Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Nenhuma dependência é benéfica, seja ela qual for

Sem Título.jpg

 

Criar uma dependência é fácil. Difícil, é livrar dela!

Normalmente, as dependências começam para colmatar a falta de algo, para responder a uma necessidade imediata, para tentar solucionar, provisoriamente, uma situação mais difícil pela qual a pessoa esteja a passar.

E, naquele momento, funciona.

Mas, com o tempo, deixa de ter o efeito inicial e desejado, e então é preciso mais, e mais. E quanto mais dependentes nos tornamos, piores ficamos, e mais queremos, num círculo vicioso que não augura bom futuro para ninguém.

É como andar constantemente a tapar um "buraco" com remendos, sendo que, apesar disso, vai ficando cada vez maior e mais difícil de cobrir por inteiro.

Sejam drogas, álcool, medicamentos, alimentos, jogo, ou até mesmo dependência de outras pessoas, a partir do momento em que a pessoa se torna dependente, nunca mais poderá dizer que está tudo controlado, porque esse aparente controlo é falso, e depressa se transforma em descontrolo que pode pôr em causa o trabalho, as relações com os outros, e até a própria vida.

Aqueles que ainda não entraram na teia da dependência, têm que ter um cuidado extra para lhe escapar.

Já os que já foram apanhados por ela, precisarão de muita ajuda para se conseguirem desemaranhar, sem sequelas, e voltar a ter uma vida normal.

 

 

O dia de uma criança sem internet

Resultado de imagem para crianças e internet

 

 

 

As crianças (e muitos adultos também) estão cada vez mais dependentes das novas tecnologias, sobretudo da internet!

Acordam já a pensar em ir ao PC, estão sempre à espera de um tempo livre para lá estarem e, com sorte, é a última coisa que fazem antes de irem para a cama!

E quando não é no PC, é no tablet, ou no telemóvel. Até mesmo nos intervalos de escassos 5 ou 10 minutos entre aulas.

Se lhes tirarmos a internet, ficam perdidas - "E, agora, o que é que fazemos?"

 

transferir (4).jpg

 

 

A não ser que tenhamos um programa muito empolgante que as faça sair de casa, não é fácil distraí-las.

 

Fazer uma caminhada e aproveitar o bom tempo? Não, estão cansadas!  

Fazer uns desenhos bonitos para depois colorir? Ainda começam mas, ao fim de pouco tempo, queixam-se que já lhes dói a mão.

Ver um filme animado na televisão? Não há nada que gostem!

Jogar um dos vários jogos à disposição? Fartam-se ao fim de 10 ou 15 minutos!

 

Ficam aborrecidas, sem nada que lhes agrade, com que se entretenham. E acabam por chatear a cabeça aos pais. Porque aquilo que lhes apetece fazer, em alternativa, nem sempre agrada aos pais.

Mas, a partir do momento em que estão autorizadas a ir à internet, é vê-las entretidas horas a fio, ora a ver ou escrever em blogs, ora a ver vídeos que outras crianças e adolescentes gravam sobre tudo o que possamos imaginar (e até de coisas que nem imaginamos), ora a jogar, ou qualquer outra actividade que as cative!  

E o que é que os pais vão dizer se, muitas vezes, eles próprios passam o seu tempo livre da mesma maneira?!

 transferir (6).jpg

 

 

A minha filha devora livros!

 

 

Nestas férias, a minha filha tem devorado livros!

Ela começa a ler assim que acorda, ainda na cama. 

Ela lê enquanto toma o pequeno almoço.

Ela lê enquanto a penteio.

Ela lê no carro.

Ela lê na praia ou na piscina.

Ela lê em casa da avó.

Ela lê à noite, já na cama, enquanto não lhe apagamos a luz!

Conseguiu ler todos os livros que lhe tínhamos oferecido há uns tempos atrás, e os que entretanto lhe comprámos.

No fim de semana, comprei-lhe mais um. Se ando a gastar muito dinheiro em livros? Algum.

Mas é tão bom ver que ela herdou o mesmo gosto que eu pela leitura! E, gastar por gastar, prefiro gastar em livros do que em revistas que nada têm para oferecer, e que custam quase o mesmo preço.

Estou muito orgulhosa desta leitora devota, que por acaso é minha filha!

O "fenómeno" Violetta!

 

No outro dia, fui à papelaria comprar a revista das Winx para a minha filha, e a senhora que me atendeu perguntou-me se eu não queria levar também a revista da Violetta. Disse-lhe que não. Não fazia a mínima ideia de quem era. Mas, segundo a dita senhora, era o que estava agora na moda.

Uns dias mais tarde, ouço a minha filha falar da Violetta. Associei, então, uma coisa à outra!

Daí em diante, nunca mais ouvi falar de outra coisa. O tempo livre da minha filha é passado a ver a série da Violetta, a ouvir as músicas da Violetta, a falar das personagens da Violetta. Nas papelarias, já se vê imenso merchandising da Violetta. Na escola, passam o cd da Violetta e conversa-se sobre isso.

Parece que o mundo à minha volta se rendeu e está viciado na Violetta. A minha filha também!

O que pode ser pior que isso? Pior que isso, é que eu própria fui atingida pelo vírus Violetta! E é ver-me ficar parada a ver uns bocadinhos dos episódios, e cantar com a minha filha em espanhol!