Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Isto é gozar com quem trabalha

Desenho de Smiley irritado pintado e colorido por Usuário não registrado o  dia 16 de Março do 2016

 

Como se costuma dizer "Quem trabalha para aquecer é o microondas".

Nós, comuns mortais, trabalhamos porque precisamos do dinheiro. Porque chega ao fim do mês e há contas para pagar. Contas que não esperam. Cujo pagamento não se pode adiar para quando calhar.

Suponho que qualquer empresa/ pessoa, que contrate os serviços de alguém, saiba que esse trabalho tem que ser pago. E até sabem, mas algumas estão-se nas tintas para isso.

 

Este mês, foram contratados os serviços de vários seguranças para fazer o Carnaval (4 dias), dizendo que o serviço seria pago após o Carnaval (depreende-se que seria nessa mesma semana, mas a verdade é que o "após" é muito vago).

Enviadas mensagens para saber quando, exatamente, seria feito o pagamento, foram informados pelo responsável que seria até ao fim da semana seguinte. Não foi.

 

Nova mensagem na segunda-feira, após saber que um dos colegas já tinha recebido, e o responsável pergunta se o segurança pode ir a um sítio qualquer buscar o dinheiro, ou seja, gastar gasolina, para receber aquilo que é seu por direito, o que não faz qualquer sentido. Como não podia fazer o pagamento por MBWay, pediu então o IBAN para transferência. Que não fez.

 

Quarta-feira, nova mensagem e o dito responsável pede novamente o IBAN (como se já não o tivesse) para a transferência, que ainda não tinha sido feita, apesar das promessas, dizendo que vai fazer, para o segurança estar descansado. E, de caminho, já a perguntar se o mesmo pode fazer mais serviços. É preciso ter lata!

Sim, porque lata há muita. Dinheiro é que continua a não se ver.

 

Qual é o ojectivo?

Depois admiram-se de ninguém querer trabalhar para ele.

Primeiros serviços, para cativar o pessoal, pagos na mesma semana, ao fim de 2 ou 3 dias.

Quando tem os seguranças garantidos, começa a pagar cada vez mais tarde, sempre com muitas promessas vãs de "é hoje", "é amanhã", "é na próxima semana".

E com o funcionário a ter que se chatear, e estar quase a "mendigar" o que lhe é devido e que esta gente, se tivesse um mínimo de bom senso, deveria pagar sem lhe ser pedido.

 

Qual é o objectivo?

Ficar com o dinheiro a marinar?

Ou nem sequer o têm, e vão dando desculpas?

Estão à espera de trabalho voluntário? De borlas?

 

É que isto é mesmo gozar com quem trabalha, ao mais alto nível.

 

 

 

 

 

 

Os últimos dias...

Página 2 | Cansaco Desenho Imagens – Download Grátis no Freepik

 

... têm sido muito cansativos.

Saí do trabalho na quinta-feira, fomos a casa pegar nas gatas e seguimos para o veterinário, para levarem a vacina.

Portaram-se bem, estão em forma - uma não engordou, a outra perdeu umas gramas - e só lá voltam em 2026.

Nessa mesma noite, preparar as coisas para a cirurgia do meu marido, do dia seguinte.

 

Sexta-feira, dia de cirurgia para ele. Passou o dia todo no hospital, veio para casa ao final da tarde.

Já eu, saída do trabalho, tive que ir com a minha filha a mais uma etapa da vida dela.

Cheguei já tarde, o marido à minha espera para o ajudar, e tudo em casa para fazer.

 

O fim de semana foi passado entre as tarefas domésticas do costume, e em modo "moça de recados", "administrativa" e "enfermeira".

Esta semana, não será diferente, com o marido em casa, de baixa, e sem poder fazer grande coisa. E as mulheres da casa a trabalharem.

 

Mas pronto, hoje já é terça-feira! Já não falta tudo 

 

Das férias, e do regresso ao trabalho

20230831_184157.jpg

 

Cumprindo a tradição, voltei a escolher as minhas férias no mês de Agosto.

Já tinha tido uma semana em Julho, em conjunto com o meu marido.

A minha filha teve na semana seguinte. Não conseguimos estar juntas.

 

Em Agosto, só consegui estar com ela, em modo férias, um dia! 

Tivemos sorte com o tempo. Foi um daqueles dias de calor, em que fomos as duas à praia, matar saudades dos velhos tempos.

Só as duas.

 

A vida muda.

As pessoas mudam.

As circunstâncias mudam.

E, se há coisa que senti falta, nestas férias, foi de as aproveitar com a minha filha.

Mas ela agora trabalha. Tem as suas responsabilidades. 

 

Por outro lado, é, também, por ela estar a trabalhar, que não sinto aquele "ódio" de estimação pelo mês de Setembro, que significava, para além do regresso ao trabalho, o regresso às aulas.

Mesmo em relação ao trabalho, apesar de sentir que podia estar mais dias de férias, voltei e parece que nem saí daqui.

Tudo entrou no ritmo sem stress.

 

Quanto às férias, serviram para esquecer horários, e a rotina laboral, para dar lugar a caminhadas, umas idas à praia, ver filmes e séries, limpar as orelhas à casa, e dar colo e fazer companhia às felinas. 

 

Somos facilmente substituíveis

Sem Título4.jpg

 

Se dúvidas ainda houvesse, de que, hoje em dia, qualquer um é facilmente descartável ou substituível, acredito que, cada vez mais, elas são dissipadas.

No outro dia fiquei a saber que o colega de trabalho da minha filha ia deixar de trabalhar lá. Por opção própria. Lá terá os seus motivos.

Ficaria apenas até ao final do mês.

 

Ontem, a minha filha chega ao trabalho e o dito colega já não está.

No lugar dele, já estava um novo.

Ficou depois a saber que, como já tinham aquele para o substituir, disseram que o antigo não precisava de ir mais.

 

É isto.

Quando um não quer, há mais quem queira.

E nem dá tempo de arrefecer o lugar.

 

Quanto ao colega da minha filha, tenho pena, porque parecia bom rapaz e bom colega, simpático.

Estavam lá os dois, praticamente, desde que a loja abriu, em Dezembro (chegou uma ou duas semanas depois da minha filha).

Faziam uma boa equipa.

Mas, se vai para melhor, é isso que importa.

Já não há respeito

depositphotos_198596912-stock.jpg

 

Há cerca de um mês, andava o pessoal da Câmara, suponho, a cortar as ervas daninhas na rua onde temos que passar para ir trabalhar.

Nessa altura, uma das ervas acertou-me na cara. Nada de especial. Mas não é agradável.

No outro dia, ia para cima com a minha filha e, numa zona onde passamos para o trabalho dela, andava um homem a cortar ervas. Dessa vez, foi a minha filha que levou com elas no peito.

 

E parar o trabalho enquanto estão pessoas a passar, já não se usa?

É que eles, a cortar as ditas cujas, estão todos equipados e protegidos.

Mas nós não!

E se alguma daquelas ervas salta para a vista?

 

Antigamente, ainda tinham consideração pelas pessoas.

Agora, já não há respeito.

Como se uns segundos de pausa lhes causassem muito transtorno, ou atraso, no trabalho.