Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Uma Sombra do Passado, de Nora Roberts

500x.jpg

 

"Uma Sombra do Passado" é um livro totalmente diferente do que eu estava à espera. No bom sentido!

 

Está muito ligado aos cães.

Seja a relação normal deles com os humanos, e vice-versa.

Seja na forma como devem ser educados, e por vezes também os donos!

Seja na sua função enquanto cães de busca e salvamento, o seu treino e as suas habilidades. A forma como encaram de forma "profissional" a sua tarefa, mas encarando-a como um jogo ou brincadeira em que, o prémio final, é encontrar e salvar a pessoa em risco.

Tal como os pais que querem à força que os filhos sejam bons em alguma coisa, também há donos que querem o mesmo para os seus cães. Mas nem todos têm perfil, talento, capacidades para aquilo que os donos querem.

Mas outros há que, mesmo sem o quererem, têm esse dom, e seriam úteis, se treinados para tal.

 

Tem personagens atípicas, mas preferíveis. 

Como Nora Roberts afirma:

"Eu não escrevo sobre Cinderelas que esperam sentadas que o seu Príncipe Encantado venha salvá-las. Elas têm capacidade de sobra para avançar sozinhas. O "príncipe" é como um salário extra, um complemento, algo mais... mas não a única resposta para os seus problemas."

E é assim que decorre a relação entre Fiona e Simon.

Tão bom vê-los em picardias, a negociarem, a barafustarem um com o outro mas, ao mesmo tempo, a proteger-se e amar-se com um só.

 

Tem humor.

Tem união entre os residentes daquela pequena ilha, que funcionam quase como uma família.

 

Tem mistério.

Sabemos quem é o Assassino do Lenço Vermelho. Está preso, e nunca de lá sairá.

Sabemos que ele matou várias mulheres e, em jeito de vingança por Fiona lhe ter conseguido fugir, também o seu noivo e o companheiro canídeo.

Mas foi graças a Fiona que ele foi apanhado e condenado.

Tudo isso é passado.

Agora, sabemos que é o Assassino do Lenço Vermelho Dois.

E qual o seu objectivo - acabar com a vida de Fiona.

Só não sabemos como, e quando o fará, e quem será arrastado com ela, nesse plano maquiavélico delineado pelo mestre mas que, com o tempo, o aluno parece querer tornar seu, e modificar, para pior.

 

E, no fim, voltamos à unidade, à comunidade como um todo.

A Fiona e Simon como um só.

E aos cães que, como sempre, fazem aquilo para que são treinados, mas também para proteger os seus humanos, da maldade de outros humanos.

 

Um excelente livro para quem gosta de animais, romance e suspense!

6 comentários

Comentar post