Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Como passar a noite às voltas com um exercício de matemática!

MÉTODO+DO+AJUSTE+NA+PARTILHA+(I).jpg

 

Há já muito tempo que não me calhava um serão, à volta dos TPC's que a minha filha traz para casa.

De português, tinha feito algumas coisas, faltava a resposta a uma pergunta, e encontrar um recurso estilístico.

Ora, confesso que a linguagem usada por Fernão Lopes não é fácil de perceber, o que torna ainda mais difícil compreender a mensagem que ele quer transmitir.

Ainda assim, expliquei por palavras minhas, aquilo que eu pensava ser o pedido.

Para além disso, nunca me dei bem com recursos expressivos. Aquilo, em linguagem normal, parecia-me uma personificação mas como, naquele tempo, as palavras tinham outros sentidos, fiquei na dúvida.

Pesquisei em alguns sites, e consegui confirmar as respostas. Estavam bem.

 

 

O pior, foi quando passámos a um exercício de Macs (matemática aplicada às ciências sociais), utilizando o Método do Ajuste na Partilha.

Eu não percebo nada daquilo. Se alguma vez dei, esqueci-me totalmente. 

Tinha 95% de hipóteses de não correr bem.

Ela tentou explicar-me e, ao mesmo tempo, guiar-se por um exemplo do livro. Fez os cálculos de acordo com a explicação dela, e por esse exemplo, mas não batia certo o resultado.

Eu, guiei-me pela explicação e exemplo, e fiquei encalhada no mesmo ponto. 

Os valores das soluções não batiam certo com os que nos davam.

Vi, revi, voltei a fazer, e nada.

 

No entanto, no manual, tinha uma informação, no "passo a passo" dos cálculos, que não batia certo com a explicação que ela me estava a dar.

Fui ver um exercício que ela tinha no caderno. Também era diferente, mais parecido com a informação do livro. 

Tentei fazer os cálculos, usando essa técnica e informação. Deu-me o resultado das soluções.

A primeira parte, estava feita.

Mas, para ficar completo, tinha que conferir, através de equações, se para as duas pessoas dava o mesmo valor, significando que o exercício tinha sido bem feito.

Só que, mais uma vez, não batia certo.

Já era tarde. Tinha tudo para fazer. Estava prestes a desistir. 

Voltava a tentar.

Dizia que já não tinha mais cabeça, mas lá experimentava mais uma vez.

Desisti.

Pensei em voltar a olhar para aquele exercício hoje, para ver se conseguia, com calma e tempo, perceber onde estava o erro.

 

O meu marido diz que o facto de continuar, de certa forma, a estudar, através da ajuda que dou à minha filha, me estimula o cérebro.

Mas isto também é demais!

Fui para a cama a pensar no raio do exercício, sonhei com ele, e ainda esta manhã, voltei a olhar para as contas.

Decidi experimentar novamente, trocando um valor que, hoje, percebi, poderia estar no sítio errado.

E, voilá! Consegui resolver o exercício!

 

Agora, só falta tentar explicar à minha filha porque é que não podíamos estar a seguir o exemplo do livro, porque a situação era diferente, e tentar que ela perceba como é que se faz num e noutro caso, porque ela é teimosa que nem uma mula (como a mãe, por sinal), e nem sempre aceita à primeira, que aquilo que lhe estou a dizer está certo.

 

Quando o livro e o filme não batem certo

Resultado de imagem para dei-te o melhor de mim

 

Já há vários anos que li o livro do Nicholas Sparks "Dei-te o Melhor de Mim" e, mais tarde, em 2014, assisti ao filme no cinema.

Este fim de semana, voltei a ver o filme, que tinha passado na TV e gravei.

 

E ao vê-lo novamente, vinham-me à memória de pedaços do livro, e dava por mim a pensar "então, mas esta não era a parte em que...", "então, mas esta cena não se tinha passado naquele sítio...", então mas não acontecia aquilo?".

Por curiosidade, fui ver as páginas do livro, e percebi que estava certa. O filme trocou algumas voltas ao livro, e eu já não me lembrava disso porque a versão que me ficou na mente, foi a original!

 

De qualquer forma, a emoção que senti ao vê-lo foi a mesma!

 

Não podemos evitar o inevitável

Imagem relacionada

 

Muitas vezes, são tão bons os momentos que passamos em determinadas situações ou fases da nossa vida, ou com determinadas pessoas, que nos habituamos e acomodamos.

Pensamos que são permanentes, que estão garantidas, que nada mudará e, talvez por isso, acabemos por não viver e aproveitar ao máximo, por não perceber o valor desses momentos e pessoas, e o quanto devemos guardar na memória, para quando tudo mudar e deixar de existir.

E, um dia, de repente, o mundo dá uma volta, tira-nos tudo o que tínhamos, coloca-nos noutro cenário, e ficamos sem rumo.

Lutamos entre as saudades e a vontade de que tudo volte ao que era antes, e a adaptação a esta nova realidade que não tem que trazer, necessariamente, momentos ou pessoas piores, mas apenas diferentes, às quais nos acabaremos por habituar e acomodar, até que o mundo decida dar outra volta, arrancar-nos daquele cenário, e testar a forma como encaramos a vida, o diferente, o desconhecido, o presente, o futuro e o passado.

