Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Fugitiva - a série

Resultado de imagem para fugitiva

 

Fugitiva é uma série (mais uma) espanhola, protagonizada pela conhecida actriz Paz Vega, que aborda a violência doméstica, entre as classes mais abastadas da sociedade.

É uma série que prende, que nos faz sempre querer ver o próximo episódio, que nos aguça a curiosidade, tanto pelo que aconteceu no passado, como pelo que irá acontecer no presente e futuro.

 

 

 

 

Se tivesse que definir esta série em duas palavras, seriam - confiança e medo.

 

Quando estamos sozinhos, e precisamos de ajuda, somos obrigados a confiar em alguém.

Por vezes, alguém que pouco ou nada conhecemos. E que tanto pode estar, de facto, do nosso lado, como nos tramar a qualquer momento. Mas, afinal, não o fazem, da mesma forma, aqueles que conhecemos bem, e em quem sempre confiámos?

Confiar em alguém torna-se ainda mais difícil, quando existe muito dinheiro envolvido, interesses, necessidades ocultas, chantagem ou qualquer outra razão para alguém mudar de lado, consoante lhe der na gana, e lhe for mais útil ou vantajoso.

 

 

Por outro lado, está o medo.

Mais forte ainda, quando associado ao poder, à manipulação, a ameaças, a violência contínua.

Como evitar o medo? Como ultrapassá-lo? Como ganhar força e coragem para nadar num mar de "tubarões", sem ser aniquilado por eles? 

Será que o medo nos limita, nos trava, nos impede de lutar ou, pelo contrário, pode ser o combustível, o impulso, a chave para mudar a nossa vida?

 

 

 

 

Resultado de imagem para fugitiva

 

Fugitiva é uma série sobre um mundo dominado pelos homens, em que eles mandam e desmandam, em que só eles são levados a sério, em que só a eles é destinado o poder. E sobre violência contra as mulheres. Ainda assim, essa tentativa de afirmação do feminismo, não é o que mais se destaca.

Como sempre, tento analisar as várias envolventes da história e, em Fugitiva, há muito mais a explorar.

 

 

Começando pela personagem Alejandro, homem de negócios, influente, poderoso, machista, sem escrúpulos. Alejandro tem uma personalidade muito complexa que junta, numa mesma pessoa, um pai que ama os seus filhos, mas desligado, e que pouco está com eles, um homem apaixonado e carinhoso que, ao mesmo tempo, é um agressor violento, um homem capaz de matar, que se serve das mulheres a seu bel prazer mas, ao mesmo tempo, alguém que é capaz de defender uma prostituta do seu chulo. Um homem frio que, ao mesmo tempo, parece ter coração. Um macho que, no fundo, vive agarrado às saias da mãe.

Confesso que, a forma como os episódios e a informação é apresentada, aliada a esta personalidade tão confusa, me levou algumas vezes, apesar de todas as evidências, a suspeitar se, na verdade, a sua mulher não teria imaginado ou inventado tudo aquilo.

 

Depois, temos Magda, mulher de Alejandro. A vítima. Ao longo de 20 anos, sofreu maus tratos, violência física e psicológica, mas manteve-se junto ao marido pelos filhos de ambos.

Até ao dia em que, por culpa dos actos do marido, no que respeita a negócios, vê os seus filhos ameaçados de morte. 

Aí, ela vai dar o primeiro passo, e livrar-se do marido, ao mesmo tempo que tenta proteger os filhos. Mas, como poderá uma mulher que sempre foi submissa, e que pouco conhece do mundo, levar até ao fim o seu plano, sem ser enganada, ou apanhada?

 

 

 

 

Resultado de imagem para fugitiva

 

Por fim, os filhos.

Tanto que há para dizer sobre eles.

 

Em primeiro lugar, como esperar que adolescentes obedeçam às ordens de uma mãe, sem as questionar, desafiar, contrariar?

Como esperar que filhos, que sempre foram protegidos da verdade em relação ao pai, se coloquem, de um momento para o outro, do lado da mãe, e contra o pai? A determinado momento, a avó diz para uma das netas "Nesta história, só há um monstro, e uma vítima. E vais ter que escolher um dos lados. Não podes ficar do lado dos dois ao mesmo tempo".

Como pensar que os filhos iriam aceitar uma fuga, sem ouvir o outro lado, sem explicar ao pai que estão bem, sem se revoltarem com os erros de ambos os pais, dos quais não têm culpa mas que, por eles, estão agora a pagar, ficando sem as suas vidas?

 

Como imaginar que três jovens, depois de um suposto sequestro, e ao se verem num paraíso, sem a segurança a que estão habituados, nem alguém a controlar os seus passos, fiquem presos num quarto de hotel, quando tudo está a acontecer lá fora?

