Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Das guerras...

1917: Por que a Primeira Guerra Mundial não é tão retratada nos filmes

 

A guerra é o meio usado, pelos mais fracos, para mostrar uma força e poder que, talvez, não tenham, à custa do sacrifício de vidas inocentes...

A guerra é o meio usado quando o diálogo não resulta, ou nem sequer é tentado.

 

A guerra...

Motivo de orgulho para alguns. De vergonha, para outros...

 

A guerra...

A mesma que gera uma valentia desmedida. E um medo incomensurável...

 

A guerra...

Que tantos fazem questão de lembrar. E tantos outros, de esquecer.

 

A guerra...

Aquela que, os que a iniciam, nunca nela entram.

Mas que sempre têm quem, por ela, queira lutar. Por idealismo. Por patriotismo. Ou por egoísmo...

E, depois, há os que nem sequer sabem porque estão a lutar. A travar batalhas que não são deles. E não fazem ideia de porque têm que se chegar à frente, sem poder escolher se o queriam ou não.

 

A guerra...

Aquela em que quase todos perdem. E poucos, ou nenhuns, ganham verdadeiramente.

Aquela que tira tudo, a quase todos. E pouco, ou nada, dá, em troca.

 

A guerra...

Aquela em que, até mesmo os que não estão na frente de batalha, são atingidos pelos estilhaços, e sofrem as consequências.

 

Aqueles que sobrevivem trazem as marcas. As sequelas.

Aqueles que voltam, carregam as memórias. Das mortes... Do sangue... Das atrocidades cometidas...

Os que por lá ficaram, perderam-se, para sempre, numa guerra inútil que, afinal, nunca terá fim. Eles foram apenas os primeiros, de muitos que por lá ficarão.

 

Por cá, as famílias choram pelos filhos, maridos, irmãos, pais, que já não voltam...

Quase todos choram pelos que, indirectamente, por cá se perderam também. Pela fome, pelas doenças, pela violência, pelo pouco que sobra daquilo que lhes foi tirado. 

E, enquanto estes choram, os tais, esses que decidem quando começa e acaba a guerra, riem, nas suas casas, com as suas famílias, como se nada tivesse acontecido. 

Porque se sairem vencedores, são eles os que mais ganham. E, se saírem derrotados, os que menos perdem...

Constatações

Resultado de imagem para fogo

 

Os actos terroristas, em Portugal, traduzem-se em incêndios.

Chegam pelas mãos de quem menos esperamos, por quem cá vive, por aqueles que deveriam ser os primeiros a proteger o seu próprio país, mas que pouco querem saber dele.

Mais de 500 incêndios num único dia, é terrorismo à mais larga escala. Nem os terroristas, que conhecemos como tal, levariam a cabo um acto como estes.

Atracção pelo fogo, vingança, questões económicas relacionadas com florestas/ madeira, ou pura maldade, as vítimas são sempre as mesmas: pessoas e animais que perdem tudo o que têm, incluindo a vida, e a nossa natureza cada vez mais destruída.

A Mãe Natureza consegue ser, muitas vezes, devastadora. Mas não se compara à destruição cada vez mais impiedosa, levada a cabo pelo Homem...

 

 

Imagem Expresso

Um Novo Amanhã, de Dorothy Koomson

Resultado de imagem para um novo amanhã dorothy

 

A minha estreia com a autora Dorothy Koomson não poderia ter sido melhor, e as expectactivas ficaram altas!

Não sei como são os restantes livros dela, mas se forem tão bons como este, estou perdida :)

 

Duas Veronicas Harper, ou melhor, uma Veronika (Nika) e uma Veronica (Roni) tornam-se as melhores amigas com apenas 9 anos de idade, e achavam que seria para sempre. Tinham em comum mais do que o nome e o apelido. Partilhavam também o mesmo sonho - ser bailarinas.

Mas algo as vai levar à separação, e fazê-las seguir caminhos totalmente opostos. Cada uma teve os seus motivos para tomar as suas atitudes e, com elas, mudar o destino que parecia tão promissor, mas confesso que o meu apoio e admiração vão quase totalmente para a Nika.

Porque a Nika é a mais corajosa e destemida, e a que mais sofreu ao longo de todos aqueles anos, desde que fugiu de casa para se tornar uma sem abrigo. Desde que ninguém acreditou nela, nem os seus próprios pais, e ela se viu sozinha e sem outra alternativa que não fosse fugir do pesadelo em que a queriam manter.

A única pessoa que podia ajudá-la, e confirmar a veracidade da sua história, não o fez.

E assim temos Roni, que se tornou freira, mas acabou por sair do convento e regressar a casa, décadas depois, para fazer aquilo que não teve coragem de fazer antes, para se redimir, para procurar a absolvição, o perdão, a paz, o silêncio. Para tentar recuperar a amizade perdida.

E temos Nika, que fugiu de casa para se tornar sem abrigo, tendo mais tarde estado envolvida com um jogador conhecido que ainda lhe destruiu mais a vida e a autoestima, o que a levou a fugir novamente, e voltar às ruas, onde fez algumas (poucas) amizades, e tentou ajudar outras mulheres para não cairem nas garras do "Juiz".

Mas será essa sua faceta corajosa, que a poderá levar à morte. Porque o "Juiz" não perdoa quem o afronta, quem se atreve a intrometer nos seus negócios.

