Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como perder totalmente a razão numa reclamação

Resultado de imagem para reclamações

 

Ninguém que vá a um serviço de urgência, de um qualquer hospital, em plena época de gripes e constipações, a um domingo, poderá pensar que será atendido com a rapidez que desejaria.

Nós passámos por lá de manhã. Cerca das 11 horas.

Havia mais de 20 pessoas em espera. Estava apenas um médico a atender.

O segurança informou-nos disso mesmo.

Só às 16 horas estariam dois médicos de serviço. Mas, a essa hora, o número de pessoas em espera poderia ser ainda maior.

Optámos por tentar arriscar mais ao final da tarde.

 

Fomos para lá às 18.30 horas.

Não estava um cenário muito melhor que antes, mas íamos preparadas para ficar várias horas. Eu, com um livro. A minha filha com o telemóvel.

A sala de espera é acolhedora. Não havia muito barulho. A temperatura estava amena, nem frio, nem calor.

Entretidas, perdemos a noção de quem já estava quando chegámos, ou quem teria chegado depois.

 

Uma utente que por ali estava, foi falar com o administrativo. Estava com tonturas, dores de cabeça, há algum tempo à espera, e ninguém a chamava.

Ele deve ter ido falar com alguém. Voltou com a indicação de que ela teria de esperar um pouco.

O pouco foram vários minutos.

O administrativo ausentou-se, provavelmente, para jantar. Era só ele a dar entrada e a chamar os utentes para o gabinete.

A mulher, já farta de esperar, foi fazer queixas ao segurança, que era inadmissível. Que o administrativo só estava ali a dar entradas e não fazia mais nada. Que ela estava cheia de tonturas e pressão na cabeça, e ninguém a chamava. E que ia ficar ali à espera que o administrativo voltasse para reclamar com ele.

Às tantas, começa a dizer que estavam ali pessoas há horas, e nem água tinham para beber. Que havia ali crianças há horas, e nem uma máquina com comida tinham.

Como o segurança não deve ter apoiado as queixas, começou a reclamar do segurança. A coisa sobe de tom, a mãe da mulher também se mete, a dizer que o segurança só sabe estar ali ao telemóvel, e não faz nada.

Já se falava de chamar a GNR.

Ela lá continuava, que estava ali uma menina há duas horas com dor de barriga, e ninguém chamava. E por aí fora.

 

Ela até teria a sua razão para reclamar, do seu estado. Antigamente, mesmo que não fossemos logo atendidos e vistos pelo médico, em algumas situações, mandavam-nos entrar e até mesmo as auxiliares iam fazendo o que podiam, até o médico ir examinar.

No entanto, começou a perdê-la ao reclamar com, e das pessoas erradas.

Que culpa tem o administrativo, ou o segurança, que o médico não chame, que demore muito com cada utente? Que não haja uma triagem? Que não haja prioridades?

 

Começou a perdê-la quando, para se queixar da sua própria situação, e para ganhar apoio, começou a falar das crianças, e dos bébés presentes.

Pergunto-me se, eventualmente, apesar das suas queixas, ela os deixaria a todos passar à sua frente, já que estava tão preocupada com eles, mais do que os próprios pais?

De acordo com o administrativo, já não é a primeira vez que ela faz uma cena destas, e quer ser atendida primeiro que os outros. Embora ela diga que não é isso que pretende.

 

Compreendo que é muito tempo em espera, e que a pessoa acaba por ficar ainda mais doente ali, do que já estava.

Que, apesar de ser um espaço novo, inaugurado há pouco tempo, não está a funcionar da melhor forma e, como ela bem disse, não chega mudar tudo por fora, se por dentro não funcionar.

Ainda assim, é o que nos vai valendo, para situações menos graves.

E, convenhamos, cerca de 2 horas/ 2 horas e meia de espera, comparadas com as 5/6 ou até 8/10 que muitas vezes existem nos grandes hospitais, não é muito.

Ou acharia ela que, indo para outro qualquer, ficaria despachada mais cedo?

 

Não ouvi mais nada porque, entretanto, fomos chamadas.

E ela, lá continuou à espera.

Saúde 24 - o número que nos liga à saúde...

...e à redução ou mesmo isenção do pagamento das taxas moderadoras nas urgências hospitalares!

Para isso, bastará que os utentes tenham ligado primeiro para a Linha Saúde 24, antes de se dirigirem a um serviço de urgência. 

Parece que a ideia do Ministério da Saúde é retirar doentes às urgências, que passam assim a ser atendidos pelos operadores da linha Saúde 24. Estes funcionarão, então, como uma espécie de triagem, enviando para os serviços de urgência apenas os utentes que considerem que realmente deverão ir. 