Como esperar que adolescentes mimados, que sempre tiveram tudo na vida, saibam o quanto custa viver sem mordomias?

Como pensar que jovens que sempre viveram numa redoma, saberão agora enfrentar os perigos, livrar-se deles, defender-se sozinhos?

 

Entre a filha mais nova, campeã de ténis de mesa, o filho surdo na sequência de um acidente causado pela mãe, e a filha mais velha, mimada e que só faz o que lhe apetece, desafiando a mãe de todas as formas e colocando-se, várias vezes, na boca do lobo, vamos assistir a um despertar para a realidade, de cada um deles, da pior forma.

 

 

Lançadas as cartas, cabe a Magda a próxima jogada e, se no início, tudo se conjugava para uma vida de fugitiva, uma reviravolta pode levá-la a deixar de ser "a caça" e passar a ser "o caçador". Mas não é só o marido que Magda deve temer. Há alguém que a quer afastar, e aos filhos, de tudo, e alguém que quer que eles parem de se esconder, e possam viver livremente, sem temer mais ninguém.

Será esse o plano perfeito? Haverá algum plano perfeito? Ou pagarão todos bem caro pela impulsividade e coragem de Magda, com a própria vida?

 

Vale tudo por meia dúzia de euros e 5 minutos de fama?

Resultado de imagem para fama

 

O dinheiro faz falta a muitos, e é sempre bem vindo, principalmente para aqueles que estão sem trabalho, vivem com dificuldades financeiras, ou têm dívidas para pagar.

Por outro lado, se nos derem a oportunidade, através de tempo de antena ilimitado, de promover o nosso trabalho, a nossa actividade e, a partir daí, criar oportunidades ainda melhores, por que não aproveitar?

E se, no meio de tudo isso, ainda nos oferecerem de bandeja o(a) parceiro(a) ideal para uma relação?

Então será ouro sobre azul! Ou não...

 

 

 

Até onde estão as pessoas dispostas a ir, por meia dúzia de euros, e 5 minutos de fama?

Até que ponto estão dispostas a agir como actores contratados para representar um papel que, na verdade, não são?

Até que ponto estão dispostas a envolver família e amigos nestas suas aventuras e loucuras, e sujeitá-los ao escrutínio público?

Até que ponto estão dispostas a revelar os seus segredos, o seu passado, os seus erros a todos, com as consequências que daí advenham?

Até que ponto estão dispostas a sacrificar o seu trabalho, por promessas e suposições que podem não dar em nada?

Até que ponto estão dispostas a queimar a sua imagem achando que, mesmo assim, vão sair beneficiados?

Até que ponto as pessoas estão dispostas a sujeitar-se a violência psicológica de tal forma que, podendo sair, decidem continuar?

Até que ponto as pessoas se acham no direito de ser rudes, mal educadas, até mesmo estúpidas, só porque não concordam com as regras, ou com o que estão a obter? 

Até que ponto, e até quando, estão essas pessoas dispostas a fingir algo que não são, e algo que não sentem?

Até que ponto estão as pessoas tão desesperadas por amor, que se rebaixam e insistem em bater na mesma tecla, quando o piano nunca funcionou?

Até que ponto as pessoas gostam assim tanto de fazer figura de parvos, para entreter quem os vê?

Até que ponto as pessoas precisam assim tanto do dinheiro, da fama, e de um programa de televisão, para serem felizes?

Vale tudo?

 

 

 

Ao que parece, vale!

Mesmo que dali a uns tempos ninguém mais se lembre deles, e volte tudo ao normal.

Só isso explica o facto de uma mulher, que já disse e mostrou que não sente nada pelo companheiro, que o acusa de ser agressivo, manipulador, de a rebaixar a toda a hora, que chora e afirma sentir-se esgotada e triste com essa relação, decidir continuar ao lado dele.

Se é para promover o seu trabalho, como dizem, achará mesmo que isso abonará a seu favor? 

Se é, como dizem, para ficar perto de outro concorrente por quem se sente atraída, não seria mais fácil abandonarem os dois o barco e serem felizes cá fora?

 

Só isso explica o facto de um homem, que diz que ninguém está ali pelo verdadeiro propósito que afirmou ir, e que era a base da experiência, que se faz de coitadinho, traído, ignorado e não amado, decidir manter-se ao lado de uma mulher que, nas suas próprias palavras, não serve para ele nem para nenhum homem.

 

Só isso explica o facto de duas pessoas totalmente diferentes, quer em formas de estar, quer em formas de pensar, e que não gostam de nada um no outro, nem fisica, nem psicologicamente, decidirem permanecer juntas?