No entanto, poderá uma pessoa que não tem medo da morte nem do que lhe possa acontecer, ser um desafio para este criminoso? Ou irá ele vingar-se nas poucas pessoas com quem Nika ainda se preocupa?

Poderá ainda haver uma chance para Nika e Roni? Ou será tarde demais?

E será que, depois de tantos anos, os criminosos irão finalmente pagar pelos seus crimes?

 

Ler Dorothy Koomson não é fácil, tive que estar muito atenta porque a autora intercala não só a narração por estas duas personagens, como também vai alternando entre o passado e o presente, em vários anos diferentes, mas estou rendida!

Sobre o livro A Rapariga no Comboio

 

Esta é uma história contada por 3 mulheres, cada uma com a sua história que, a um determinado momento vai coincidir com as restantes.

Três mulheres, três homens, um assassinato e um comboio são os ingredientes principais deste thriller.

Rachel é a personagem principal. Uma alcoólica incorrigível, desempregada, para quem é difícil aceitar que foi traída e trocada por outra mulher que deu ao seu ex-marido aquilo que ela mais desejava ter e nunca conseguiu, e que foi a causa para ela agora ser a pessoa que é. Para não contar à amiga, que lhe deu abrigo, que foi despedida, Rachel apanha todos os dias de manhã o mesmo comboio até Londres, e faz o percurso de volta ao final do dia, como se estivesse a regressar a casa depois de um dia de trabalho. O seu passatempo é imaginar a vida dos habitantes das casas por onde o comboio vai passando.

 

Megan é uma mulher inconstante, insatisfeita por natureza. Tem, aparentemente, o melhor marido do mundo, mas isso não lhe basta. Vai somando aventuras e casos extra-conjugais. Esconde um grande segredo que não a deixa dormir. Depois de a galeria onde trabahava fechar, vai ser dona de casa a tempo inteiro. Por uns tempos, aceita tomar conta da bebé de um casal vizinho, mas durará pouco tempo. Por sugestão do marido, consulta um psicólogo, com quem vai manter uma breve relação. Um dia, desaparece e ninguém sabe o que lhe aconteceu.

 

Anna é a mulher com quem Tom manteve um caso amoroso, quando ainda era casado com Rachel. Dois dias depois de Rachel sair de casa, Anna mudou-se para a sua casa, já grávida de Tom. É uma mulher assustada e um pouco paranóica. Tem quase a certeza que Rachel nunca os vai deixar em paz e que pode ser perigosa, porque anda sempre por ali a rondar tendo, inclusive, pegado na sua bebé e levado até à estação, num momento de distracção. Deixou de trabalhar como vendedora imobiliária para assumir o papel de esposa e mãe a tempo inteiro, e dá muito valor à família que formou. Até onde será capaz de ir para a preservar?

 

Tom é o ex-marido de Rachel, e actual marido de Anna e pai da sua filha. Tenta apaziguar os ânimos, descansar Anna em relação a Rachel, e acudir a esta quando bebe demais e faz coisas que não deve. Está sempre a dizer a Rachel para os deixar em paz, e seguir com a sua vida.

 

Scott é o marido de Megan, um marido carinhoso, preocupado, talvez um pouco possessivo ou ciumento mas que parece amar Megan. Vai ser o principal suspeito após o desaparecimento da sua esposa. Vai-se envolver com Rachel, mas as coisas não vão correr lá muito bem.

 

Kamal é o psicólogo que Megan consulta, e com quem vai ter um caso. No início as consultas, e os encontros amorosos, ajudam-na mas, quando ele se recusa a continuar a relação, ela não vai aceitar com facilidade. É mais um dos suspeitos, mas acaba por ser libertado por falta de provas. Mais tarde vai ter Rachel como cliente.

 

E pronto, não é um livro que agarre logo nas primeiras páginas, chega mesmo a ser um pouco maçador, mas depois, quando todas as personagens e histórias se cruzam, e tentamos perceber o que aconteceu a Megan, o que Rachel terá visto, e quem será o misterioso homem ruivo com quem Rachel se cruza no comboio, não queremos parar até chegar ao fim! Embora consigamos adivinhar quem é o mau da fita muito antes disso!

 

Surfistas salvadores

 

Com vista a reduzir o número de acidentes e mortes nas praias, o Instituto de Socorros a Náufragos vai avançar com acções de formação para surfistas, sobre salvamento e suporte básico de vida a banhistas, ao longo de toda a costa.

O projecto, intitulado “Surf Salva” é feito em parceria com a Federação Portuguesa de Surf, e pretende dotar, sobretudo, muitas das praias não vigiadas, de vigilância eficaz e mais mãos para salvar.

Acho muito bem que se façam estas acções, e que os surfistas, na presença de possíveis vítimas e estando no local, possam agir rapidamente e fazer a diferença entre salvar uma vida ou perdê-la.

Mas não deveriam, ao mesmo tempo, contratar e formar nadadores salvadores para essas mesmas praias não vigiadas, e para reforçar as vigiadas?

Claro que isso iria implicar despesas. E, numa altura em que contenção e despedimentos são as palavras de ordem, não fazia sentido formar e pagar a profissionais, quando temos ali os nossos amigos surfistas, que estão sempre na crista da onda, dispostos a fazer o mesmo serviço de borla!