Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Permite-te sentir!

Imagem relacionada

 

Se é algo que não te diz nada, que não te satisfaz, que não te traz nada de positivo, afasta-te. Não vale a pena desperdiçar o teu tempo com algo que não resultará.


Mas, se gostas, se te sentes bem, se te faz feliz, se é o que realmente queres, então, não reprimas o que sentes.

Permite-te sentir!

 

Mesmo que esses sentimentos não sejam eternos. Que essas sensações durem apenas breves instantes.

Valerá a pena!

 

Se nos travarmos constantemente, se nos reprimirmos e aos nossos desejos, se nos controlarmos o tempo todo, se evitarmos sentir o que quer que seja, construindo uma barreira, acabamos por não viver, e transformar o nosso coração numa pedra difícil de quebrar... Num bloco de gelo que, quanto mais tempo passar, mais dificilmente conseguiremos descongelar...

As linhas com que "cosemos" a nossa vida

Resultado de imagem para nós linhas

 

Até as linhas mais resistentes tendem, com o tempo e o desgaste, a enfraquecer, e algumas vezes, a quebrar, quando sujeitas ao uso repetido, inadequado ou esticadas ao limite.

E nós, vamos dando um nó aqui, outro nó ali, para que a linha permaneça unida. Ou é ela que, por si mesma, vai formando nós.

Quando são poucos, e espaçados, quase nem nos apercebemos deles. A linha continua a passar sem grandes dificuldades.

Mas, um dia, deparamo-nos com uma linha totalmente preenchida com nós, que nos travam a todo o momento, que impedem o prosseguir do caminho, e torna-se difícil continuar a fazer o que quer que seja com ela.

Aí, ou tentamos desfazer os nós, e tentamos dar o melhor com cada uma das partes quebradas, ou os nós são tantos e impossíveis de desemaranhar, que a única solução é cortar a linha, e recomeçar do zero.

Sobre o Festival da Canção - A final

Foto de RTP - Festival da Canção.

Estava na expectativa para ver o Festival da Canção, até ao momento em que a Catarina e a Sílvia dizem que o voto do público só iria contar 50%, e que os restantes 50% seriam atribuídos por jurados em vários pontos do país. 

 

 

Foto de RTP - Festival da Canção.

A partir daí, percebi que nunca iria vencer a minha preferida, nem tão pouco uma das menos más. O programa já estava feito para isso não acontecer. Os responsáveis não iriam deixar os portugueses escolherem uma música, e tinham que encontrar uma forma de travar o poder do público. Conseguiram!

Nem me dei ao trabalho de ficar acordada até à uma da manhã, a assistir a um espetáculo dois em um, que para além da escolha da música representante de Portugal, ainda serviu para celebrar os 60 anos da estação.

Vi os resultados hoje.

Antes disso, já a minha filha me tinha perguntado um palpite, e respondi-lhe que talvez tivesse vencido o Salvador Sobral. Acertei. 

No entanto, quis perceber qual tinha sido a votação do público. Embora não tenham dado a pontuação máxima à minha favorita, e que pensei mesmo que seria a mais votada do público, continuo a achar mais justa a votação do público, do que a dos jurados.

 

 

 

Foto de RTP - Festival da Canção.

Está escolhida a música e não há nada a fazer. Agora é esperar que "Amar Pelos Dois" se transforme num "Amar por Todos", e consiga conquistar o maior número de votos, para ficarmos bem classificados. E quem sabe os restantes países não achem piada à forma singular como o Salvador interpreta a música.

Até porque uma coisa é certa: para uma música que não é festivaleira, já tem lugar garantido em Kiev! E provou a todos os que diziam que esta música até era bonita, mas não para um festival, que afinal até vai à Eurovisão!

 

 

Na minha opinião, continuo a preferir a música do Pedro Gonçalves ou até mesmo os Viva la Diva.

Acredito que o mundo está perdido...

 

...quando crianças de 11 anos disparam sobre colegas ainda mais novos por causa de uma discussão acerca de um cão. 

Aconteceu no Tenessee, nos EUA, supostamente porque uma menina de 8 anos, colega de escola e vizinha de um menino de 11, quando o rapaz lhe pediu para ver os seus cachorrinhos, lhe disse que não, riu e virou costas. O rapaz terá então ido a casa buscar a caçadeira do pai, e disparou sobre a menina, que acabou por falecer.

Cada vez mais se mata por muito pouco, ou mesmo nada, e a idade de quem comete estes crimes é cada vez menor.

Quando as entidades competentes andam a fiscalizar mais arduamente a posse legal de armas, existem cada vez mais jovens a ter acesso a elas.

Existem cada vez mais pais a deixarem as suas armas ao alcance destas crianças, sem qualquer cautela ou segurança, de modo a evitar acidentes e vinganças fatais.  

E cada vez mais crianças morrem assassinadas por outras crianças.

Como é que podemos travar os terroristas, que lutam pelo poder, pela fé desmedida, pela expansão do fanatismo, quando não se conseguem travar estas crianças? 

Como é que podemos ter esperança de resolver as diferenças pacificamente, quando à mínima contrariedade se desencadeia um guerra?

Como é que pudemos acreditar no poder da palavra, quando cada vez mais o poder se encontra numa arma, numa bala mortal? 

 

  • Blogs Portugal

  • BP