Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Pensamentos para combater a inércia

Resultado de imagem para pensamento positivo atrai coisas positivas

 

Como já aqui referi algumas vezes, o Natal tem cada vez menos significado para mim, e tornou-se uma estação na qual vem ao de cima o meu mau-humor, a irritação, o desprendimento das celebrações e a inércia.

Cada vez se monta a árvore de natal mais tarde, cada vez há mais dificuldade em pensar em prendas e menos dinheiro para comprá-las, cada vez a família se junta menos, cada vez a época de festas se transforma mais em dias e noites banais.

No entanto, dei por mim, um dia destes a pensar:

 

"Chega!

Vamos lá combater esse desinteresse e apatia pelo Natal, e fazer tudo como manda a tradição!

Vamos lá contrariar esse espírito negativo, e animar.

Vamos lá montar a árvore de natal e enfeitar a casa.

É o primeiro Natal sem a Tica, sim. Mas é o primeiro Natal da Becas e da Amora, e elas também merecem.

Não estás com a tua filha no Natal, é certo. Mas estás com ela nos dias antes, e só têm é que aproveitar esses momentos.

Não vais para grandes festas, é verdade. Mas isso não significa que não te ponhas bonita, mesmo que seja para ficar em casa.

Não te apetece minimamente sair de casa para celebrações. Mas lembra-te daqueles anos em que escolhias "aquele" vestido da montra da loja para a passagem de ano, em que ias divertir-te, e aproveita enquanto cá estás, porque a vida é curta.

Não estás com a tua filha na passagem de ano, mas podem sempre fazer um programa especial antes, e festejar como se fossem as últimas horas de 2016. E no dia de Ano Novo, finalmente, estarão todos juntos!"

 

Sim, todos eles pensamentos motivadores e positivos, como se quer!

Pena que ainda não tenham levado a melhor contra a inércia que me contagiou, e que teima em vencer mais uma vez.

 

Resultado de imagem para inércia

Rx - Joana - Marrocos e o Destino

 
A segunda convidada, que aceitou o convite para se submeter a este RX especial que o cantinho proporciona, foi a Joana, do blog Marrocos e o Destino.
 
Uma mulher de muitas paixões, determinada, aventureira e com muita vontade de aproveitar o que a vida tem de melhor!
 
 
 
 
Destino - É algo em que acredito muito. As coisas não acontecem por acaso. O nome do meu blog diz tudo.
 
Impossível - Esta é um palavra que me diz muito. Durante anos achei que jamais iria ser feliz. Que iria permanecer num casamento sem amor, com violência psicológica e  que me fazia sentir um objecto. Um dia, aquilo que era suposto ser impossível aconteceu. Conheci  o Miguel, que em 2 meses me deu a força para dizer "chega". Já lá vão 17 anos e continuo a dizer que ganhei o meu euromihões.
 
Velhice - Acompanha-me diariamente, pois o meu trabalho é tratar de idosos. Foi a minha profissão que me fez olhar a velhice de forma diferente. Se antes achava que todos os idosos eram bonzinhos, hoje sei que não é assim. Fez-me ver que nem tudo é melhor do que a morte.
Mentiria se dissesse que a velhice não me assusta. É terrível imaginar que poderei acabar como a maioria dos meus utentes. Dependente dos outros para fazer a higiene, para comer e para beber.
Ainda assim sonho ser uma velhota rija, de bem com a vida e a viajar muito.
 
Vencer - Considero que a vida é uma estrada com muitas lombas. Umas maiores que outras, mas que têm de ser ultrapassadas. Algumas tão grandes que nos fazem sentir umas vencedoras.
 
Distância - Distância...uns dias faz-me ir ao tapete, faz-me equacionar se as minhas /nossas decisões são as melhores, se a distancia não acabará com o nosso amor. Por outro lado neste momento é a distância que faz com que os nossos objectivos sejam concretizados.
 Menos mal que as novas tecnologias fazem encurtar as distâncias.
 
Amor - É a base para a felicidade. Não me refiro apenas no amor entre as pessoas, mas colocar amor naquilo que fazemos faz a diferença no dia a dia. No nosso e nos outros.
 
Aventura - Esta palavra leva-me directamente para aquela que considero a minha primeira grande aventura. Nunca tinha andado de avião, aliás jurava a pés juntos que nunca me sentaria num. O Miguel trabalhava em Israel e foi numas férias dele que nos conhecemos. Aquele sentimento assustador que não sabíamos explicar muito bem foi crescendo e levou-nos a tomar a decisão de mandar tudo e todos ao diabo e iniciar uma relação. Ansiávamos estar juntos e para isso acontecer tinha de ser eu a ir até Israel. Além do medo de andar de avião, havia o medo de me enganar e de embarcar para outro país(como se fosse possível), o medo de chegar ao aeroporto e não ter o Miguel à minha espera e o medo da nossa relação não dar certo. Esta aventura foi ainda presenteada com um check in assustador. Daqueles que inclui perguntas e mais perguntas, revista de malas e revista aqui à "je".
 
Viagens - Uma das minhas grandes paixões. É daquelas coisas que me faz gastar muito dinheiro, mas que me dá muito prazer. Adoro o ritual, embora me deixe stressada de escolher o local, fazer a mala e a chegada ao destino.
No outro dia eu e o Miguel conversávamos sobre as nossas viagens e fizemos as contas ao dinheiro que já gastámos. Chegámos à conclusão que podíamos ter a conta no banco recheadinha, mas não seriamos tão felizes.
 
Gatos - Ui, outra grande paixão. Não consigo imaginar a minha vida sem os meus 2 bichanos. Tornam o meu dia muito mais divertido. Excepto quando a gata Maria decide presentear-me com umas novas tatuagens.
 
Degustação - Durante anos não tirei prazer na comida. Se antes era um sacrifícios sentar-me à mesa, agora é um perigo. Não sou boa boca, daquelas que come tudo, mas quando gosto...perco-me. Sinal disso é os quilitos a mais.
Aliar as viagens à gastronomia é do melhor.
 
 
Muito obrigada, Joana!

Quando a distância vence a proximidade

 

 

Imaginem que estas duas falésias, agora distantes, já outrora formaram uma só.

Que já houve um tempo em que a força da natureza não conseguia actuar neste rochedo. Mas, com o tempo, a fenda abriu e, aos poucos, foi penetrando cada vez mais fundo até o separar em dois.

Imaginem que, quando isso aconteceu, cada uma das partes tentou manter-se o mais próximo possível uma da outra.

No entanto, o mar colocou-se entre elas e não deu tréguas. Por cada pequena aproximação bem sucedida, uma onda revolta provocava um afastamento maior.

Imaginem que, com o tempo, as duas falésias já estão, de tal forma, habituadas à separação e à distância, que já nem a estranham, nem se incomodam. Nem tão pouco se esforçam por vencer a força da natureza e voltar a juntar-se, a unir-se como um só rochedo, que um dia foram.

Esse será o dia em que a distância vencerá a proximidade...

 

  • Blogs Portugal

  • BP