Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Das férias que já se foram

Sem Título.jpg

 

Então, Marta, como foram essas férias?

Olhem, passaram-se!

 

Pouca ou nenhuma televisão vi.

Não peguei num único livro.

Deitei-me quase todos os dias cedo (o único em que fiz excepção valeu-me uma enxaqueca).

Levantei-me quase todos os dias cedo (porque as bichanas queriam alguém de pé para as servir).

 

Depois, para mim, férias de verão é sinónimo de praia.

E, por azar, este ano, pouca praia pude fazer, por causa do bicho que me foi diagnosticado.

Só quem passou grande parte da sua vida nas praias, sabe o quanto elas fazem falta, o quanto precisamos delas.

Aquele sol que nos aquece e nos traz energia. Aqueles mergulhos na água gelada que nos revigoram e levam toda a negatividade.

 

Sim, é verdade que fizemos alguns passeios mas, esses, posso fazer em qualquer altura do ano.

Já a praia...

Mas pronto, tudo por uma boa causa.

 

O que é certo é que o dinheiro se foi, não faço ideia em quê, os dias passaram, e parece que não fiz nada de especial.

Penso que é sempre assim, quando olhamos para trás.

Fica sempre a sensação de que se podia ter feito mais, aproveitado melhor.

E a promessa de que no ano seguinte se irá fazer diferente.

É mais uma daquelas que, na hora, com sorte, se desvanece.

 

Enfim...

As férias acabaram.

Agora só para o Natal, e verão, só para o ano.

Restam 11 longos meses de trabalho pela frente, e fins de semana para tentar compensar.

 

Mais de meia hora para chegar à praia?!

290567830_1055434441769610_2384078995559196366_n.j

 

Não ia à Ericeira, de autocarro, desde antes da pandemia.

Nesse meio tempo, foi construído um novo terminal para os autocarros, e desactivado o antigo.

Esta semana, fomos à praia, e ficámos a saber onde se situa o novo terminal.

E fica longe! Muito longe! Do centro. E das praias.

 

Sim, há o chamado "beach bus", que não sei se é pago ou não, que leva os turistas e afins às praias, e de volta ao terminal. 

Mas nem sempre os horários coincidem, e não compensa ficar à espera, ou perder ainda mais tempo.

 

Assim, e porque a praia mais próxima está interdita a banhos, fomos "obrigadas" a ir para uma outra, onde agora se junta a malta toda, e caminhar durante mais de meia hora (para baixo todos os santos ajudam), para chegar ao areal e, depois, uns 40 minutos até ao terminal, sendo que o caminho é sempre a subir.

 

Depois, como aquela é a única paragem, junta-se ali toda a gente, o que significa chegar cedo para ter a sorte de ocupar um lugar sentado.

 

Se compensa?

Digamos que a partir do momento em que chegamos à praia, mergulhamos no mar, e nos deitamos ao sol, esquecemos o que passámos, e o que temos pela frente.

Mas não dá para fazer isto vários dias seguidos, porque é cansativo, e o corpo ressente-se.

Uma semana de férias...

POST-FERIAS.jpg

 

Tenho uma semana de férias.

O marido regressou ao trabalho. Venho eu para casa.

É assim a vida.

A minha filha está indecisa entre passar algum tempo com a mãe, ou trocá-la pelas amigas.

 

E eu, assim de repente, imagino tantas coisas que queria ou poderia fazer mas, ao mesmo tempo, não me imagino a fazer nada mais do que ficar em casa, sem mexer uma palha!

Quero planear tantas coisas. Parece que o tempo é pouco.

Às tantas, deixo acontecer e, quem sabe, sobra tempo.

 

Uma semana de férias para descansar ainda que, em casa, haja sempre no que trabalhar, se assim o quiser.

E se sair, só para não ficar em casa, até posso passear, recuperar energias, espairecer. Mas, depois, parece-me que o preço é andar a correr.

 

Uma semana não dá para muito.

Não dá para fazer programas em família.

Não dá para ir muito longe.

 

Mas é uma semana.

E há que aproveitá-la.

O tempo, e a vida, são demasiado preciosos, para desperdiçá-los.

 

Venha de lá ela, então!

Quando, para não falhar aos outros, falhamos a nós mesmos...

Palabras en japonés | Arte manga, Dibujos anime manga, Dibujos de anime 

 

Ao longo da vida, são vários aqueles com quem contamos, e que contam connosco, nas mais diversas ocasiões.

E existem situações em que essa necessidade se faz sentir mais.

Faz parte do ser humano.

Da mesma forma que gostamos que estejam lá para nós, também nos sentimos no dever de estar lá para os outros.

 

Por isso, para não falhar com aquele, abdicamos de algo. Para não desapontar aqueloutro, mais alguma coisa fica para trás. E porque alguém está a contar connosco, "roubamos" mais um bocadinho a nós.

 

O problema surge quando, para não falharmos aos outros, acabamos por falhar a nós mesmos.

Quando queremos tanto não defraudar ninguém, que acabamos por dispender todo o nosso tempo, e toda a nossa energia, com os outros, não sobrando nada a que nos agarrarmos quando, finalmente, pensamos em nós.

 

Se não o fizermos, ficamos a remoer e a sentir alguma culpa porque, afinal, ainda que não nos tenham pedido nada, sabemos que podemos fazer a diferença.

Se o fizermos, ficamos frustrados porque, em prol dos outros, nos esquecemos de nós. 

 

Esquecemo-nos de que também temos que olhar para, e por, nós.

Que, por muito que não queiramos ser egoístas, também não nos devemos colocar em último plano.

Como se não tivessemos qualquer importância. Temos!

Como se tudo aquilo que sentimos, e precisamos, fosse insignificante. Não é!

 

E, por vezes, temos que nos convencer de que não temos superpoderes.

Que não conseguimos chegar a todos, o tempo todo.

Que, se calhar, naquele dia, a pessoa que mais precisa, somos mesmo nós...