 

Só isso explica o facto de se continuar a aguentar birras de crianças em adultos, cobranças, discussões, desprezo, indiferença, quando podem sair fora a qualquer momento.

 

 

 

Mas o público agradece o esforço!

Afinal, o que seria de nós sem essas pessoas, e esses momentos totalmente alucinados e hilariantes que  nos proporcionam, e que tanto nos divertem?!

O que seria de nós sem este serviço público, que descredibiliza cada vez mais os psicólogos, neuropsicólogos e coachers, denominados especialistas em matérias sobre as quais não têm qualquer poder de intervenção, e mostra a cada semana que, como era de esperar, erraram e continuam a errar em tudo?

O que seria se nós sem esta mostra do que podemos encontrar no dia a dia, na sociedade, do mais liberal ao mais conservador; do mais autêntico e até ingénuo, ao mais astuto e fingido, escondido atrás da máscara; do mais cool e easy going, ao mais stressado e complicado, do mais psicopata e controlador, ao mais falso e dissimulado?

 

Sobre as declarações do professor Daniel Cardoso...

Resultado de imagem para beijo na cara desenhos

 

...de obrigar as crianças a dar beijinhos aos avós ser um acto de violência:

 

"Daniel Cardoso defendeu que ao obrigar pela força uma criança a tomar uma atitude como dar um beijo aos avós, contra a vontade absoluta delas era ensinar, na prática, que dizer que não, não interessa, desde que haja alguém com mais poder para as obrigar a dizer que sim."

 

 

Só tenho a dizer o seguinte, quer sejam avós, tios, primos, conhecidos ou amigos:

Deve-se respeitar a vontade e liberdade de cada um. 

 

 

O meu irmão nunca foi rapaz de gostar de beijinhos, nem de dar, nem de receber. E foi respeitada a sua vontade.

A minha sobrinha saiu ao pai. Não dá beijos a ninguém, a não ser à mãe. E não quer beijos de ninguém.

Quando nos juntamos todos, cumprimentamo-nos com beijinhos, menos a ela.

De vez em quando, brincamos ou metemo-nos com ela, mas respeitamos. Se ela não quer, não a vamos obrigar.

 

Não é por isso que gostam menos dos familiares, ou estão a desrespeitá-los. 

 

Eu Queria Usar Calças, de Lara Cardella

doc20180618191128_001.jpg

 

Este livro conta a história de Annetta, uma miúda que sempre quis usar calças, numa época em que asmeninas e mulheres só estavam autorizadas a usar saia, estando as calças guardadas para o sexo masculino, ou para aquelas raparigas que ousavam desafiar a sociedade

 

No início, Annetta queria tornar-se freira, convencida de que as freiras usariam calças por baixo do hábito mas, quando essa teoria caiu por terra, desistiu.

Ainda pensou tornar-se rapaz, imitando em tudo o seu primo, até que percebeu que havia algo que diferenciava rapazes e raparigas, pelo que também essa ideia foi colocada de parte.

Só restava uma última hipótese. Quando formulou o seu pedido à mãe esta respondeu-lhe "os homens e as putas* é que usam calças". E foi uma dessas mulheres que Annetta tentou ser.

 

Até ao dia em que um tio a apanhou aos beijos com o namorado, e a levou ao pai, que lhe deu uma valente tareia. Sem conseguirem esquecer a vergonha, acabam por enviá-la uns dias para casa de uma tia, onde vai descobrir terríveis segredos, e perceber que nem tudo é o que parece.

 

Anos mais tarde, Annetta está casada. Os tempos são outros, e as regras não são tão rígidas.

No entanto, Annetta nunca usou calças.

Quando questionada pela tia sobre o que a levou a casar-se, Annetta responde:

 

"Posso mudar uma cabeça, todas não!"

 

Um livro que fala de violência infantil, pedofilia, da vida em meios pequenos onde todos se conhecem, de direitos, de mentalidades, da mudança, de sonhos proibidos e desfeitos.

 

 

 

*mulheres que, pelo modo de vestir e atitudes, possa ser considerada libertina

 

Não Me Deixes Só, de Margarida Freitas

Resultado de imagem para não me deixes só margarida freitas

 

Não é irónico que, numa época em que as mulheres alcançaram a maior liberdade que poderiam ter, ou alguma vez sonhar, existam cada vez mais sentimentos de dependência, carência, e medo de ficar sozinhas?