 

O nosso maior erro é pensar que tudo na vida permanecerá eternamente igual. Mas o mundo gira, e a nossa vida também. E não haverá nada que possamos fazer para evitar o inevitável!

The Voice Portugal: quando o público troca as voltas aos mentores

A gala de ontem foi um desastre que, como não poderia deixar de ser, terminou de forma desastrosa!

O público deu o seu contributo, trocando algumas voltas aos mentores, os concorrentes fizeram a sua parte, e os mentores finalizaram com o que acharam melhor, dentro do que lhes sobrou.

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Equipa do Mickael - o próprio mentor admitiu que o público baralhou a sua decisão. Para bom entendedor, meia palavra basta :) É óbvio que, se fosse ele a decidir, levaria a Inês e o Simão. Tendo o público escolhido o Fábio, um dos seus preferidos teria que ficar para trás.

Confesso que, nas galas, não estou a gostar de ouvir a Inês, embora tenha estado menos mal nesta segunda gala. Talvez tenha valido o facto de o Simão já ser repetente, e querer dar oportunidade à Inês, ou porque acha que ela tem grandes hipóteses de vencer. Mas não percebo como é que ele pôde ficar tão entusiasmado com a actuação dela, a ponto de fazer certos comentários.

Foi também a primeira vez que ouvi o tema "Espera" do Fernando Daniel, e confesso que não gostei muito.

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Equipa da Aurea - mais uma mentora a quem o público trocou as voltas. Aposto que, se fosse a Aurea a decidir, teria ficado com a Cláudia e o Joaquim. Mas o público, pela segunda vez, votou na Ana Paula, que está cada vez mais perto de se tornar finalista. Apesar de, como a própria afirma, a sua página ter ainda poucos seguidores, a público está com ela!

Restou à Aurea optar por dois dos seus mais fortes concorrentes, sendo que um deles teria que ficar de fora do Top 8. Decidiu salvar a Cláudia. Qualquer dos dois esteve à altura, e merecia seguir em frente.

 

 

Foto de The Voice Portugal. 

Equipa do Anselmo - era óbvio que o público iria, mais uma vez, votar na Kátia, que será a mais provável finalista desta equipa.

Entre a Telma e a Marta, preferi a Marta. E, ao que parece, o Anselmo achou o mesmo, porque foi para ela o voto de confiança.

Gosto da voz da Telma, mas não na música que escolheu ontem, que estragou por completo.

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Equipa da Marisa - não percebi porque foi, novamente, a última a actuar. Será por ter três meninos bonitos e assim, manter as meninas todas à espera para os ver?! Será por ter três fortes concorrentes, que todos querem ver, e assim manter as audiências?

O que quer que tenha sido, aqui por casa resultou! Estávamos a torcer pelo Ricardo Barroso, que começou bem, com a decisão da Marisa de o manter nesta gala.

Não gosto do Tomás, mas não posso negar que ele será o pontencial vencedor desta edição do The Voice. Foi prometida à Marisa a vitória, e não pode agora falhar! A verdade é que já foi, por duas vezes, o mais votado pelo público.

E se a vitória não chegar com ele, há sempre um Tiago Nacarato à mão. A prestação que mais gostei dele foi a primeira, na prova cega. Desde então, pouco tem mostrado. Não canta mal, tem o seu estilo próprio e o seu caminho bem definido, disso não há dúvidas.

Prova disso é um email que ainda há pouco tempo recebi, a promover o Tiago Nacarato:

 

"Tiago Nacarato é um cantautor portuense de 27 anos, com raízes brasileiras.
Com um contacto com a música desde cedo, estudou na Escola de Música Valentim de Carvalho e participou em alguns projetos, tendo integrado - a convite de Pedro Cardoso (Peixe de Ornatos Violeta), seu professor na altura - uma orquestra de guitarras e baixos elétricos, que pisou palcos como Serralves em Festa, Hard Club ou Casa da Música.
Atualmente é uma das vozes habituais da Orquestra Bamba Social, que junta músicos luso-brasileiros residentes no Porto e que presta tributo a vários clássicos da música brasileira, recriando-os e acrescentando novas sonoridades.
De momento é um dos finalistas do “The Voice Portugal”, na RTP. 
A par do percurso no The Voice, Tiago Nacarato encontra-se em estúdio a produzir o seu primeiro disco de originais, que deverá ser editado no final do próximo ano.
As primeiras datas para 2018 começam a surgir, estando já confirmadas passagens pelo Cinema Passos Manuel, no Porto, por Estarreja e pelo Funchal."

 

Posto isto, e sabendo que ele participou a convite da produção, pergunto-me "o que está ele ali a fazer?"

 

 

Foto de The Voice Portugal.

Se o público tivesse votado no Tiago, tinha a certeza que a Marisa escolheria o Tomás. Tendo o público votado no Tomás, para mim era óbvia a escolha do segundo semi finalista - o Ricardo!

Só quando ela começou com aquele discurso dos caminhos definidos, é que comecei a ver a coisa a descambar, e acabou por se verificar o pior - a Marisa optou pelo Tiago.

Em todos os comentários que tenho lido, vejo vários a favor e contra os vários concorrentes, à excepção do Ricardo, que reune consenso, quanto a ser um dos melhores concorrentes do programa.

Só por isso, e porque sou mazinha, era bem feito que a Marisa voltasse a perder mais uma edição!

 

 

Imagens The Voice Portugal 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP