Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Ainda não consegui mudar o "chip"

unnamed.jpg

 

Eu queria.

A sério que queria, mas ainda não consegui mudar o "chip", do inverno para o verão.

A sério que gostava de já andar por aí com roupas mais frescas.

De pôr as botas de parte e dar uso às sandálias.

Como tanta gente que vejo por aí.

Mas não consigo!

 

A sério que comprei uma garrafa de limonada, para beber nos dias de mais calor, com uns cubinhos de gelo. Mas, até agora, o que mais me tem apetecido é chá quente.

A sério que ainda ontem me atrevi a vestir algumas peças mais leves mas, tirando os escassos minutos em que estive num local abrigado e com o sol a aquecer, passei o tempo todo arrepiada.

 

Queria muito poder mudar o "chip".

Deixar de querer sentir-me aconchegada e quentinha, e a aproveitar qualquer raio de sol, ou manta, para aquecer, para sentir algum calor, e pedir sombra para refrescar.

Queria ter vontade de dar uns mergulhos na água fria do mar, mas só me sabe bem a água quente do duche.

Queria ter vontade de ligar uma ventoinha no frio, mas por aqui ainda se liga para aquecer a casa.

 

A sério que queria ter dias bons, de sol, de calor, apenas com uma suave brisa a correr, a fazer lembrar o verão que chega daqui a dias.

Mas o que há por aqui, são dias ventosos, ou encobertos, e cheios de nevoeiro, a fazer lembrar o inverno, que já há muito se despediu de nós, mas continua a marcar presença.

O verão já não é o que era

veraojpg.jpg

 

Estranho verão este que, de ano para ano, vamos vivendo...

Em cada verão, vivemos um pouco de cada estação.

Os dias são maiores, mas quase não damos por eles.

Os finais de tarde, antes passados na rua, a apreciar e aproveitar a temperatura amena, são agora passados em casa, porque lá fora faz frio, ou está encoberto.

Raros são os dias em que sentimos o calor de verão.

Levanto-me com vento, céu encoberto e nevoeiro. E a promessa de um dia quente que, se o chega a ser, só mesmo à hora de almoço, e onde nos consigamos abrigar do vento.

Já não existe pôr do sol, nem nascer do sol.

Não sinto que seja verão.

Sinto que estamos a dois passos do outono no qual, com sorte, fará um ou dois dias com temperatura acima do normal. 

Quando o tempo quente deveria ser o normal, e não a excepção.

 

Não existem festivais de verão, acampamentos, festas populares.

Não existem noites quentes, que nos convidam a sair à rua.

 

Estranho verão, este que nos faz desejar um sofá, uma manta e um chá quente, enquanto cai a chuva lá fora.

Que nos lembra os dias de outono, o regresso às rotinas de escola e trabalho, quando ainda existem férias para gozar.

Que quer, à força, fazer-nos esquecer da sua existência.

Que quer, à força, dividir-se em mil pedacinhos, e espalhá-los por todo o ano.

 

O verão parece, cada vez mais, uma estação em vias de extinção, com os dias contados.

E, em breve, será apenas uma memória remota dos verões que, um dia, o foram, e nunca mais voltarão a ser.

Para felicidade daqueles que nunca morreram de amor por ele.

E para desgosto de todos os outros, que ansiavam o ano inteiro pelo reencontro, que agora não haverá, e para aqueles que nunca saberão o que é viver um verão como antigamente.

Cheio de aventuras, memórias, inesquecível...

 

 

Séries para ver neste verão - 9-1-1 e Reef Break

911.jpeg

 

Esta série junta bombeiros, polícias e operadores de call center da linha de emergência 911, numa luta e trabalho conjunto para salvar as vidas daqueles que lhes pedem ajuda, ao mesmo tempo que, a nível pessoal, têm que lidar com os seus próprios problemas, e carregar os seus fardos o que, por vezes, se reflecte a nível profissional, com consequências graves.

Com uma abordagem de temas como Alzheimer, bullying, suicídio, negligência, dependências e relações amorosas, entre tantos outros, é uma série que se vê bem, e nem se dá por isso.

Ainda estamos a ver a primeira temporada, na Fox+, mas penso que na Fox Life já está (ou já passou) a terceira temporada.

 

 

rbreak.jpg

 

Uma ex ladra volta à ilha onde sempre viveu, e recebe uma proposta para, desta vez, ajudar a lutar contra os criminosos qua possam ameaçar a ilha.

Astuta, desenrascada e com os conhecimentos da sua anterior vida no crime, Cat consegue estar sempre um passo à frente da polícia, agindo à sua maneira e, muitas vezes, por conta própria, sem dar justificações.

Mas a sua eficácia é inegável.

No fundo, ela vem para se tornar uma pessoa melhor, remendar alguns erros do passado, e refazer a sua vida, onde não pode faltar o surf, ou não tivesse sido ela uma surfista famosa.

No entanto, o passado vai andar sempre a intrometer-se na sua vida.

Estreou este mês na Fox Life.

A protagonista afirma que fazer esta série é uma espécie de férias. E, a nós, faz-nos lembrar um pouco os verões do tempo de "Baywatch", embora o tema seja diferente. 

 

De Junho para Julho, nada mudou

800x532_760eeb218608621a5c36aea9e3c4bc2f.png

 

Terminou Junho. Chegou Julho.

Mas, por aqui, os dias continuam iguais.

Casa/ trabalho, e trabalho/casa.

Inverno de manhã, com direito a nevoeiro e chuviscos. Primavera a meio do dia, com o sol a brilhar por entre as nuvens. Outono ao final do dia, com o vento a fazer-nos chegar depressa a casa, e aconchegarmo-nos com uma manta e uma bebida quente.

Até o verão tem receio de marcar presença.

E fazia-nos tanta falta, para aquecer a alma e o coração, que já começa a congelar, depois de quase meio ano de tempestade. 

Para nos dar esperança. Ânimo. E força.

Antes que chegue, de novo, o outono, e nos pareça que foi um ano mutilado, incompleto, um ano que não se aproveitou, um ano que queremos apagar da memória, ainda que fique, para sempre, na História.

 

 

 

 

 

Comprar roupa nova: a triste realidade!

No outro dia andava eu no site da Bershka, quando encontrei algumas peças de que gostei.

Pedi opinião à minha filha. Também aprovou. Disse para eu comprar.

Ainda ficava caro, para a minha carteira.

Comecei a ver o que poderia excluir. O que mais usaria, e o que ficaria guardado à espera daquela ocasião que nunca chega.

Eram, na maioria, vestidos ou macacões curtos. Sem mangas, ou manga curta.

Vivo numa terra onde os dias de calor, e sem vento, são uma raridade.

Teria de gastar mais dinheiro em casacos, para combinar com essas peças.

Conclusão: é melhor não comprar nada!

 

0463810808_1_1_3.jpg

2764187800_1_1_3.jpg

2734187060_1_1_3.jpg

2762187808_1_1_3.jpg

0413966712_1_1_3.jpg