Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Começaram os Tira-Teimas no The Voice Portugal

126511359_4065508483463444_4948212781075400013_o.j

 

Começou ontem, ao vivo, a fase dos Tira-Teimas, no The Voice Portugal.

E, se as novidades foram muitas, tal como as alterações à dinâmica desta fase, nem por isso surpreenderam pela positiva.

 

O Conguito foi um daqueles erros de casting que de vez em quando se cometem.

Muito forçado, muitas vezes parecia que não sabia o que dizer ou perguntar. Parecia alguém que andou a estudar o guião mas, em directo, se esqueceu de algumas partes e ficou à nora. As tentativas de ter piada também não resultaram da melhor forma.

Nada a ver com a Mafalda de Castro, nas edições anteriores.

 

Equipa Marisa

Quanto às actuações, com a equipa da Marisa a apresentar todas as suas apresentações, esta deveria escolher os quatro que ficavam nas cadeiras no "tudo ou nada", ficando os restantes a votos, para o público escolher mais dois.

Como é óbvio, as primeiras quatro actuações ocupam as cadeiras e, depois, é substituir uns pelos outros. A Marisa começou, bem, por tirar a Rafaela e a Sara. Mas depressa descambou, ao tirar a Laura, para dar lugar à dupla Luciana e Pri. Tal como tirou o João, para dar lugar à Favela.

Relativamente à Laura, que é uma das concorrentes mais fortes da sua equipa, disse a Marisa que "sabia" que ela iria ter muitos votos e, por isso, seria salva.

Quando ela percebeu que assim não foi...

A cara de choque que a Marisa fez quando percebeu que a Rafaela tinha sido salva pelo público. E que, com a escolha do João, perdeu aquela que era uma das suas concorrentes mais fortes, e que ela achou que ia ter muitos votos. Terá ela percebido, naquele momento, o tamanho do erro que cometeu? Para mim, os seis justos seriam João, Laura, Susana, Carina, Luís e Favela. A Rafaela esteve bem melhor ontem, mas ainda assim não a via nas galas. A Luciana e Pri não foram felizes na sua actuação. A Sara Leite nunca me conquistou e acho que nem aqui devia ter chegado.  

 

Equipa Zambujo

Já na equipa do António Zambujo, parece que ninguém percebeu o que aconteceu ao seu concorrente Márcio Gonçalves, que não esteve presente e, ao que parece, ficou desde já de fora do lote dos 6 apurados para as galas, tal como os Talita Cayola e a Patrícia Pratas. Com a repescagem da Mariana, acabou esta por ganhar um lugar nas galas.

Apesar das boas vozes que tem na equipa, palpita-me que o Zambujo este ano vai levar o Tiago à final.

 

 

DSC_5922-1600x1068.jpg

 

Ficam agora por apurar os concorrentes da Aurea e do Diogo.

Mas a sensação que fica, já desde a fase das batalhas, é a de que estão a querer apressar o programa, não sei se para chegar às galas, ou se para acabar mesmo.

E não estou a gostar muito da forma como está tudo a ser despejado de enfiada, em cima de quem está, deste lado, a acompanhar.

 

 

Imagem: The Voice Portugalholofote

 

Batalhas pouco justas no The Voice Portugal

123138038_4004479422899684_3957579400913382055_o.j

 

Terminou ontem a fase das provas cegas no The Voice Portugal, mas ainda houve tempo para estrear a fase das batalhas.

E com novidades que, a mim, não me agradaram muito.

 

Agora, em vez de serem os mentores a escolher quem querem colocar frente a frente, com a mesma música, os concorrentes são escolhidos à sorte, e esses escolhidos escolhem, por sua vez, com quem querem travar a batalha.

Embora faça mais sentido do que a, muitas vezes tendenciosa, escolha dos mentores, penso que deveriam ser ambos tirados à sorte.

Pelo que percebi, a música, será escolhida pelos concorrentes, e não pelo mentor.

O que leva à pior novidade das batalhas: cada concorrente canta uma música diferente, e à vez. O que não faz qualquer sentido, porque os mentores deveriam avaliar a prestação de cada um, no mesmo tema e registo.

Nos tira-teimas já iriam ter a oportunidade de fazer o que agora estão a fazer nas batalhas.

 

 

 

123400453_4004363749577918_6111562670985523876_o.j

 

Posto isto, veio a primeira batalha, entre dois concorrentes fortes da Aurea que, por acaso, nas provas cegas, cantaram o mesmo género musical e, por isso, fez sentido quando a Catarina, sorteada, escolheu o António para travar a batalha consigo.

No entanto, se o António se manteve fiel a esse registo, e com uma boa prestação, a Catarina optou por mostrar a sua diversidade, com outro estilo musical.

Cada um no seu registo, ambos estiveram bem e seria difícil escolher, mas pareceu-me óbvia a escolha da mentora.

 

O António mencionou que nunca sentiu discriminação ou preconceito pela sua idade.