Não é irónico que, sendo livres de tomar as suas próprias decisões, como nunca antes foram, e de tomar as rédeas da sua vida, como nunca antes lhes foi permitido, existam mulheres que depositam esse poder nas mãos de um homem por sentirem que, sem ele, nada serão ou conseguirão fazer?

E o mais grave é que a dependência chega a um ponto, em que as mulheres se anulam, em que se rebaixam, em que se deixam pisar, em que suportam tudo e ainda acham que é o que merecem. Pior, a sua mente leva-as a crer que gostam e precisam de tudo aquilo. Que tudo é preferível, do que ficar sozinhas, e enfrentar a vida e o mundo por sua própria conta.

E, mesmo quando encontram algo melhor no seu caminho, acabam por deitar fora, porque sentem falta daquilo a que estavam habituadas, mesmo sabendo que lhes faz mal.

Por carência, por obsessão, por dependência, por medo, por impotência, estas mulheres humilham-se, implorando por algo que, num único momento de lucidez, afastaram da sua vida porque lhes fazia mal.

 

Porque traímos?

Por amor? Por paixão? Por desejo? Por necessidade? Por carência? Por instinto? Por afirmação de poder? Para chamar a atenção? Para esquecer os problemas, ou arranjar mais problemas? Pela aventura?

Uma traição ocorre sempre porque a relação entre o casal não está bem? Ou isso é apenas uma desculpa que encontramos, para justificar o que não tem justificação?

O que nos leva a desejar que nos perdoem uma traição, quando nós próprios não conseguimos perdoar as traições dos outros?

 

O amor torna-nos irracionais? Ou deveria tornar-nos mais sensatos? O amor gera confiança, ou aumenta a desconfiança entre o casal? O amor leva-nos a cometer os actos mais irreflectidos, tanto para o bem como para o mal?

Devem os nossos erros ser desvalorizados e, até, perdoados, em nome do amor? Ou é por esse mesmo amor que esses erros ganham proporções avassaladoras, tornando-os imperdoáveis?  

 

De tudo isto nos fala “Não Me Deixes Só”, de Margarida Freitas, um livro que começa por ser um exercício que a psicóloga recomenda à personagem Margarida Sequeira, de forma a ajudá-la a exorcizar de vez o passado, e a conseguir viver mais feliz no presente, sem receios e sem culpas.

Através desse exercício, ficamos a saber o que levou Margarida a procurar ajuda, e como foi a sua vida até ali. A partir de determinado momento, a história deixa de ser um mero exercício, para se transformar numa espécie de diário, em que acompanhamos a fase mais actual da vida da Margarida, com o homem com quem refez a sua vida, no Brasil, e todas as dificuldades e problemas que a sua relação enfrentou.

Confesso que, a certa altura, comecei a achar a Margarida uma autêntica idiota, que não dava valor ao que tinha, uma mulher embirrante, que não consegue estar bem e tem que arranjar motivos para se chatear e acabar com as relações, instável, imprevisível, impulsiva, orgulhosa. Mas houve momentos em que lhe dei razão, e comportamentos por parte dos seus companheiros, incluindo o mais recente, que também não foram os melhores.

Ainda assim, era como assistir a um extintor a querer apagar o fogo, sempre que ele se acendia mas que, às tantas, de tantas vezes que era utilizado, ficava vazio e juntava-se à chama, para tornar ainda maior e incontrolável o incêndio.

 

Finalmente, quando tudo faria prever um final feliz, e a tão desejada estabilidade emocional e uma família perfeita, a vida encarrega-se de mostrar o quanto pode ser injusta, castigar-nos quando já achávamos que tínhamos as contas acertadas, e trocar as voltas aos nossos desejos, atirando-nos, sem dó nem piedade, para o abismo.

 

Haverá ainda forças, depois de tudo, para recuperar de tamanho estrago? Ou nada mais resta, a que nos agarrarmos, e mais vale deixar-nos levar, ou antecipar o inevitável?

 

Sinopse:

"Saí do quarto, fiquei agitada na sala com o meu choro sufocante, custava-me respirar. Mesmo com o meu grande amor a uma parede de distância, sentia-me só, tão inútil. Os meus pensamentos paralisaram no segundo momento mais doloroso da minha vida, parecia estar a sentir tudo novamente, cada segundo de dor, de desespero. A angústia, a ansiedade, o medo, a pressão… Corri para a casa-de-banho. Vomitei... Tinha o meu corpo a reagir às lembranças."

 

 

Autor: Margarida Freitas

Data de publicação: Novembro de 2017

Número de páginas: 250

ISBN: 978-989-52-0322-2

Colecção: Viagens na Ficção

Género: Ficção

Idioma: Pt

 

Com o apoio de:

  • Blogs Portugal

  • BP