Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Alguém com talento para interpretar sonhos?

Imagem relacionada

 

Me poderá explicar estes sonhos que tenho com frequência?

Não sei se, em alguma outra encarnação, já houve mar em Mafra (duvido muito), ou se estou a ter visões do futuro, mas já perdi a conta às vezes que sonhei que tinha o mar aqui quase à porta de casa.

E não pensem que é algo de bom. Não é aquela felicidade de sair de casa e ter a praia à porta, disponível para um passeio, uns banhos de sol ou um mergulho.

Nem sequer areia há.

O mar está sempre bravo, só vejo ondas e espuma, a virem par cima de nós. Isto, nos sonhos mais leves.

Nos pesadelos, é mesmo tsunamis que afectam a zona. Num deles, sei que estava em casa dos meus pais, e a força da água partiu os vidros todos.

No último, estava no caminho que faço para casa, e a onda tinha quase chegado ao pé de mim. Esta zona fica mais alta, o que significa que a parte onde moro tinha sido atingida. Tinha perdido tudo, a casa estava prestes a desmoronar.

 

Será que, daqui a centenas de anos, o mar chegará, efectivamente, a Mafra?

Ou são apenas sonhos sem qualquer significado, fruto de uma imaginação muito fértil, na hora de dormir?!

O Impossível - porque é impossível não voltar a falar dele!

Inspirado na história verdadeira da familia Alvarez Belon, "O Impossível" conta o emocionante relato de uma familia espanhola, temporariamente a viver no Japão, apanhada, há 8 anos, juntamente com dezenas de milhares de outras pessoas, no caos de uma das piores catástrofes naturais do nosso tempo. 
Tudo começou quando a produtora Belen Atienza, que ouviu a história da familia Alvarez Belon na radio, chegou lavada em lágrimas aos estúdios. Contou a todos o que ouvira e o realizador disse "Temos de fazer um filme disto. É uma história emocionante".
Em Setembro de 2012, a familia Alvarez Belon  esteve presente no Festival de Toronto na primeira exibição pública de "O Impossível" . Maria chegou a mostrar algumas cicatrizes e disse ainda estar tratando de ferimentos e infecções – mesmo 8 anos depois da tragédia. "Não há nada para reclamar, nada nos aconteceu", disse.
Maria revelou ter participado da elaboração do guião do filme com sugestões e informações dolorosas, porém precisas, e ter acompanhado as filmagens comandadas por Juan Antonio Bayona, sempre colaborando na elaboração dos detalhes. O seu principal objetivo neste filme é o de partilhar com o público o valor os presentes dessas experiências e o valor que é voltar a viver. Maria Belon diz que chorou sem parar quando viu o filme.

Ela revelou que estava dormindo quando se viu levada pelas águas e no caminho encontrou o filho Lucas, de 10 anos, que a ajudou a subir uma árvore e posteriormente, a andar, após a passagem das diversas ondas, pelo mato encharcado em busca de ajuda. Elogiou a destreza e coragem do filho: sabia que estava pedindo mais do que ele poderia dar. Ele virou adulto em dois dias, ressaltou.

 

  

Outra família sobreviveu

Os 5 sobreviventes da família Alvarez Belón não foram os únicos da trágica manhã de 26 de dezembro de 2004. Na indonésia, a sueca Karin Svaerd correu em direção à onda de 10 metros de altura aos gritos de meu Deus, meus filhos não!, ao ver o marido, Lars Erickson, e os 3 filhos, Anton, de 14, Filip, de 11, e Viktor de 10, desapareceram sobre a devastadora parede de águas do mar de Krabi. Após lutar pela vida ela se agarrou a uma palmeira, ainda na praia. Passou um tempo para se resgatada antes da segunda onda. Ao chegar a lugar seguro descobriu que o marido e os filhos estavam vivos. Milagrosamente, assim como ela, vivos.

 

Enrique Alvarez, Maria Belón e seus filhos Lucas, Thomas e Simão na exibição de O IMPOSSÍVEL no Festival de Toronto-2012


A minha opinião?


Até agora, Titanic, também baseado numa história verídica, liderava a minha lista de filmes favoritos. Neste momento, penso que O Impossível o conseguiu destronar!

Tal como me avisaram, e li em vários comentários ao filme, também eu fui atingida por um tsunami de lágrimas durante todo o filme.

Titanic tem uma parte verídica (a tragédia do navio) e uma parte fictícia (a história de amor). Para mim, foi a parte fictícia, embora inserida no contexto real, que mais me emocionou.

Em O Impossível, pelo contrário, toda a história é bem real!

É impossível vê-lo e não nos colocarmos no lugar daquela mãe ou daquele pai, não vermos naqueles filhos os nossos próprios filhos, não vermos naquele homem o nosso companheiro...

É impossível não nos emocionarmos com as cenas de coragem, desespero, solidariedade, amor, dor, luta pela sobrevivência...

É impossível não sairmos de lá com uma nova visão da vida, da importância e do valor das pessoas que amamos, dos momentos que passamos juntos... Com o pensamento de que poderia ter sido qualquer um de nós, poderia ter sido a nossa família... Com a noção de que, perante tragédias como esta ou outras, tudo o resto parece tão pequeno e tão insignificante...

Naomi Watts e Tom Holland, nos papéis de Maria e Lucas fizeram grandes interpretações neste filme e os meus créditos vão, sem dúvida, para eles!


 

 

Tsunami

 

Há dias em que me sinto fervilhar por dentro.

Em que me sinto invadir, subitamente, por uma torrente de palavras que não encontra espaço para se acomodar cá dentro e teima em querer sair. Mas quando estou prestes a permitir que isso aconteça, perco a vontade de o fazer.

E, qual onda de água que fica parada, precisamente, quando se preparava para engolir tudo, mando as palavras para trás, e permaneço calada.

Tal como um tsunami causa estragos, também palavras (ainda que sinceras) proferidas de rompante, no momento errado, podem provocar o mesmo efeito. Embora não seja igualmente saudável bloquear a saída, correndo o risco de o cano rebentar por outro lado!

Mas, não bloqueando, há sempre aquela questão da sinceridade e frontalidade, e de se averiguar se me servirá de alguma coisa despejá-las, ou se apenas provocará mal-estar a quem as ouvir e, nesse caso, é preferível o silêncio, até que a onda perca a sua força, e se desvaneça em pleno oceano!

  • Blogs Portugal

  • BP