimos tempos! Não há um dia em que não o utilize, a não ser quando falta a electricidade, ou se avaria. É nessa altura que a minha vida se complica. Uma coisa tão simples como aquecer o leite ao pequeno almoço - encher uma tigela com leite e aquecer no microondas durante 2 minutos para ficar na temperatura certa - torna-se uma aventura quando feito no fogão. Não sei que quantidade de leite dá para duas tigelas e, ou desligo antes do tempo e continua frio, ou aqueço demais e ferve, e depois já não o bebo!

No outro dia, a minha máquina de lavar roupa deixou de a torcer. E agora? Agora, é torcê-la à mão! Não seca tão depressa mas não é o fim do mundo. Antigamente, quando era mais nova, cheguei a ajudar a minha mãe a lavar roupa à mão, e torcê-la.

Abrir uma torneira e ter água quentinha à mão é uma maravilha. Um esquentador e água canalizada dão imenso jeito e já não sei viver sem ambos. Mas a verdade é que, noutros tempos, também se tomava banho. A diferença era que tínhamos que aquecer primeiro a água, em grandes panelas, e depois colocá-la num recipiente qualquer, e ir deitando sobre o corpo. 

Antigamente, tínhamos que saber escrever à mão correctamente. Hoje, teclamos, são-nos indicados os erros e a devida correcção, e escolhemos o tipo de letra que mais nos agradar. Antigamente, fazíamos os cálculos à mão, ou de cabeça. Hoje, corremos para a calculadora mais próxima. E desaprendemos a fazer contas!

Tenho a sensação que todas estas, e outras, tecnologias nos despreparam para a vida, no sentido em que nos acomodamos de tal forma a elas que é difícil desenrascarmo-nos quando elas falham. Ainda assim, estou grata por elas existirem, e fazerem parte do meu dia a dia!  

Peripécias de fim de semana

O cúmulo das novas tecnologias:

 

Ter dois telemóveis, deixar um em casa a carregar e levar o outro. Depois das compras do mês feitas, pegar no telemóvel e querer ligar ao marido para nos ir buscar, e verificar que também aquele ficou sem bateria! Dirigir-me à loja de telemóveis para ver se tinham algum carregador que me desenrascasse, e perceber que nenhum era compatível! Resultado - tive que comprar um telemóvel dos mais baratos para poder fazer a chamada que queria. Foi quando me lembrei que o número estava gravado no telemóvel e não no cartão! O que vale é que tanto eu como a minha filha sabíamos o número!

 

O cúmulo da poupança em tempo de crise:

 

 

Estou habituada aos telemóveis Samsung básicos, e ao seu modo de funcionamento, que me é muito útil. Por isso, não me consegui entender com este novo TMN. Resultado - vai ficar para a minha filha e eu comprei um Samsung nos correios, também dos mais baratos, que é mesmo o que eu queria para suceder ao meu velhinho que está cada dia mais doente!

 

O sentido de oportunidade:

 

 

Comprar um bolo de chocolate Milka para a minha filha, e ela não o poder comer porque andava mal disposta e com dores de barriga!

 

  • Blogs Portugal

  • BP