Pois aqui, não retirando mérito à Catarina, pareceu-me uma atitude um pouco preconceituosa da mentora. É óbvio que querem dar oportunidade aos mais novos, de se lançarem na música, e a Catarina é jovem, ao contrário do António.

A Catarina mostrou um outro lado dela, que faz o género da Aurea e, por isso, aliando o gosto à diversidade da concorrente, foi meio caminho andado para a decisão. Talvez, se a Catarina tivesse optado pelo lírico, a escolha não fosse tão fácil.

Mas está mais que visto que o lírico nunca vingou neste tipo de programas e, como tal, dificilmente chega muito longe.

 

 

 

Imagens: The Voice Portugal

 

 

Estreou a 8ª temporada do The Voice Portugal

120300460_3891851450829149_6885316891392434870_o.j

 

E digo-vos que foi a primeira vez, numa prova cega, que, de forma geral, concordei com as decisões dos mentores!

Confesso que, no domingo, nem me lembrei que o programa ia estrear. Nem sequer pus a gravar.

Depois, quando fiquei a saber, não me apeteceu muito vê-lo. Seria mais do mesmo, e começo a ficar um pouco farta deste tipo de programas.

 

Mas...

Ontem, deu-me para dar o benefício da dúvida, e assistir ao programa.

Mantêm-se os dramas dos concorrentes mas, desta vez, com a diferença de que, nem mentores, nem apresentadores (sobretudo a Catarina), podem confortá-los com abraços, o que deve ser mais difícil. Ainda que tenha havido por ali uma proximidade que não sei se seria aconselhável.

 

Parece-me que os mentores estão (até ver) com uma mentalidade mais aberta quanto ao diferente, embora ainda se mantenham alguns velhos hábitos. 

Houve espaço para concertina, cante alentejano e música mexicana. Houve espaço para suavidade e simplicidade, mas também malabarismos de voz.

 

A primeira etapa de provas cegas foi uma boa supresa, cheia de grandes e diversificados talentos, como se pode comprovar pelo número de concorrentes que já ficaram seleccionados.

 

Os meus preferidos foram: João Amaral, Andor Violeta, Natacha Oliveira, Tiago Barbosa e Carina Leitão.

Trocava, talvez, a Catarina Pereira (seleccionada), pelo Carlos Villarreta (eliminado).

 

Gostei da atitude da concorrente Joana, ao afirmar que a sua prestação tinha sido fraca, e que percebeu que este tipo de programas não é para ela. Cantar sim, mas fora deles. 

Muitas pessoas podem perguntar-se como é que uma pessoa que faz da música a sua vida, sente nervos numa prova destas.

Penso que seja um pouco como aqueles alunos que sabem a matéria toda mas chegam ao teste, dá-lhes uma branca, bloqueiam, e tiram uma nota baixa. Se for preciso, basta entregar o teste, e começam a lembrar-se das respostas que deviam ter dado.

 

Notou-se, para já, uma preferência dos concorrentes pelo António Zambujo, provando que acreditam ter mais hipóteses com ele, do que com os restantes, e acabando para já, com o "reinado Marisa".

 

Vamos ver como correrão as próximas provas mas, para já, convenceu-me!

 

 

Imagem: The Voice Portugal

 

 

Rita Sanches foi eleita a "voz" de Portugal

82771339_3156101524404149_7829029479941931008_n.jp

 

Realizou-se ontem mais uma final do The Voice Portugal, que viu ser eleita vencedora, a concorrente Rita Sanches, do mentor António Zambujo que, assim, se estreia nestas lides com uma vitória!

Como é óbvio, no rescaldo desta surpresa (sim, acho que foi uma surpresa para a maioria de nós), há quem considere a Rita a justa vencedora, mas há ainda mais quem não tenha gostado, quem critique, quem tivesse outra preferência e, até, quem, à semelhança das edições anteriores, levante suspeitas sobre as votações.

 

 

82129223_3155884807759154_3248861868562841600_n.jp

 

Estavam 5 concorrentes a disputar a vitória: O Gabriel, a Joana, a Rita, a Carolina e o Sebastião.

Logo no início, quando mostraram o quadro das votações até ao momento, o Gabriel estava em último e, a primeira coisa que pensei foi "Impossível! A não ser que seja uma estratégia para votarem ainda mais nele."

Achei mesmo que ele seria o vencedor, quebrando assim o jejum à Aurea, que se fica quase sempre pelo segundo lugar, morrendo na praia. O que se confirmou, mais uma vez.

 

 

Sem Título.jpg

 

Gosto do Gabriel. Não achei que estivesse tão bem na final.

E confesso que as lágrimas, tanto dele, como da mentora, já enjoam um pouco e soam forçadas, propositadas.  Se assim o foi, creio que acabou por ter o efeito inverso. A Aurea já teve excelentes concorrentes e, não desfazendo o mérito e talento do Gabriel, achei exagerada a forma como a Aurea se referiu a ele.