Eu aposto que, em tempos de crise, e atendendo ao valor das taxas moderadoras, haverá muita gente a ligar, para tentar obter consultas gratuitas! Retiram-se utentes às urgências para "entupir" a linha Saúde 24! 

Mas, se aliarmos à eficácia, por vezes, questionada desta linha, o seu "entupimento", é provável que os utentes desistam, e voltem a recorrer directamente ao hospital.

Pessoalmente, já liguei umas 3 vezes para a Saúde 24 - em duas delas, enviaram a minha filha para o Serviço de Atendimento Permanente da área da residência (que eles insistem em chamar de Centro de Saúde), e numa outra não foi necessário.

Se esta ideia for mesmo avante, pergunto-me se, na dúvida e por "descargo de consciência", a linha não enviará a grande maioria dos utentes para a urgência? Pergunto-me se não haverá muito boa gente a inventar mais sintomas do que os que tem para ser enviada e consultada de borla? Pergunto-me se, para evitar estas situações, irá o Ministério da Saúde inventar multas, para todos aqueles que o tenham feito. E, se fosse a puxar o fio à meada, muitas mais dúvidas me surgiriam, mas é melhor esperar para ver no que vai dar esta ideia, sem grandes divagações...

 

 





Haja Paciência

 

 

Marcava o relógio 17h11m, quando me dirigi ao atendimento do SAP (Serviço de Atendimento Permanente), a fim de marcar uma consulta para a minha pessoa.

Tendo perfeita consciência de que uma mera dor de ouvidos, embora muito incomodativa, não era um caso urgente, não deixei por isso de tentar “adiantar o serviço”!

Era domingo, tinha tempo disponível, e poderia muito bem esperar para ser atendida, evitando assim perder tempo e faltar umas horas ao trabalho hoje, para ir à Unidade de Saúde Familiar a que pertenço.

E mesmo já calculando que, provavelmente, nenhuma das farmácias da vila estaria ontem disponível (porque infelizmente aqui no concelho, temos uma espécie de sorteio, e cada dia do fim de semana calha a farmácias diferentes, o que quer dizer que talvez num fim de semana por mês tenhamos sorte), pelo menos já saía de lá com uma receita pronta a “aviar” hoje às 09 horas!

Ora, já sabemos que quando vamos aos hospitais e serviços afins, convém irmos preparados para esperar, e guarnecidos com uma boa dose de paciência.

Posso dizer que já estou física e psicologicamente treinada para isso, não só pelas inúmeras vezes que o tenho que fazer no meu trabalho, como muitas outras em que me dirigi ao referido serviço.

Ontem talvez tenha batido o meu recorde de tempo de espera – mais de 3 horas!

Como é óbvio, algumas pessoas já cansadas e desesperadas, começaram a reclamar. É que aqui, não existe triagem, nem grandes prioridades.

À excepção daqueles que vêm, trazidos por ambulâncias (que têm prioridade sobre quaisquer outros) só entra, sem esperar pela sua vez, quem estiver perto de desfalecer, ou a sangrar, e mesmo assim, não é garantia de saída rápida. Muitas vezes entram, mas ficam deitados em macas, ou sentados, à espera que alguma enfermeira os venha tratar ou medicar. E depois disso, continuam a aguardar, por um intervalo entre consultas, para o médico o examinar.

Claro que, como em tudo na vida, mais vale “cair em graça do que ser engraçado”, e não se percebendo muito bem porquê, lá ouve dois ou três casos bem sucedidos, em que chegaram depois e foram atendidos primeiro.

Isso revolta quem ali aguarda, naquela minúscula sala apinhada de doentes, durante horas, ouvir o médico finalmente chamar o seu nome!

E como demora, sermos chamados! É que existem apenas duas salas para dois médicos, mas não sabemos o que se passa lá dentro, porque se é certo que se vêem os doentes a sair das mesmas, já para os seguintes entrarem chega-se a esperar quase 20 minutos! Mistério…

Por entre protestos, ânimos exaltados e reclamações (em grande parte dos acompanhantes e não propriamente dos doentes), foi-se passando o tempo, sem nada mais com que nos ocuparmos.    

Eram 20 horas. Continuava sentada na mesma cadeira, e começava a incomodar-me ver duas ou três pessoas que mal se aguentavam, não serem chamadas sequer por uma enfermeira.

Mas enfim, estava na hora do jantar, e da troca de médicos, o que atrasa sempre um bocadinho o serviço (como se não estivesse já suficientemente atrasado)!

Finalmente fui chamada! Entrei, despacharam-me em menos de 10 minutos e lá saí eu, já perto das 20h30m, com a tão desejada receita na mão!

Deixando no meu lugar outras tantas pessoas que, possivelmente, passariam lá boa parte da noite.   

  • Blogs Portugal

  • BP