 

 

Sem Título1.jpg

 

Era mais que certo que a Carolina se ia ficar pelos últimos lugares. Nunca reuniu muita preferência do público, ao contrário da Rita.

No entanto, a Carolina foi sempre a Carolina, do início ao fim. Posso não gostar do estilo dela, mas pelo menos tem um estilo, que já é meio caminho andado para o sucesso.

 

 

Sem Título5.jpg

 

Imaginei que o Sebastião não fosse, igualmente, longe. A Marisa já venceu duas vezes seguidas, não lhe dariam novamente a vitória. E o Sebastião também não tinha um grande apoio, em comparação com os restantes.

Ainda assim, na final, foi dos concorrentes que mais gostei de ouvir. Simplicidade, verdade, cumplicidade, humildade. 

Acredito que, com as mãos certas, ele poderá desabrochar e chegar longe, com o seu estilo muito próprio.

 

 

Sem Título3.jpg

 

Pensei que fosse a Joana a disputar o primeiro lugar com o Gabriel, embora acreditasse que se ficaria apenas pelo segundo lugar.

O público sempre a apoiou, mas achei que esse apoio não chegaria para vencer. 

Não conhecia a Joana antes do The Voice.

Daquilo que ela foi mostrando no programa, na minha opinião, a Joana tem uma bonita voz, mas para determinados géneros musicais, e algumas escolhas talvez a tenham prejudicado.

Na final, esteve excelente. Temi quando percebi que ela ia cantar Lady Gaga, mas venceu o desafio.

 

 

maxresdefault.jpg

 

A Rita Sanches pode ter uma boa voz, pode ter técnica, teve um enorme apoio do público, que lhe deu a vitória, mas a mim soou-me, muitas vezes, a uma voz igual a tantas outras, com nada de particular que a faça sobressair.

Um pãozinho sem sal que até é saudável e se deve comer, mas que não deixa aquela sensação de prazer, quando se saboreia.

 

Feitas as contas, e não falando de eventuais concorrentes que poderiam ter estado ali, e ficaram pelo caminho, dos 5, não havia nenhum que pudesse dizer ser o meu preferido, ou que se destacasse em grande escala como aconteceu com a Deolinda ou o Dennis Filipe, por exemplo.

Até mesmo o Fernando Daniel, embora não sendo o meu preferido nessa edição, conseguia reunir o consenso geral de que iria chegar longe. E está a dar provas disso.

 

Rita Sanches pode ter sido a vencedora do The Voice Portugal.

Pode ter sido eleita (de forma honesta ou duvidosa, só quem de direito saberá) a "voz" de Portugal.

Mas, à semelhança da Marvi (alguém mais ouviu falar dela?), não acredito que, no futuro, se oiça falar muito dela.

Vamos esperar para ver...

 

Parabéns a todos, vencedores e vencidos!

E que esta etapa seja apenas o começo para eles.

 

 

Imagens: The Voice Portugal

Os finalistas do The Voice Portugal

Sem Título1.jpg

 

Foram ontem escolhidos, por mentores e público, os finalistas do The Voice Portugal e, confesso, fui surpreendida por algumas dessas escolhas.

A minha previsão era:

 

Equipa Diogo Piçarra

O Diogo daria mais pontuação ao Gabriel, que era desde o início o seu favorito à vitória. 

Acreditava que, apesar do apoio do público à Joana, seria o Gabriel o finalista.

Mas o público foi decisivo e deu a vitória à Joana Alegre.

 

Equipa Aurea

Era óbvio que a Aurea iria dar mais pontuação ao Gabriel de Rose, e não tive dúvidas de que seria ele o finalista.

Confirmou-se.

 

Equipa António Zambujo

Como seria de esperar, o António deu a sua maior pontuação à Carolina que era, para si, a merecedora de ir à final.

Nas últimas galas, o público tem preferido a Rita, mas não sabia se seria o suficiente para a levar à final. Acreditei que fosse a Carolina a finalista.

Mas o público escolheu a Rita.

 

Equipa Marisa

A Marisa prefere o Sebastião ao Francisco, já tínhamos percebido isso. Achei, por isso, que ela fosse dar mais pontuação ao primeiro, mas surpreendeu-me, pela positiva, ao dar essa vantagem ao Francisco. Achei mesmo que seria o Francisco o finalista.

Mas também o público me surpreendeu, e votou no Sebastião.

 

Apurados os 4 finalistas, os apresentadores anunciaram a novidade. O público poderia votar nos 4 restantes, para escolher um 5º finalista.

 

 

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas em pé

 

E aqui, mais uma vez, fui surpreendida. Acreditei que a escolha recaísse sobre o Francisco ou o Gabriel, mas foi a Carolina a eleita, para grande alegria do mentor que, na sua estreia, leva assim duas finalistas à última gala!

 

E agora, quem acham que vai ganhar?

Eu acredito que a vitória seja do Gabriel de Rose, da equipa da Aurea.

 

 

Imagens: The Voice Portugal